Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Ela

Ela


Por

Publicado em 7 de Março de 2014

Ela, de Spike Jonze.

 

(Londres, Moviola) – Quando penso na relação homem/máquina, entendendo por máquina computador, sou automaticamente remetida a duas referências: 2001, Uma Odisseia no Espaço, e o livro de Sherry Turkle, Life on the Screen. Tanto na época do HAL como no lançamento do livro, essa relação para mim ainda estava no abstrato campo da ficção científica. Mas Ela (no original, Her), de  Spike Jonze (Quero ser John Malkovich),  fez-me ver o absurdo em que vivemos hoje. O filme é um retrato assustador sobre a rendição humana à solidão e à incapacidade de amar o que seja humano – e falho.

Jonze  pode não ser tão inventivo na direção de fotografia, com suas tomadas de Los Angeles enevoada, mas o é na temática e no modo de pincelar o Estranho Amor do homem por uma voz feminina dentro de um computador. A voz é a de Scarlet Johansson (Samantha), a sexy Brigite Bardot atual; e o amante é Joaqhin Phoenix (Theodore Twonbly). Este Teo/a-doro vem naturalmente de uma crise existencial e de um casamento rompido. A sua inadequação se torna maiúscula quando elege para sua nova amante uma criação digital, uma programação alheia, uma secretária infalível e pró-ativa.

Se em 2001, Uma Odisseia no Espaço e em Life on the Screen ainda se questionava o ato deliberativo da máquina, aqui isso não entra em xeque. Samantha tem também vontades e iniciativas, mesmo se ainda duvidemos que sejam naturais tais iniciativas. Claramente seria mais difícil apaixonar-se por um “ser” sem iniciativa alguma. Bem, agora que escrevi isso, já não tenho certeza. Vou checar Bauman para esclarecer o amor nos tempos líquidos, ou a paixão liquefeita. O que vem gradualmente invadir essa narrativa fílmica é uma profunda inquisição dos Tempos Modernos.

Da nossa impaciência para o amor e para a perturbação do que isso provoca. Porque não sustentamos mais o Outro, nem a sua verdade, nem a sua máscara. Simples. Deletamos, ignoramos, não mandamos mensagem. Risivel é a reação da ex-mulher de Theodore ao saber que a sua nova namorada é uma inteligência artificial. Todas as suas críticas aos defeitos de Theodore poderão então ganhar o cunho de viabilidade da sua incapacidade de amar. Mas o incrível é que Theodore ama realmente Samantha.

Acompanhando o filme, nos damos conta de como vivemos hoje e do que somos dependentes. Da tecnologia, óbvio. Mas principalmente dependentes da incapacidade de sustentar a frustração, que é a inerente condição humana. Pode então neste buraco negro haver eco para um amor que independa da presença física? A distância romantiza o que a realidade escancara. Amar um morto ou um santo é fácil, não há mudança. É liso amar o Imutável e o Constante. O que diriamos de amar uma máquina? Phoenix está curiosamente normal em Theodore. Isso não impede, porém, que logisticamente reestabeleçamos nossa afeição por ele como ator. O papel de Amy Adams, por outro lado, não a exige tanto, como em Trapaça, mas os papéis menores são aqueles que mostram a evolução de um bom ator.

 

Trailer

YouTube Preview Image



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio filme França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.