Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Philomena

Philomena


Por

Publicado em 20 de Outubro de 2013

Philomena, de Stephen Frears.

(Londres, Moviola) – Atrasado por conta do voo, Stephen Frears se junta aos colegas Judi Dench, Steve Coogan e Jeff Pope (produtor) à mesa da coletiva, dizendo: “Em Veneza, ganhamos o prêmio de melhor filme católico. Nós também ganhamos o prêmio de melhor filme ateu”. Justamente, Frears, este é o ponto-chave de Philomena: querer agradar a gregos e troianos.

Baseado numa história real – a verdadeira Philomena está viva – o novo longa do diretor de Ligações Perigosas e A Rainha é muito bem estruturado pelo ator e roteirista Steve Coogan, que vive o jornalista contratado por Philomena para achar seu filho após décadas. Philomena, mãe solteira irlandesa, deixara-o num convento, mas por alguns anos ainda pôde conviver com ele, embora tivesse assinado um documento “liberando-se” dos encargos da maternidade. Descobre-se, então, que havia um verdadeiro negócio de venda de crianças entre a Igreja católica e pais, principalmente norte-americanos, que é onde o menino Anthony fora parar. Coogan (Martin Sixsmith), ateu convicto, a princípio está atrás de uma boa história que o redimirá do ostracismo da mídia, mas no decorrer dos 98 minutos engrandece-se como ser humano com a fé de Philomena.

Dame Judi Dench me diz: “O filme é sobre o poder do perdão. E o que é extraordinário é como duas pessoas bastante distintas lidam com isso. Ela perdera o filho, mas ganha algo valioso com a amizade de Martin”. E Coogan brinca: “Também pudera, como roteirista, dei todas as falas cômicas para você!”

Sim, em todos os momentos Philomena veste a sua experiência com tons de otimismo. No encontro entre Dench e a personagem-título, a atriz, cuja mãe era irlandesa (o sotaque, portanto, é de berço), percebera que Philomena era irresistível. “Não devemos vendê-la facilmente, porém. A minha responsabilidade era com a verdade e tratei de deixar claro no filme que em nenhum instante ela se esquecera do filho”. Sim, Dame, isso está claro em todas as nuanças da sua arte.

Sobretudo, afirma Pope: “Não podemos julgá-la com os padrões modernos”. Humm, aí é que são elas. A indignação e raiva de Martin diante da injustiça das freiras – não vou contar tudo para não perder a graça – é fichinha diante do que poderia ter sido feito judicialmente. O bom senso nos diz que a lógica (religiosa) vence a emoção (raiva do ateu), mas Frears e Coogan pegam leve na pena. Não há redenção enquanto não houver punição. Mas, enfim, o filme é sobre o perdão.

É muito provável que Philomena agracie Judi Dench com uma indicação ao Oscar e seria mesmo louvável esta escolha. Vamos acompanhar.

Philomena, de Stephen Frears (Philomena, 2013, Grã-Bretanha / Estados Unidos / França)

Trailer do Filme:

YouTube Preview Image

Veja a cobertura completa do London Film Festival 2013



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Guilherme Mazzocato

17 de Fevereiro de 2016

    Com o pé esquerdo   Estávamos ali os dois a torto e a direito e já de antemão o meu pé esquerdo me sussurrando se antecipando   Estávamos ali aos roncos e barrancos ligeiros certeiros e meu pé esquerdo se antecipando se levantando   Estávamos ali Pelo menos e o sol esquerdo e […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Não é segredo que perdedores são personagens interessantes para a indústria cinematográfica. Tem sido assim desde a Nouvelle Vague, Jean Paul Belmondo e os roteiros de Godard. Em The Adderall Diaries, James Franco, também produtor, faz o papel de um escritor paralisado com um bloqueio de criatividade. Nessa história, ele está obcecado pelas suas memórias […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Último filme da trilogia composta pelo diretor Gus van den Berghe sobre religião, Lucifer retoma o relato bíblico numa vila mexicana. A abertura e regida por uma espécie de canto gregoriano feminino e a tela será o tempo todo restrita a um círculo, como se víssemos de luneta as aventuras do anjo caído. Esse tipo […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Quando estive no Festiva de Tribeca, em 2015, escolhi conversar com George Lucas. Um dia depois do laçamento to trailer teaser sobre o episodio 7 de Star Wars, Lucas confessa que nunca ficou ansioso por um lançamento da saga, mas desta vez, como ele não participou de nada no processo criativo, ele está. O diretor […]

Por Revista Moviola

13 de Fevereiro de 2016

O filme Dois Casamentos, do cineasta e um dos editores da Moviola, Luiz Rosemberg Filho, pode ser visto (todinho) no YouTube. A produção deste filme é de Cavi Borges. Clique, acomode-se e aprecie, pois como diria o cineasta: “Abandonamos nossas paixões por um desprezo a nós mesmos como fazem Carminha e Jandira no nosso delicado […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cannes Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês cinema inglês Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio Fest Rio França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Morte Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Poemas Rio de Janeiro Teatro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.