Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Gozo/Gozar

Gozo/Gozar


Por

Publicado em 17 de Outubro de 2016

rosembergfilho

 

O cinema poético de Luiz Rosemberg Filho nos faz dar uma pausa à brutalidade contemporânea da velocidade. Seu novo curta-metragem, Gozo/Gozar (2016), nos leva à contemplação não apenas das imagens, mas, principalmente das palavras, de seus significantes e do desvelamento do conceito psicanalítico do gozo. O tempo da palavra em Rosemberg não nos paralisa nem nos deixa inertes, pelo contrário, ele reacende o nosso desejo por outras narrativas e nos torna atentos para o que Maria Rita Kehl elogia no seu livro O Tempo e o cão: a atualidade das depressões, o valor do tempo e da lentidão ou o tempo de cada um.

Seu curta dialoga com outros filmes que ele produziu. Rosemberg volta a pensar no uso das palavras em conflito com as imobilidades, traições e imagens fotográficas. A interpretação delicada e forte da atriz Luciana Fróes nos colocar face a face com a tristeza e a dor de viver e, simultaneamente, com o sentido ampliado do gozo. Com isso, nos tira da miséria do senso comum nos fazendo penetrar na ficção simbólica da imagem que pensa em voz alta. Creio que uma das buscas do diretor é não nos deixar reféns ou prisioneiros da mediocridade de narrativas repetitivas que nos impedem de pensar e refletir sobre a experiência do tempo e de nossas próprias vidas.

Este jogo entre o substantivo e o verbo, gozo-gozar, nos fala do prazer por meio de Sade e do saber num “tempo sôfrego do mundo capitalista” – termo que Maria Rita Kehl emprega para falar daqueles que são desajustados a velocidade e a urgência contemporânea, daqueles cujo gozo está perigosamente próximo ao domínio da pulsão de morte, dos que querem gozar à sua maneira. Na medida em que prestamos mais atenção à sutileza da interpretação de Luciana Fróes, nos deparamos não apenas com as táticas e as estratégias criativas do jogo armado por Rosemberg, mas também com a nossa aceleração ante as ações mais corriqueiras. Aquela pressa que empobrece a existência.

Os símbolos e imagens desse curta trazem uma questão cara ao diretor e que faz eco nos seus dois recentes longas-metragens, Dois Casamentos (2015) e Guerra do Paraguay (2016). A questão posta no jogo ‘rosemberguiano’ é sobre como é o gozo e o gozar além das manipulações da mídia e da imoralidade política e religiosa. Sua intenção é expor o apagamento da generosidade no discurso na mídia, na política e na religião. Estes espaços, para ele, foram transformados em negócios para poucos.

Sua reflexão sobre a transformação do ato libertário do gozo e do gozar busca elaborar os efeitos dos traumas em vez de apagá-los. Isto pode nos desviar da trama de repetições cotidianas e nos libertar para voltar a contemplar as palavras, as ideias e as imagens. Sem pressa.

 


Foto: Tito Rosemberg



1 Commentário sobre 'Gozo/Gozar'

  1.  
    Duda

    17 Outubro, 2016| 7:07 pm


     

    Mais gozos para combater este tempo sombrio.

Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio filme França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.