Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Jovem e Bela

Jovem e Bela


Por

Publicado em 4 de Outubro de 2013

jovemebela

Cena 1: um exuberante corpo de moça se expõe seminu ao sol enquanto é observado por olhos anônimos, escondidos atrás de um binóculo. Ainda que logo se descubra que este é um olhar inocente e fraternal, a metáfora é bastante elucidativa para o enigmático enredo de Jovem e Bela, mais recente filme do cineasta francês François Ozon.

Ozon continua a filmar a juventude, em uma escolha que se reproduz desde seu penúltimo longa, Dentro de Casa (2012), e que reverbera ainda o grande sucesso de sua filmografia, Swimming Pool – À Beira da Piscina (2003). A trama quase naturalista da adolescente de classe média que se prostitui por vontade própria se inicia nas férias em família de Isabelle (Marine Vacth). É verão no Sul da França e ela perde a virgindade poucos dias antes de completar 17 anos, com um namorado alemão a quem inexplicavelmente passa a rejeitar. Seus passos seguintes são ainda mais surpreendentes. Em busca de autoconhecimento sobre o próprio corpo e sob o codinome de jovem profissional do sexo, Lea e sua maquiagem pesada logo se tornam a estrela da vida dupla encenada por Isabelle. Às tardes, ela se transmuta na estudante de letras que mecanicamente visita quartos de hotel por dinheiro, sempre ao lado de homens com o triplo de sua real idade.

Do verão da juventude ensolarada à primavera do renascimento, passando pelo limbo do outono e pela derrocada do inverno, Ozon orienta a linearidade de Jovem e Bela através de uma contemplativa passagem das estações – o tempo é sempre elemento chave de suas obras. Em cada um desses períodos, ganha destaque o ponto de vista daqueles que orbitam em torno da jovem: o irmão, os clientes, a mãe, o padrasto. Essas passagens temporais são entrecortadas por canções de Françoise Hardy que parecem, de modo distante, falar a respeito do momento íntimo vivido pela protagonista. Mas as pistas são esparsas. Em um primeiro momento, é impossível não fazer comparações entre o lançamento de François Ozon e A Bela da Tarde. Porém, as semelhanças se encerram na similaridade superficial da sinopse e dos títulos, pois se a Séverine de Buñuel (interpretada por Catherine Deneuve em 1967) ainda traz em si alguma paixão, a Isabelle de Ozon é puro vácuo.

O que teria levado Isabelle a optar por estes caminhos? É impossível saber. Aos poucos, o roteiro entrega algumas questões sobre a personagem: ela não possui muitos amigos nem um relacionamento próximo com o pai, quase não sai de casa, vive navegando na internet e toma banho inúmeras vezes por dia. Mas essas pequenas notas nada explicam o inexplicável. E é tudo que se pode esquadrinhar a respeito da personagem. Só é possível apreender sua presença, suas ações concretas, seu ser-no-mundo. Ozon não desnuda a verdadeira Isabelle, seus anseios, desejos e personalidade, exceto em carne e osso, de forma literal – e o faz intencionalmente.

Ao espectador só é permitido acesso àquilo que o título de Jovem e Bela entrega. Se Isabelle parece não saber quem é, o público pode conhecê-la menos ainda. Por trás de uma magnífica embalagem, existe um interior indecifrável, tal qual o é em potencial todo ser humano. A obtusidade da protagonista chega a ser incômoda. Os gestos não calculados, o visual desleixado, a ausência de emoções, a falta de conexão com seus pares e a frieza não usual em uma prostituta são fruto do trabalho de uma direção que clama por meias-verdades e lacunas que também não pretendem ser preenchidas.

Resta ao espectador apenas o tátil nas feições e na massa corpórea de Marine Vacth, a linda modelo de olhos melancólicos que, em sua estreia cinematográfica, parece ter nascido para este papel. O cineasta parisiense oferece a possibilidade de sermos, ao lado dos outros personagens, observadores privilegiados de um ano na vida da jovem, de acompanhar sua mutação radical de menina em mulher a partir de uma gangorra de escolhas desacertadas, reabilitação, recaída e redenção final. Aquela primeira cena oferece à plateia a resposta para a grande charada: somos todos voyeurs e, por 90 minutos, nos encontramos de olhos fixos em um único objeto – objeto esse que é, displicentemente, carregado de desejo e volúpia enquanto Isabelle é apenas Isabelle. E Ozon é ainda Ozon.

 

Trailer

YouTube Preview Image

 

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2013



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio filme França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.