Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Walesa

Walesa


Por

Publicado em 6 de Outubro de 2013

Walesa, de Andrzej Wajda.

Oriana Fallaci, famosa por retirar o xador durante o encontro com o Aiatolá Khomeini, viaja à Polônia para entrevistar Lech Walesa, líder do Solidariedade, primeiro sindicato independente do país, que representa mais de dez milhões de trabalhadores. Casado, pai de seis filhos, profundamente católico, avesso à leitura e aos intelectuais e egocêntrico, Walesa é repleto de contradições: aceita, por exemplo, da ditadura socialista contra a qual luta, o apartamento onde mora com a família. Andrzej Wajda se aproveita da entrevista para narrar, em flashbacks, os principais acontecimentos, entre 1970 e 1989, da vida de Lech Walesa, que coincidem com seu protagonismo para a volta da democracia na Polônia e no Leste Europeu.

Andrzej Wajda retorna aos conflitos sangrentos nos estaleiros de Gdánsk em 1970, quando Lech Walesa, após ser preso, torna-se informante da polícia secreta. Avança para o envolvimento de Walesa com a KOR, grupo de estudantes e professores a favor dos operários. Detém-se na greve geral de 1980, que tomou a Polônia e levou ao nascimento do Solidariedade. Mostra o Nobel da Paz de 1983, que sua esposa teve que buscar, e a humilhação que ela sofreu ao voltar ao país.

Mais importante em Walesa, contudo, não é a sucessão dos eventos que desfilam na tela, mas a forma com que Wajda os organiza, ao criar diálogos entre planos documentais e encenados, ou seja, entre imagens de arquivos e de ficção. Assim, o ator que interpreta Lech Walesa discursa para a câmera, enquanto a multidão que o assiste é a verdadeira, às portas do estaleiro de Gdánsk em 1980. Ou, na pela do líder sindical, Robert Wieckiewicz discute com o real primeiro-ministro polonês as exigências dos trabalhadores para o fim da greve. Verdade que, ao menos em duas ocasiões – na aceitação do Prêmio Nobel e nos conflitos de 1970 -, Wajda insere digitalmente as personagens em material de arquivo. No entanto, o procedimento estético que estrutura o filme é o simples campo / contracampo: imagem documental / imagem encenada, ficção / realidade, presente / passado. Como na entrevista com Oriana Fallaci, Andrzej Wajda força Walesa, paralelamente, através da narrativa, a se confrontar com ele mesmo, com seu Tempo, com a História.

Walesa possui o subtítulo “Homem de Esperança”. É a terceira parte da trilogia Homem de Mármore (1976) e Homem de Ferro (Palma de Ouro no Festival de Cannes em 1980). Ao mesmo tempo, contudo, Andrzej Wajda utiliza o formato da cinebiografia laudatória, do grande filme de época em cinemascope, com reconstituição de época impressionante. Seria apenas outra produção em que o herói, tragado pelos acontecimentos históricos, deixa a família e a esposa abnegada em segundo plano?

O melodrama é uma leitura possível em Walesa. Mas o narcisismo e auto-indulgência do protagonista, bem como o diálogo entre a ficção e a História que o filme estabelece, levam a crer que Wajda nos propõe um herói dúbio, sedutor e consciente do que é necessário para alcançar o poder.

Walesa, de Andrzej Wajda (Walesa. Czlowiek z nadziei, 2013, Polônia)

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2013



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.