Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Adieu au Langage

Adieu au Langage


Por

Publicado em 3 de Novembro de 2014

Adieu au Langage, de Jean-Luc Godard.

Por favor, me respondam: Quantos filmes em 3D vocês viram na última década? Me respondam também: Quantos filmes em 3D feitos por diretores que aprenderam a fazer cinema vendo cinema, e não TV ou desenho animado, vocês viram em todos os tempos? Bem, este é o cartão de visita de Godard, que volta às telas tão provocante, inquiridor e exuberante como nunca!

Adieu au Langage, vencedor de Cannes junto com Mommy, de Xavier Dolan, vem para dizer que o nosso tempo é agora e que o verdadeiro artista fala de um tempo atemporal, o antes, o agora e o depois. Para Godard é incomunicável a expressão “no meu tempo”… O seu tempo é hoje. É por isso que ele é meta-moderno, para além da pós-modernidade: Alphaville, A Chinesa, O Desprezo, Acossado, Je Vous Salue, Marie, Nossa Música.

Em 2014, Jean-Luc Godard se utiliza do 3D para mostrar ao espectador entontecido, com visão dupla, como funciona essa técnica. Não com linguagem, mas com movimento. Ele vai lá beber na fonte dos linguistas mais renomados, e não por acaso franceses. Dorme com Barthes e transforma seu filme em signo, em uma série de verbetes, como em “O grau zero da escritura”. Chicoteia Sausurre e os seus enjoativos conceitos de significado e significante e nomeia os atos (1, 2, 3, 1 novamente) do seu longa deste modo: “aHdieu!” au langage, etc.

Não é uma história de amor, nem uma história de desamor, apesar do casal central. É simplesmente uma não-história. Uma experimentação visual. Puro cinema.

A metáfora, qualquer que seja, se complica se a decodificamos. Ela persiste em ser metáfora na medida em que se multiplicam as suas interpretações. Por isso, escrever sobre Godard é absolutamente redutor ao que você for ver, ouvir, respirar, quase tocar na sala escura.

Cores eletricamente saturadas, ilusionismo, brincadeiras e jogos de luz, lanterna mágica experimental, o adeus de Godard é um preâmbulo. Foi assim que tudo começou para os nossos olhos, numa cena de um trem que invadia a casa de cinema. É assim que tudo está ciclicamente se repetindo há mais de cem anos.

Pode haver adeus a uma certa linguagem, se essa se resume a uma mensagem de texto do seu celular. No entanto é um adeus que se autodevora, se transforma em nova linguagem. Talvez hoje nunca tenhamos visto tão clara e urgentemente o poder da linguagem, e as deturpações ocasionadas quando não nos comunicamos, ou quando não somos lidos, respondidos. Godard fala a todos nós. Com “Adieu au Langage”, ele manda um mensagen geral: “alô, alô, aquele abraço”. Somos todos jovens e velhos; estamos a testemunhar as mesmas coisas simultaneamente. Leitor, passe esse link para adiante.

Adieu au Langage, de Jean-Luc Godard (França, 2014)

Veja a cobertura completa do London Film Festival 2014



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.