Revista Moviola – Revista de cinema e artes » O Duque de Burgundy

O Duque de Burgundy


Por

Publicado em 2 de Novembro de 2014

The Duke of Burgundy, de Peter Strickland.

O novo longa de Peter Strickland (Berberian Sound System) explora um mundo romântico absolutamente feminino com nuanças de sado-masoquismo. Expressando assim, pode dar a entender que se trata de um filme violento, composto de saltos-altos, chicotes e algemas, mas não. As texturas e sutilezas da trama são singelamente emaranhadas e repetidas, dando um certo trabalho ao cinematógrafo inglês Nic Knowland, com quem bati um papo depois de uma sessão na London Film School.

Cynthia (Sidse Babett Knudsen) entra no jogo SM da amante, Evelyn (Chiara d’Anna) como a rainha de gelo, a Dominatrix, que submete a criada aos mais baixos caprichos e olhares desprezíveis. Entre as variáveis de fetichismo e voyeurismo, a câmera vai fazendo um passeio na intimidade dessas mulheres como a inquirir onde está o obscuro ponto G. De fato, há uma cena, descrita por Nic, cujas rubricas eram exatamente estas: “A câmera desaparece entre as pernas”, para então se abrir numa série de dinâmicas mais alegres, mais iluminadas, entre as duas.
Certamente que para as interpretações notáveis e o roteiro minucioso, filmado em Budapeste, foi necessário um cuidado atentíssimo para a cinematografia. Nic diz que é avesso aos storyboards e que cria muito durante os ensaios. Para compor “The duke of Burgundy”, ele rejeitou o digital e criou tudo com lentes e espelhos, abusando dos zooms, porque era necessário uma velocidade mais lenta, mais penetrante no universo escondido e nada óbvio da feminilidade. Ele ressalta que desse modo o filme pode ser mais orgânico e mostrar de perto os detalhes das atrizes, as texturas das lingeries envolvidas em sabão, as cores dos azulejos do banheiro, as franginhas da colcha na cama.

O Duque de Burgundy se torna mesmo uma aula aos cinéfilos, aos obcecados pela luz ideal, natural (ou não), que será cúmplice dessa história de amor cujo limite é um código que libertará (ou não) as personagens de suas taras. À medida que os jogos de role play vão se intensificando e repetindo, o espectador pode acompanhar o que não vai bem nessa dinâmica, o que está super-saturado. E aí então estará no campo da vida pública dessas personagens, que são biólogas especializadas em borboletas. Numa das conferências a que as duas comparecem, há apenas mulheres entre a plateia. Minto: mulheres e manequins, bonecas mesmo. É uma referência a outro filme sem dúvida, do qual Nic não se lembrou, mas também a contos como “O homem de areia” de E.T.A. Hoffmann. A boneca, ou mais modernamente, o avatar, é a segunda pele dessa borboleta, que é toda mulher em sua mais íntima sexualidade. Para isso, então, Nic pensou numa câmera mais subjetiva e aproveitou a luz natural das janelas.

Peter trabalha dando certa liberdade e tempo aos atores. O primeiro corte, por exemplo, foi após 20 minutos. Isso gera para nós uma agonia mais apaixonada, intensa e verdadeira do que ele quer nos contar de um modo mundanamente universal.

O Duque de Burgundy (The Duke of Burgundy, Reino Unido, 2014)

Veja a cobertura completa do London Film Festival 2014



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio filme França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.