Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Alegoria social e política

Alegoria social e política


Por

Publicado em 4 de Novembro de 2014

infancia3

 

Domingos de Oliveira tem 77 anos e mal de Parkinson há pelo menos quatorze. Bon vivant, contumaz bebedor de uísque e fumante inveteradoao menos no personagem que criou de si –, o ator, dramaturgo, escritor, cineasta e músico está preocupado com a morte. Não sei se é um medo do inevitável, mas é clara a sua presença no mais recente longa-metragem do diretor, “Infância”.

Em Infância, a morte é presença marcante pela sua quase que total exclusão. Ela se torna o tema central porque o filme a nega na busca do mais primordial viver, na vida antes dos dez anos, nas primeiras ideias sobre o sexo, no encantamento pela professora particular, na curiosidade acerca da malandragem do primo de mesma idade, em suma, em primeiras descobertas. Em uma das iniciais sequências do longa-metragem, o cachorro de estimação de Rodriguinho – o protagonista mirim – morre intoxicado por comer naftalinas. Preocupada com a reação da criança, a família esconde o fato, decerto na tentativa de protelar o primeiro contato de Rodriguinho com a finitude, essa coisa que move nossa vida e o filme.

Domingos de Oliveira, tão presente em muitos de seus filmes, demarcou sua figura de um modo um pouco mais distante em Infância. É um filme sobre ele, como deixa bem claro já nos primeiros frames, quando o próprio Oliveira observa fotos antigas, o que dá impulso ao flashback que contará a história. Domingos mente muito – como ele mesmo já disse em muitas entrevistas -, então não tenhamos a ingenuidade em observar seu último filme como uma cinebiografia de seu passado. Ele está ali, claro, mas o está de forma crítica e, sobretudo, poética.

 

infancia

A partir da morte do animal de estimação, acompanharemos um longo dia no casarão onde Rodriguinho vive com sua mãe (Priscila Rozenbaum), seu pai (Paulo Betti) e a avó (Fernanda Montenegro). A residência é digna de uma aparição em núcleo rico de novela da rede Globo. Montenegro vive dona Mocinha, a matriarca que, bastante dominadora, mantém filhos, genro e neto sob seu total (ou quase) controle. Dona Mocinha é uma espécie de espelho da classe alta carioca, de ontem e hoje. Ela passa todo o dia à espera do momento em que Carlos Lacerda entrará ao vivo no rádio para fazer suas análises acerca da política e para, obviamente, desfiar toda a sorte de críticas ao governo de Getúlio Vargas, destacando o mar de lama em que o palácio do Catete (como era conhecido o palácio do governo, no Rio de Janeiro) havia afundado.  Carlos Lacerda e dona Mocinha estão no filme para nos lembrar que a história se repete como farsa, e para fazer um paralelo muito preciso com o nosso atual momento histórico. Em um dos numerosos diálogos, a personagem de Fernanda Montenegro fala sobre sua ascendência de classe e posses. Ao falar do avô, cita uma anedota familiar, de que “era um homem tão bom que ao final da escravidão, nenhum negro quis ir embora das suas terras”. Não é preciso muito esforço para traçar as linhas que ligam esse discurso às, hoje, incessantes críticas em torno da lei das domésticas e do Bolsa Família, para citar apenas dois exemplos.

Infância é concentrado em apenas um dia, talvez para acentuar o tom de alegoria política e social que o filme apresenta; talvez para marcar o ponto de transformação na vida de Rodriguinho. É como uma obra de formação às avessas, que ao invés de contemplar todo o crescimento intelectual do personagem, ao longo de anos, aponta a origem de tudo.

E por falar em formação, Domingos de Oliveira – como já dito – é um artista multifacetado. Mas é como dramaturgo, acredito, que está sua principal pulsão, pois – antes de tudo – ele é um escritor de falas. Em Infância, nota-se bem isso. Como de costume, Oliveira propõe um texto de grande riqueza, divertido e em alguns momentos até bem inspirado. Do ponto de vista imagético, acaba sendo um longa bem desleixado, com pouca proposição de linguagem. É curioso, aliás, como Domingos pode acreditar tão fortemente na palavra a ponto de deixar câmera e montagem renegados a uma função mais feijão com arroz.

Mesmo assim, há momentos que, no seu desleixo, o filme atinge pontos altos. Tais como a cena final, quando Rodriguinho conversa frente a frente com o próprio Domingos de Oliveira, numa liberdade poética atemporal. Em resumo, Rodriguinho cita alguns autores e artistas fundamentais para a formação de Domingos, tais como Dostoievski – presente em dez de dez de seus filmes. A cada citação, Domingos joga fora uma naftalina. A cada citação, parece que ele aceita mais o tempo, a velhice e a tal morte. E o faz com uma profunda alegria.

 



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.