Revista Moviola – Revista de cinema e artes » A guerra do Paraguay

A guerra do Paraguay


Por

Publicado em 13 de Fevereiro de 2016

guerra do paraguay

 

 

“A morte se torna absurda/ Transformando em iguais/ Os desiguais/ A descontinuidade/ Em continuidade/ E a vida/ Em absurdo maior.”

Ainda combatem o erotismo criativo de Sindoval Aguiar.

 

“O Paraquay é aqui.”

Uma volta aos valores criativos da nossa juventude, repensando hoje O Jardim das Espumas, num novo longa com a Cavídeo. Com A Guerra do Paraguay, não fizemos um filme para a TV oficial, mas para uma TV que faz pensar. Existem diferenças, né? Queremos, sim, um desaparecer de explicações, espetáculos e certezas duvidosas. Nos doamos aos encontros, movimentos, passagens e paisagens. Humildemente confrontamos afetos, requintes e encantamentos. Entre rupturas e avanços, uma nova história na vida de todos nós. Inútil, portanto, falar do meu encantamento por Alexandre Dacosta, Patrícia Nidermeier, Ana Abbott, Cavi Borges, Chico Dias, Renaud Leenardt, Vinicius Brum, Camille Louise Girouard, Marcelo Reis, Arthur Frazão, Márcia Pitanga, Vinicius Charret, Rodrigo Marçal… Quero aqui agradecer a todos que comigo se serviram de ultrapassagens poéticas delicadas e difíceis. Fomos para muitos tempos distintos, sem a preocupação de uma identidade histórica precisa ou mentirosa, pois uma vez mais, demos um registro critico-poético ilimitado, as imagens e a política de um patriotismo ainda hoje caduco e conservador, representado no filme pelo soldadinho ALÊ!

Tentamos subverter a ordem das explicações fáceis e diluidoras. Fomos dialogar com a ousadia das diferenças. A história chula nunca nos interessou. E como bem dizia Adam Smith: “A riqueza das nações é a cultura dos seus povos.” E foi exatamente isso que fomos matar ferozmente, lá no Paraguay, sendo manipulados por interesses externos. Aspirando, claro, a doença e a morte como traumatismo e uma não essência política nas explicações oficiais. Como bem diria o poema de Elizabeth Hazin: “Viver é grande demais imensa/ dor”. Ou seja, um filme de começos poéticos diferentes; apesar do risco da paixão pela originalidade num país e num tempo que tenta ressuscitar o fascismo idiota do passado recente.

E se o “nosso coração é uma seda” como dizia Leminski, fizemos avançar uma outra história além espetáculo para a TV, do choro e da dor dialogando com liberdade com Brecht, Artaud, Molière, Nietzsche…, numa espécie de saudade de um cinema melhor e emoções irônicas fecundas. Falamos do passado rumo ao futuro assumidamente teatral vivo! E por que não? As guerras não são também um teatrão? Um filme na embriaguez de sonhos mais elevados, ainda que doídos. As duas personagens femininas atravessam uma história de perdas e pobrezas desumanas. Mas, não é essa a história trágica da criação no nosso Continente? A carroça é o país imobilizado de todos nós de ontem e de hoje. Não fomos amenizar nossos tantos crimes políticos, mas nosso desejo de crescer melhor como seres humano. De não ser um bem sucedido na mediocridade reinante de um País propositalmente dividido e que vai sendo empobrecido culturalmente e politicamente.

Claro está que não nos interessa as certezas duvidosas do fanatismo fardado. Afinal, o que fomos fazer ontem no Paraguay, a não ser criminosamente matar e destruir? Para mim a história, o pensamento e o afeto deveriam ser melhor trabalhados em todas as gerações e fundamentalmente nas relações políticas entre as nações. E como resultado uma outra história alinhada a grandeza dos prazeres proibidos, e não a morte como espetáculo de um cinema também empobrecido. Reconquistando assim, o sentido ainda nebuloso das interrogações históricas ainda possíveis. Mexer em noites sem sonho algum. Sentir em nós a rejeição pelo diferente da nação Guarani! E repetindo uma vez mais: “o que foi que os Paraguayos nos fizeram?” O império mergulhado na loucura, afundou nossa história e a deles no mal e no sangue! Como bem dizia Oswald de Andrade: “… fomos descobrir as coisas que nunca vimos.”

 

Veja o trailer aqui:



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Guilherme Mazzocato

17 de Fevereiro de 2016

    Com o pé esquerdo   Estávamos ali os dois a torto e a direito e já de antemão o meu pé esquerdo me sussurrando se antecipando   Estávamos ali aos roncos e barrancos ligeiros certeiros e meu pé esquerdo se antecipando se levantando   Estávamos ali Pelo menos e o sol esquerdo e […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Não é segredo que perdedores são personagens interessantes para a indústria cinematográfica. Tem sido assim desde a Nouvelle Vague, Jean Paul Belmondo e os roteiros de Godard. Em The Adderall Diaries, James Franco, também produtor, faz o papel de um escritor paralisado com um bloqueio de criatividade. Nessa história, ele está obcecado pelas suas memórias […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Último filme da trilogia composta pelo diretor Gus van den Berghe sobre religião, Lucifer retoma o relato bíblico numa vila mexicana. A abertura e regida por uma espécie de canto gregoriano feminino e a tela será o tempo todo restrita a um círculo, como se víssemos de luneta as aventuras do anjo caído. Esse tipo […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Quando estive no Festiva de Tribeca, em 2015, escolhi conversar com George Lucas. Um dia depois do laçamento to trailer teaser sobre o episodio 7 de Star Wars, Lucas confessa que nunca ficou ansioso por um lançamento da saga, mas desta vez, como ele não participou de nada no processo criativo, ele está. O diretor […]

Por Revista Moviola

13 de Fevereiro de 2016

O filme Dois Casamentos, do cineasta e um dos editores da Moviola, Luiz Rosemberg Filho, pode ser visto (todinho) no YouTube. A produção deste filme é de Cavi Borges. Clique, acomode-se e aprecie, pois como diria o cineasta: “Abandonamos nossas paixões por um desprezo a nós mesmos como fazem Carminha e Jandira no nosso delicado […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cannes Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês cinema inglês Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio Fest Rio França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Morte Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Poemas Rio de Janeiro Teatro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.