Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Camille Claudel 1915

Camille Claudel 1915


Por

Publicado em 18 de Outubro de 2013

Camille Claudel 1915, de Bruno Dumont.

(Londres, Moviola) – Juliette Binoche interpreta a talentosa e lucidamente perturbada escultora Camille Claudel em seu último ano de vida, num asilo em Avignon. Parece-me um filme imperdível, verdade? O problema é que o filme se arrasta numa austeridade e falta de humor exaustivos. Nada a criticar da atuação de Binoche; pelo contrário, o filme é ela. Mas o diretor Bruno Dumont perdeu a mão em algum instante que não sei precisar.

Pincelar os traumas imaginários e reais de Camille com seu ex-amante, o tirânico Rodin, e com sua família, em comentários com o diretor da clínica me parece ser muito pouco cinematográfico e cerebral demais, para quem está são mas sofre. A impressão que ressalta é que a recitação sai apenas da garganta, e não do corpo, como se fora recital de poema sem incluir a plateia, ou na frente do espelho. Isso é estranho, ainda mais em se tratando de Dumont, o qual dirigiu, em 1999, o perturbador A Humanidade. Aqui a perturbação permanece no campo mental e não sai do roteiro, não invade a sala de cinema.

O fervor da Claudel de Isabelle Adjani, por exemplo, em filme de 1988, de Bruno Nuytten, não passa de um esboço mal traçado pelas tentativas frustradas desta Claudel de voltar à vida natural e ao convívio familiar. Adjani foi indicada ao Oscar de melhor atriz. Binoche merece o prêmio igualmente, mas para quem não está familiarizado com as circunstâncias da carreira e vida de Claudel, a intensidade da interpretação de Binoche se perde no vazio e não significa ou re-significa o que deveria operar.

Carregar na arquitetura do asilo, na aridez das montanhas, na fotografia do filme em si, torna-se aqui um detalhe físico de uma natureza-morta, inanimada mesmo. Ou você ficaria atraído em ver, lentamente, as batatas fervendo na cozinha do hospício?

Mas mais insustentável ainda é Paul Claudel (Jean-Luc Vincent). Há uma diferença muito grande em interpretar a frieza e a lógica e ser o ator frio e lógico em suas escolhas de interpretação. O personagem é que deve ser contido, jamais o ator. O ator deve doar, sempre.

Bem, as batatas continuam fervendo na panela, tenho certeza, mas aqui não há vencedor a recolhê-las como prêmio, não é, Machado?

Camille Claudel 1915, de Bruno Dumont (Camille Claudel 1915, 2013, França)

Trailer do Filme:

YouTube Preview Image

Veja a cobertura completa do London Film Festival 2013



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

28 de Outubro de 2019

                            Em 2020, o Internacional Uranium Film Festival comemorará uma década. O evento é o único no país dedicado a expor e debater o invisível mundo atômico e seus riscos radioativos. Em quase uma década, o festival reuniu produções cinematográficas de vários […]

Por Revista Moviola

19 de Outubro de 2019

              O longa-metragem Fendas apresenta uma protagonista mulher e paisagens, sons e imagens que envolvem seu trabalho num centro de pesquisas no Rio Grande do Norte. Seus objetos de pesquisa e seu cotidiano se mesclam. A personagem, uma cientista do campo da física, captura imagens de pessoas à distância. […]

Por Marcella Rangel

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Odeon Oscar Poemas Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.