Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Far from Men

Far from Men


Por

Publicado em 13 de Fevereiro de 2016

FarFromMen

Quando um ator tarimbado como Viggo Mortensen encontra um diretor novato e aberto a novas ideias como David Oelhoffen, o que pode acontecer? Além, é claro, da extrema facilidade com que Viggo interpreta em varias línguas, francês, árabe e espanhol, inclusive, o enxugamento do texto e importante. Num filme sobre conflitos no deserto, o diálogo pode muito bem ser economizado e substituído por linguagem corporal. Essa foi a maior contribuição de Mortensen a Far from men.

Depois de The cut (Fatih Akin), filme que não emplacou, novamente um roteiro toma a guerra na Argélia como argumento central. Mortensen faz um professor isolado no deserto, um homem de princípios e ex-capitão de Exército, a quem é confiada a missão de entregar um dissidente argelino para um julgamento tribal. Claro, a Argélia é uma terra de ninguém, por onde frutificam conflitos étnicos e religiosos por todo lado. O homem torna-se prisioneiro do prisioneiro do prisioneiro, e necessita para sobreviver que escolha um dos lados na contenda. Não será o caso de Daru (Viggo) e esse será seu maior obstáculo.

O filme é uma livre adaptação de um conto de Camus, em que apenas a situação e os personagens foram respeitados. E contou com a colaboração de Nick Cave para compor a trilha sonora. Aliás, Cave está cada vez mais se envolvendo em roteiros e cenografias. Vide Lawless e Twenty days on Earth.

Em Far from men, a ideia original era mesmo filmar na Argélia e captar a luz natural do deserto, mas isso se tornou inviável, por questões de segurança. A saída foi rumar para o Marrocos. O filme foi rodado em 8 semanas.

Transportar as estruturas clássicas de um western para um conflito político histórico e real foi uma tarefa que obviamente evidenciou o sentido de obrigação moral e pessoal dos personagens principais. Em tempos de guerra, firmar-se nos seus princípios e valores é uma utopia. Por fim, tudo se resume na constatação de quão difícil e frágil é atingir um sentimento de irmandade.

Um tema sensível e tabu ainda hoje na Franca, a guerra na Argélia lança uma pletora de questões mal resolvidas ainda hoje. O filme ficou pouco tempo em cartaz por lá e também estreou na Argélia. A distribuição mundial esta a cargo da Pathe.

Assista o trailer:

YouTube Preview Image



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.