Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Alegoria social e política

Alegoria social e política


Por

Publicado em 4 de Novembro de 2014

infancia3

 

Domingos de Oliveira tem 77 anos e mal de Parkinson há pelo menos quatorze. Bon vivant, contumaz bebedor de uísque e fumante inveteradoao menos no personagem que criou de si –, o ator, dramaturgo, escritor, cineasta e músico está preocupado com a morte. Não sei se é um medo do inevitável, mas é clara a sua presença no mais recente longa-metragem do diretor, “Infância”.

Em Infância, a morte é presença marcante pela sua quase que total exclusão. Ela se torna o tema central porque o filme a nega na busca do mais primordial viver, na vida antes dos dez anos, nas primeiras ideias sobre o sexo, no encantamento pela professora particular, na curiosidade acerca da malandragem do primo de mesma idade, em suma, em primeiras descobertas. Em uma das iniciais sequências do longa-metragem, o cachorro de estimação de Rodriguinho – o protagonista mirim – morre intoxicado por comer naftalinas. Preocupada com a reação da criança, a família esconde o fato, decerto na tentativa de protelar o primeiro contato de Rodriguinho com a finitude, essa coisa que move nossa vida e o filme.

Domingos de Oliveira, tão presente em muitos de seus filmes, demarcou sua figura de um modo um pouco mais distante em Infância. É um filme sobre ele, como deixa bem claro já nos primeiros frames, quando o próprio Oliveira observa fotos antigas, o que dá impulso ao flashback que contará a história. Domingos mente muito – como ele mesmo já disse em muitas entrevistas -, então não tenhamos a ingenuidade em observar seu último filme como uma cinebiografia de seu passado. Ele está ali, claro, mas o está de forma crítica e, sobretudo, poética.

 

infancia

A partir da morte do animal de estimação, acompanharemos um longo dia no casarão onde Rodriguinho vive com sua mãe (Priscila Rozenbaum), seu pai (Paulo Betti) e a avó (Fernanda Montenegro). A residência é digna de uma aparição em núcleo rico de novela da rede Globo. Montenegro vive dona Mocinha, a matriarca que, bastante dominadora, mantém filhos, genro e neto sob seu total (ou quase) controle. Dona Mocinha é uma espécie de espelho da classe alta carioca, de ontem e hoje. Ela passa todo o dia à espera do momento em que Carlos Lacerda entrará ao vivo no rádio para fazer suas análises acerca da política e para, obviamente, desfiar toda a sorte de críticas ao governo de Getúlio Vargas, destacando o mar de lama em que o palácio do Catete (como era conhecido o palácio do governo, no Rio de Janeiro) havia afundado.  Carlos Lacerda e dona Mocinha estão no filme para nos lembrar que a história se repete como farsa, e para fazer um paralelo muito preciso com o nosso atual momento histórico. Em um dos numerosos diálogos, a personagem de Fernanda Montenegro fala sobre sua ascendência de classe e posses. Ao falar do avô, cita uma anedota familiar, de que “era um homem tão bom que ao final da escravidão, nenhum negro quis ir embora das suas terras”. Não é preciso muito esforço para traçar as linhas que ligam esse discurso às, hoje, incessantes críticas em torno da lei das domésticas e do Bolsa Família, para citar apenas dois exemplos.

Infância é concentrado em apenas um dia, talvez para acentuar o tom de alegoria política e social que o filme apresenta; talvez para marcar o ponto de transformação na vida de Rodriguinho. É como uma obra de formação às avessas, que ao invés de contemplar todo o crescimento intelectual do personagem, ao longo de anos, aponta a origem de tudo.

E por falar em formação, Domingos de Oliveira – como já dito – é um artista multifacetado. Mas é como dramaturgo, acredito, que está sua principal pulsão, pois – antes de tudo – ele é um escritor de falas. Em Infância, nota-se bem isso. Como de costume, Oliveira propõe um texto de grande riqueza, divertido e em alguns momentos até bem inspirado. Do ponto de vista imagético, acaba sendo um longa bem desleixado, com pouca proposição de linguagem. É curioso, aliás, como Domingos pode acreditar tão fortemente na palavra a ponto de deixar câmera e montagem renegados a uma função mais feijão com arroz.

Mesmo assim, há momentos que, no seu desleixo, o filme atinge pontos altos. Tais como a cena final, quando Rodriguinho conversa frente a frente com o próprio Domingos de Oliveira, numa liberdade poética atemporal. Em resumo, Rodriguinho cita alguns autores e artistas fundamentais para a formação de Domingos, tais como Dostoievski – presente em dez de dez de seus filmes. A cada citação, Domingos joga fora uma naftalina. A cada citação, parece que ele aceita mais o tempo, a velhice e a tal morte. E o faz com uma profunda alegria.

 



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Por Revista Moviola

26 de Fevereiro de 2019

Perigo Por Encomenda (2012), escrito e dirigido por David Koepp, traz ao público a cidade de Nova York como elemento determinante na narrativa e na estética do filme. O longa conta a história de um mensageiro que usa como transporte uma bicicleta (Wilee, interpretado por Joseph Gordon-Levitt) em Manhattan, o personagem precisa entregar, um envelope […]

Por Revista Moviola

21 de Fevereiro de 2019

Garota Sombria Caminha Pela Noite (2014) é um filme baseado em um curta de terror, com roteiro e direção de Ana Lily Amirpour e vencedor do prêmio da Revelação Cartier no Festival de Deauville em 2014. Uma produção realizada por imigrantes iranianos nos Estados Unidos que traz um estilo mesclado entre o horror, a fantasia, […]

Por Revista Moviola

18 de Setembro de 2018

O curta documentário Ilha das Flores, lançado no ano de 1989, dirigido por Jorge Furtado, com a duração de 13 minutos, cria no espectador, nos seus primeiros cinco minutos, a sensação de que se vai assistir a uma comédia. As imagens, em sequências rápidas e a voz off do ator Paulo José, levam o público a […]

Por Revista Moviola

13 de Setembro de 2018

  Elena (2012) tem um tom extremamente pessoal por narrar a triste história da irmã mais velha da diretora que dá nome ao filme. O documentário aborda a forte relação entre a personagem e Petra Costa, mostrando a depressão e as fraquezas vividas por Elena (sua irmã mais nova), pelo desejo de ser atriz. O filme […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.