Revista Moviola – Revista de cinema e artes » O Ato de Matar

O Ato de Matar


Por

Publicado em 29 de Setembro de 2013

Em 1965, o Golpe Militar na Indonésia assassinou mais de um milhão de comunistas, intelectuais, chineses ou qualquer opositor à ditadura do general Suharto. Anwars Congo e Herman Koto, dois gângsteres que vendiam ingressos de cinema no mercado negro, foram recrutados pelo exército para liderar o esquadrão da morte na província da Sumatra do Norte. Congo, pessoalmente, estrangulou cerca de mil prisioneiros. Joshua Oppenheimer, em O Ato de Matar, revela um país que se funda na glorificação de crimes contra a humanidade e de genocidas, no qual o medo e a violência são a tônica e onde não há nenhum arrependimento, sentimento de culpa ou reconciliação com o passado.

Joshua Oppenheimer propõe a Anwars Congo e seus companheiros que reencenem os crimes que cometeram, da maneira que bem entenderem – e eles escolhem interpretar os próprios papéis (ou, mais perturbador, os papéis das vítimas) em cenas que remetem aos faroestes, aos musicais e aos filmes policiais clássicos de Hollywood. Como lembra Herman Koto, eles odiavam os comunistas desde que limitaram as produções americanas nos cinemas, as que mais lhes geravam lucros no mercado negro.

O procedimento de reencenar crimes com os assassinos não é novidade, Rithy Panh já o fizera em S-21 – A Máquina de Morte do Khmer Vermelho. Porém, enquanto o Khmer Vermelho já foi derrotado e seus líderes, julgados, Anwars Congo e Herman Koto são heróis nacionais e falam abertamente na televisão sobre como assassinaram milhares de “comunistas”. Em debate no Festival de Berlim, membro da platéia afirmou que O Ato de Matar seria o equivalente a um filme a respeito do Holocausto sob o ponto de vista de soldados da SS, ao que Oppenheimer respondeu que os nazistas não venceram, ao passo que o governo indonésio contemporâneo só existe devido ao genocídio, à carnificina, aos grupos paramilitares (sobretudo a Juventude Pancasila, com três milhões de adeptos, entre os quais o vice-presidente da república e o ministro dos esportes) e aos esquadrões da morte. Se em Rithy Panh o processo é o de recuperar as memórias das vítimas, que o regime de terror de Pol Pot sistematicamente destruiu, em O Ato de Matar, apesar da incômoda lembrança de Adi Zulkadry, outro torturador, de que há as verdades da Convenção de Genebra e da “Convenção de Jacarta”, do derrotado e do vencedor.

Anwars Congo e Herman Koto não são apenas heróis, como também “pop stars”, verdadeiras celebridades do país. Eles possuem livre trânsito com o governador da Sumatra do Norte, com o líder da Juventude Pancasila, com o vice-presidente. A Indonésia está podre: em exercício de retórica, defende-se a necessidade do gângster para a nação, já que a palavra, afinal, vem do inglês e significa “homem livre”. Em meio a burocratas, são eles que tomam a iniciativa, que exercem a ação. Joshua Oppenheimer explicitamente compara as práticas de Anwars e seus amigos com a do empresário (e também financiador do grupo paramilitar) que, por meio da intimidação e da violência, rouba a terra dos pobres e as “doa aos pássaros”. O Golpe Militar, a ditadura de Suharto e o genocídio de mais de um milhão de opositores do regime foram para assegurar a ordem capitalista. Não há esquadrão da morte sem burguesia.

Talvez na sequência mais grotescamente caricata de O Ato de Matar, o empresário capitalista exibe para a câmera suas pedras preciosas raríssimas e as lembranças que comprou ao redor do mundo, inclusive o peixe que se movimento e canta “Don’t Worry, Be Happy”. A ostentação do poder, a certeza da impunidade, a falta absoluta de qualquer senso moral ou ético e a desumanidade expressas na letra de uma música. Anwars Congo chama os netos para assistirem às cenas em que o avô participa: ele se orgulha do passado, não o renega. Herman Koto surge na tela vestido de mulher, à la Divine (“musa” de John Waters), em sequências musicais delirantes que lembram Tsai Ming-Liang. E se os filhos das vítimas quiserem se vingar? Não importa, Congo e seus amigos já os exterminaram. Mas, caso ainda estejam vivos, também serão mortos. É a Convenção de Jacarta.

O Ato de Matar, de Joshua Oppenheimer (The Act, of Killing, 2012, Dinamarca / Noruega / Grã-Bretanha)

Trailer do filme:

YouTube Preview Image

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2013



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.