Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Um papo com George Lucas

Um papo com George Lucas


Por

Publicado em 13 de Fevereiro de 2016

stars wars

Quando estive no Festiva de Tribeca, em 2015, escolhi conversar com George Lucas. Um dia depois do laçamento to trailer teaser sobre o episodio 7 de Star Wars, Lucas confessa que nunca ficou ansioso por um lançamento da saga, mas desta vez, como ele não participou de nada no processo criativo, ele está. O diretor diz que, na verdade, Guerra nas estrelas é um filme mudo. Os cortes são de 12 frames. As emoções são cruas e genuínas; “os diálogos não são importantes; a música, sim”. Receitinha básica seguida à risca por Cuarón em Gravidade.

George diz que aos 20 anos queria ser piloto de corridas, simplesmente porque gosta de velocidade. Foi só ao entrar na faculdade, e descobrir que para fazer fotografia era preciso se inscrever num curso de cinematografia, que Lucas começou as suas primeiras incursões nos curtas-metragens. “Fiz uma animação chamada ‘Clouds’. Eu cresci em São Francisco e queria fazer um filme sobre o deserto.” Foi Francis Coppola quem o convenceu a desistir dos experimentalismos com arte, fotografia e animação e dirigir uma comédia. American graffitti se tornou um cult movie e foi um estouro.

Mas novamente Lucas não estava convicto de que era isso o que ele queria criar. Então, surgiu Star Wars. “Quando mostrei a primeira versão ao pessoal do estúdio, ninguém gostou. Nem mesmo meus amigos, como Francis e De Palma. Só Marty (Scorsese) vibrou e anunciou um sucesso. Eu mandei para a distribuição e fui para o Havaí, vegetar no sofá. Recebi um telefonema que era para ligar a TV. E todo mundo estava falando do sucesso de bilheteria do jovem cineasta.”

Bem, foi a dupla Lucas e Spielberg que mudou a história do cinema norte-americano, pois eles investiram no público teen, que consome não só os filmes, mas todos os toys, VHS, DVDs e Blue-Rays. E esse público teen e fiel. Agora são os teens, mais os quarentões, que consomem as pipocas e as espadas de Jedi.

Atualmente aposentado, penso que Lucas usufrua bem do seu legado. Não me parece ser do tipo que controla sua arte e seus produtos a ferro e fogo, mas antes deixa que a nova geracão crie em cima de sua criação. Esta gozando suas longas férias.



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Guilherme Mazzocato

17 de Fevereiro de 2016

    Com o pé esquerdo   Estávamos ali os dois a torto e a direito e já de antemão o meu pé esquerdo me sussurrando se antecipando   Estávamos ali aos roncos e barrancos ligeiros certeiros e meu pé esquerdo se antecipando se levantando   Estávamos ali Pelo menos e o sol esquerdo e […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Não é segredo que perdedores são personagens interessantes para a indústria cinematográfica. Tem sido assim desde a Nouvelle Vague, Jean Paul Belmondo e os roteiros de Godard. Em The Adderall Diaries, James Franco, também produtor, faz o papel de um escritor paralisado com um bloqueio de criatividade. Nessa história, ele está obcecado pelas suas memórias […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Último filme da trilogia composta pelo diretor Gus van den Berghe sobre religião, Lucifer retoma o relato bíblico numa vila mexicana. A abertura e regida por uma espécie de canto gregoriano feminino e a tela será o tempo todo restrita a um círculo, como se víssemos de luneta as aventuras do anjo caído. Esse tipo […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Quando estive no Festiva de Tribeca, em 2015, escolhi conversar com George Lucas. Um dia depois do laçamento to trailer teaser sobre o episodio 7 de Star Wars, Lucas confessa que nunca ficou ansioso por um lançamento da saga, mas desta vez, como ele não participou de nada no processo criativo, ele está. O diretor […]

Por Revista Moviola

13 de Fevereiro de 2016

O filme Dois Casamentos, do cineasta e um dos editores da Moviola, Luiz Rosemberg Filho, pode ser visto (todinho) no YouTube. A produção deste filme é de Cavi Borges. Clique, acomode-se e aprecie, pois como diria o cineasta: “Abandonamos nossas paixões por um desprezo a nós mesmos como fazem Carminha e Jandira no nosso delicado […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cannes Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês cinema inglês Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio Fest Rio França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Morte Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Poemas Rio de Janeiro Teatro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.