Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Homenagem a Terence Stamp

Homenagem a Terence Stamp


Por

Publicado em 20 de Maio de 2013

Terence_Stamp

 

(Londres, Moviola) – Dificilmente, encontra-se hoje em dia um ator com tamanha presença e distinção como Terence Stamp, homenageado pelo British Film Institute (BFI). Ele não apenas se sente à vontade no palco, emanando na aura um certo fascínio retrô que nos impede de olhar alhures, mas o palco é verdadeiramente a sua casa. Uma prova? Stamp chega à homenagem a si, para apresentar um filme que lhe é muito caro, de chinelos. E, ao tropeçar nas escadas, simplesmente tira os chinelos e recebe os aplausos descalço.

O filme que lhe marcou, que reviu três vezes entre os quatro e 18 anos, é O fio da navalha, de 1946, com Tyrone Power e Gene Tierney. Não que à época Stamp tivesse consciência de todos os dramas existenciais do enredo baseado no livro de Somerset Maugham, um dos grandes escritores do entre-guerras, mas como ele próprio salientou: “ O fio da navalha’mudou a minha vida de um jeito que eu não percebi bem. Durante a minha infância e adolescência, eu fiquei viciado em cinema. Quem me levava às salas de Plaistow, hoje uma “Little Mumbay”, era meu tio. Eu queria ser o Tyrone Power, eu queria ser o Gary Cooper, e quando vi O fio da navalha não sabia muito o que perguntar a meu tio Harry. Ver o filme era como vislumbrar um gato e depois correr assustado”.

Na série de filmes protagonizados por Terence Stamp, a qual o BFI irá apresentar este mês de maio, a gente pode acompanhar essa lição de influência, de aura das divindades hollywoodianas. Stamp fez coisas tão diversas quanto Teorema, Superman, Priscila: a rainha do deserto, Electra e O estranho. Como ele mesmo diz: “Eu acho que o que ficou comigo deste filme, por mais estranho que pareça, foi que eu sabia que havia algo não dito, que também não estava escrito no livro de Maugham”. E sugere, com as suas pausas significativas, que o que não está dito não é necessário dizer, porque a sua compreensão prescinde do verbal.

Perguntado sobre esse efeito entre intimidade e distância, evidente em O fio da navalha, o premiado ator relata: “O que aconteceu comigo, com respeito a atuar em filmes, foi uma bênção. O primeiro homem que vi em cena foi Cooper. Eu tinha quatro anos. Nele, havia algo sobre o Outro. Alguns atores parecem incorporar algo além da ação, o que causa um certo estranhamento para a plateia. Não se pode desviar o olhar de Montgomery Cliff, de Marlon Brando, de James Dean. Eu não sabia como eles faziam isso. Conversei com Olivier sobre isso, mas ele apenas tinha esse dom quando interpretava Shakespeare. E, de certo modo, isso ainda é um mistério para mim”.



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.