Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Jovem e Bela

Jovem e Bela


Por

Publicado em 4 de Outubro de 2013

jovemebela

Cena 1: um exuberante corpo de moça se expõe seminu ao sol enquanto é observado por olhos anônimos, escondidos atrás de um binóculo. Ainda que logo se descubra que este é um olhar inocente e fraternal, a metáfora é bastante elucidativa para o enigmático enredo de Jovem e Bela, mais recente filme do cineasta francês François Ozon.

Ozon continua a filmar a juventude, em uma escolha que se reproduz desde seu penúltimo longa, Dentro de Casa (2012), e que reverbera ainda o grande sucesso de sua filmografia, Swimming Pool – À Beira da Piscina (2003). A trama quase naturalista da adolescente de classe média que se prostitui por vontade própria se inicia nas férias em família de Isabelle (Marine Vacth). É verão no Sul da França e ela perde a virgindade poucos dias antes de completar 17 anos, com um namorado alemão a quem inexplicavelmente passa a rejeitar. Seus passos seguintes são ainda mais surpreendentes. Em busca de autoconhecimento sobre o próprio corpo e sob o codinome de jovem profissional do sexo, Lea e sua maquiagem pesada logo se tornam a estrela da vida dupla encenada por Isabelle. Às tardes, ela se transmuta na estudante de letras que mecanicamente visita quartos de hotel por dinheiro, sempre ao lado de homens com o triplo de sua real idade.

Do verão da juventude ensolarada à primavera do renascimento, passando pelo limbo do outono e pela derrocada do inverno, Ozon orienta a linearidade de Jovem e Bela através de uma contemplativa passagem das estações – o tempo é sempre elemento chave de suas obras. Em cada um desses períodos, ganha destaque o ponto de vista daqueles que orbitam em torno da jovem: o irmão, os clientes, a mãe, o padrasto. Essas passagens temporais são entrecortadas por canções de Françoise Hardy que parecem, de modo distante, falar a respeito do momento íntimo vivido pela protagonista. Mas as pistas são esparsas. Em um primeiro momento, é impossível não fazer comparações entre o lançamento de François Ozon e A Bela da Tarde. Porém, as semelhanças se encerram na similaridade superficial da sinopse e dos títulos, pois se a Séverine de Buñuel (interpretada por Catherine Deneuve em 1967) ainda traz em si alguma paixão, a Isabelle de Ozon é puro vácuo.

O que teria levado Isabelle a optar por estes caminhos? É impossível saber. Aos poucos, o roteiro entrega algumas questões sobre a personagem: ela não possui muitos amigos nem um relacionamento próximo com o pai, quase não sai de casa, vive navegando na internet e toma banho inúmeras vezes por dia. Mas essas pequenas notas nada explicam o inexplicável. E é tudo que se pode esquadrinhar a respeito da personagem. Só é possível apreender sua presença, suas ações concretas, seu ser-no-mundo. Ozon não desnuda a verdadeira Isabelle, seus anseios, desejos e personalidade, exceto em carne e osso, de forma literal – e o faz intencionalmente.

Ao espectador só é permitido acesso àquilo que o título de Jovem e Bela entrega. Se Isabelle parece não saber quem é, o público pode conhecê-la menos ainda. Por trás de uma magnífica embalagem, existe um interior indecifrável, tal qual o é em potencial todo ser humano. A obtusidade da protagonista chega a ser incômoda. Os gestos não calculados, o visual desleixado, a ausência de emoções, a falta de conexão com seus pares e a frieza não usual em uma prostituta são fruto do trabalho de uma direção que clama por meias-verdades e lacunas que também não pretendem ser preenchidas.

Resta ao espectador apenas o tátil nas feições e na massa corpórea de Marine Vacth, a linda modelo de olhos melancólicos que, em sua estreia cinematográfica, parece ter nascido para este papel. O cineasta parisiense oferece a possibilidade de sermos, ao lado dos outros personagens, observadores privilegiados de um ano na vida da jovem, de acompanhar sua mutação radical de menina em mulher a partir de uma gangorra de escolhas desacertadas, reabilitação, recaída e redenção final. Aquela primeira cena oferece à plateia a resposta para a grande charada: somos todos voyeurs e, por 90 minutos, nos encontramos de olhos fixos em um único objeto – objeto esse que é, displicentemente, carregado de desejo e volúpia enquanto Isabelle é apenas Isabelle. E Ozon é ainda Ozon.

 

Trailer

YouTube Preview Image

 

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2013



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Por Revista Moviola

26 de Fevereiro de 2019

Perigo Por Encomenda (2012), escrito e dirigido por David Koepp, traz ao público a cidade de Nova York como elemento determinante na narrativa e na estética do filme. O longa conta a história de um mensageiro que usa como transporte uma bicicleta (Wilee, interpretado por Joseph Gordon-Levitt) em Manhattan, o personagem precisa entregar, um envelope […]

Por Revista Moviola

21 de Fevereiro de 2019

Garota Sombria Caminha Pela Noite (2014) é um filme baseado em um curta de terror, com roteiro e direção de Ana Lily Amirpour e vencedor do prêmio da Revelação Cartier no Festival de Deauville em 2014. Uma produção realizada por imigrantes iranianos nos Estados Unidos que traz um estilo mesclado entre o horror, a fantasia, […]

Por Revista Moviola

18 de Setembro de 2018

O curta documentário Ilha das Flores, lançado no ano de 1989, dirigido por Jorge Furtado, com a duração de 13 minutos, cria no espectador, nos seus primeiros cinco minutos, a sensação de que se vai assistir a uma comédia. As imagens, em sequências rápidas e a voz off do ator Paulo José, levam o público a […]

Por Revista Moviola

13 de Setembro de 2018

  Elena (2012) tem um tom extremamente pessoal por narrar a triste história da irmã mais velha da diretora que dá nome ao filme. O documentário aborda a forte relação entre a personagem e Petra Costa, mostrando a depressão e as fraquezas vividas por Elena (sua irmã mais nova), pelo desejo de ser atriz. O filme […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.