Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Pasolini

Pasolini


Por

Publicado em 16 de Outubro de 2014

Pasolini, de Abel Ferrara.

Não poderia ser de outro modo. O Pasolini de Abel Ferrara (Vício Frenético) aporta no Reino Unido, tendo vindo do Festival de Veneza, com o mesmo selo polêmico do escritor. Ame-me ou odeie-me. Não há meio-termo possível, não se pode ficar em cima do muro com relação a Pier Paolo Pasolini.

Ferrara conta os últimos dias de vida de Pasolini, quando estava sendo massacrado na Itália pelo seu Saló ou os 120 Dias de Sodoma, cujas cenas de orgia indignaram a cidade-sede da Igreja Católica, e ao mesmo tempo tinha conquistado um prestígio internacional por sua verve marxista e crença na revolução, na busca do verdadeiro, puro, ingênuo homem do campo, aquele único ser capaz de levar adiante as transformações necessárias à política e à sociedade. Voltando ao conto de Ferrara, porém, personificado por Willem Dafoe como o homem-título, a opção foi por fragmentar esteticamente a vida de Pasolini nos anos 70, evidenciando seu incansável trottoir entre a aristocracia italiana e os meninos da periferia.

Nesse trânsito confuso, repleto de sinais fechados, Ferrara desperta uma não-linearidade, um caminhar errante, que estranha aos espectadores mais comuns. Por onde seguir? Onde este atalho vai dar? E assim o espectador acaba vivendo mesmo a experiência intrínseca, boba e ao mesmo tempo sublime do verdadeiro cinema. Ou seja: ele vai cegamente por onde o diretor quer que ele caminhe. Ele só vê o que o diretor deseja, só sabe o que o diretor deseja, só reaje ao que o diretor deseja. O cinema é uma experiência que se vive às escuras, concreta e abstratamente.

Num certo sentido, sendo jogado ao sinestésico das relações sexuais cruas na tela e ao apolíneo jogo de palavras reconstruídas na última entrevista de Pasolini à TV, estamos à beira de um precipício, nesta recriação entre a arte e a política. Vertiginosamente, somos expostos aos closes e ver o todo, quer se trate de Andreotti ou das putas lésbicas, é no mínimo desorientador. Como toda húbris, há que se aceitar o curso veloz da história, o fluxo descendente da humanidade.

Este Pasolini é como toda anterior criação do escritor: há que se pagar o preço alto da consciência. E voltar, se for possível. Contar aos outros a experiência talvez seja inútil; vivê-la é essencial.

Pasolini, de Abel Ferrara (França / Bélgica / Itália, 2014)

Veja a cobertura completa do London Film Festival 2014



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio filme França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.