Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Abuso de Vulnerável: Entrevista com Isabelle Huppert

Abuso de Vulnerável: Entrevista com Isabelle Huppert


Por

Publicado em 16 de Outubro de 2013

Abuso de Vulnerável, de Catherine Breillat.

Abuso de Vulnerável, de Catherine Breillat (Abus de Faiblesse, 2013, França / Alemanha / Bélgica)

(Londres, Moviola) – Isabelle Huppert nutre uma amizade de 20 anos com a diretora Catherine Breillat e foi por conta disso que Huppert aceitou interpretá-la em Abuso de Vulnerável. “Só você pode fazer este filme e tem de ser logo, antes que eu morra”, brincou Breillat. Inebriada com um gole de prosecco e, obviamente, com a diva intelectual do cinema francês, depois da projeção, conversei um pouco com Huppert e Breillat sobre “as fraquezas humanas”.

Huppert interpreta Maud, uma diretora que sofre um derrame e que, mesmo com seu corpo parcialmente paralisado, contrata um protagonista canastrão como estrela de seu próximo filme. A partir daí, começa-se a estabelecer uma relação de extorsão e masoquismo, um verdadeiro jogo de poder entre os dois, que culminará obviamente na falência concreta e emocional de Maud.

Huppert me diz: “Eu não pensei muito antes de aceitar o papel, pois a minha relação com Breillat foi quem me guiou. Não foi difícil interpretá-la. Este filme não é apenas autobiográfico, mas é sobre as fraquezas, sobre o jogo de poder entre um homem e uma mulher, sobre quem é mais forte e quem é mais fraco”. E, claro, não resisto: “E qual a sua fraqueza, Huppert?” “Ah, boeuf, são tantas, não posso escolher apenas uma.”

Um gole de prosecco.

A Breillat, questiono se com este filme ela fechou um ciclo. “Não. O ciclo jamais se fecha; do contrário seria a morte”, e me olha de um modo bem agudo, vivo. Nas filmagens, ela não deu muito espaço para a improvisação, ou melhor, não deu nenhum, mas quis que os atores a surpreendessem. Parece-me, de sua expressão, que eles realizaram o feito. Sobre o colega Kool Shane (codinome para Bruno Lopes), Huppert elogia o seu ritmo e instinto natural para interpretar – o ator é cantor e compositor também. Diz que ele trabalhou duro na construção do papel e nas filmagens.

Pessoalmente, o filme cai num tom de mesmice e repetição (da extorsão e do sofrimento físico) que me aborreceu um pouco. Sim, Maud, no início, quer a todo custo reaprender a rir e Huppert mesmo diz-me: “O filme é engraçado”. Entretanto, o senso de humor do filme é uma dolorida ironia, muito à francesa, e longe do riso solto, rejuvenescedor.

Desculpe se lhe estrago este prazer, caro espectador e leitor, mas Maud recita, ad nausea, este sintagma, “era eu e não era eu”, para esquivar-se de uma condenação familiar. Huppert, então, concorda comigo que a arte de interpretar é esse sintagma acima: sou eu e não sou eu.

Os próximos projetos de Huppert incluem o teatro em Paris. Vai fazer Malraux. “Ah!”, solto. E Huppert me pergunta, curiosa, se tem tradução em português. “Sim, claro!”. S’il vous plait, amigos tradutores, cubram esta lacuna por mim, caso eu tenha sido leviana na afirmação. Não poderia desapontar Huppert no primeiro encontro!

Trailer do Filme:

YouTube Preview Image

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2013

Veja a cobertura completa do London Film Festival 2013



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio filme França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.