Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Anna Karenina

Anna Karenina


Por

Publicado em 15 de Março de 2013

Anna Karenina, de Joe Wright (Anna Karenina, 2012).

Apesar de a história de Anna Karenina ter sido adaptada várias vezes para o cinema e para a televisão em pomposos dramas de época, há elementos na prosa de Tolstói que não pertencem a esse gênero, tão obcecado em produzir um registro fidedigno que às vezes se esquece de projetar vida à história. O autor russo tem a habilidade notável de encerrar em frases simples as ideias e os pensamentos mais complexos. Sem usar de malabarismos sintáticos, ele consegue universalizar o que é íntimo de seus personagens, despertando a empatia do leitor. Mesmo em Anna Karenina, que desenvolve temas delicados como adultério, paixão, moralismo e hipocrisia, o autor os apresenta sem julgamentos. 

Com sua prosa despretensiosa, Tolstói revela o complicado equilíbrio social da Rússia czarista, em que não há lugar para Karenina, uma mulher adúltera, que sai da casa do marido para viver com o amante, Conde Vronsky. Não que o adultério em si fosse rechaçado pela alta sociedade – quando levado casualmente, era encarado com indulgência -; mas o pecado de Karenina foi justamente o de ter se entregado ao caso.

A versão de Anna Karenina do diretor Joe Wright (Desejo e Reparação), que abandona a ideia de realismo histórico e parte para a estilização, guarda um preciosismo que chama a atenção em si mesmo – até demais em alguns momentos. Wright utiliza um teatro abandonado para encenar a tragédia de Karenina. Os personagens ocupam as várias dimensões do teatro – palco, plateia, coxia – e as cenas se sobrepõem em uma montagem que mistura a inclinação de fazer a história seguir sempre em frente, com ênfase na ação – típica da narrativa cinematográfica – , com o tempo teatral, assentado no presente. As cenas parecem se fundir umas às outras em um ritmo ora fluido, ora atabalhoado.

A apresentação dos personagens é confusa. Assim como no livro, o filme abre com Oblonsky (Matthew Macfadyen), um chefe de repartição pública que convoca a irmã, Karenina (Keira Knightley, sempre ela), para convencer sua esposa, Dolly (Kelly MacDonald), a não deixá-lo após ter descoberto seu caso com a governanta. Ainda sem saber até que ponto Wright incorporará o teatro à sua linguagem, é difícil entender a montagem, que em um só fôlego apresenta Oblonsky – e sua numerosa família em Moscou – em um extravagante cenário teatral, revela sua traição, consumada nos bastidores empoeirados do teatro e, paralelamente, mostra Karenina em São Petersburgo se inteirando da situação através de uma carta, enquanto é vestida por sua criada em um ritual coreografado. Ambicioso, o diretor, que gosta de exibir sua habilidade em complicados planos-sequência,  bombardeia o espectador com uma quantidade de informações estéticas e narrativas difíceis de digerir logo no início do filme.

Por outro lado, a estilização assumida por Wright ajuda a expressar nuances do romance de Tolstói que dificilmente podem ser percebidas no drama histórico convencional, em especial nas cenas de sedução entre Karenina e o conde Vronsky (Aaron Taylor-Johnson). Em seus melhores momentos, Wright consegue conduzir a atenção do espectador, destacando olhares e gestos significativos em meio à complicada mise-en-scéne que desenvolveu. A linguagem teatral contribui, abrindo possibilidades para uma iluminação que foge do lugar comum, além de adicionar a coreografia à interpretação dos atores, elemento trabalhado por meio da belíssima trilha sonora de Dario Marianelli. A sequência do baile, em que Karenina e Vronsky dançam pela primeira vez, para o desespero de Kitty (Alicia Vikander), apaixonada pelo conde, reúne com maestria todos esses elementos. É o início do flerte entre os protagonistas: no entanto, a eletricidade entre os dois é tão intensa que a sequência é conduzida como um adultério em si.

No espetáculo de Wright, o contraste entre a simplicidade da vida no campo e a sufocante atmosfera da alta sociedade – tema desenvolvido por Tolstói em Anna Karenina, mas que nem sempre ganha espaço nas adaptações – é representado através da fuga do ambiente teatral. O cenário artificial se abre para os campos da fazenda de Levin (Domhnall Gleeson), iluminados de maneira romântica. Nutrindo um amor sincero por Kitty, Levin, que no romance representa o alter-ego de Tolstói, é o único a não deixar as rígidas convenções sociais contaminarem sua essência.

Vale destacar que esse é o elenco mais jovem à dar vida ao clássico de Tolstói, comparado às adaptações famosas do cinema. No entanto, Keira Knightley não deixa essa diferença de idade se transformar em desvantagem. Em uma interpretação mais expressionista do que a de suas antecessoras – a personagem já foi vivida por atrizes como Greta Garbo, Vivien Leigh e Sophie Marceau -, Knightley compõe uma Karenina impetuosa, menos disposta aos jogos de dissimulação da aristocracia, mais entregue à sensualidade. Aaron Taylor-Johnson, por sua vez, em uma performance cheia de maneirismos, confere uma ambiguidade interessante a Vronsky. É difícil definir as intenções por traz dos gestos coreografados do personagem, que oscila entre conquistador calculista e amante devotado.

Jude Law é certamente o melhor Karenin entre as adaptações do cinema. O marido de Anna, um ministro conservador e admirado na sociedade, geralmente é relegado ao segundo plano, interpretado como um homem frio, afetado e, por vezes, cruel. Law dá vazão ao dilema moral do personagem que, religioso, tenta resgatar a mulher da perdição, ao mesmo tempo em que lida com a mágoa que resulta do orgulho masculino ferido pela traição.



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Guilherme Mazzocato

17 de Fevereiro de 2016

    Com o pé esquerdo   Estávamos ali os dois a torto e a direito e já de antemão o meu pé esquerdo me sussurrando se antecipando   Estávamos ali aos roncos e barrancos ligeiros certeiros e meu pé esquerdo se antecipando se levantando   Estávamos ali Pelo menos e o sol esquerdo e […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Não é segredo que perdedores são personagens interessantes para a indústria cinematográfica. Tem sido assim desde a Nouvelle Vague, Jean Paul Belmondo e os roteiros de Godard. Em The Adderall Diaries, James Franco, também produtor, faz o papel de um escritor paralisado com um bloqueio de criatividade. Nessa história, ele está obcecado pelas suas memórias […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Último filme da trilogia composta pelo diretor Gus van den Berghe sobre religião, Lucifer retoma o relato bíblico numa vila mexicana. A abertura e regida por uma espécie de canto gregoriano feminino e a tela será o tempo todo restrita a um círculo, como se víssemos de luneta as aventuras do anjo caído. Esse tipo […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Quando estive no Festiva de Tribeca, em 2015, escolhi conversar com George Lucas. Um dia depois do laçamento to trailer teaser sobre o episodio 7 de Star Wars, Lucas confessa que nunca ficou ansioso por um lançamento da saga, mas desta vez, como ele não participou de nada no processo criativo, ele está. O diretor […]

Por Revista Moviola

13 de Fevereiro de 2016

O filme Dois Casamentos, do cineasta e um dos editores da Moviola, Luiz Rosemberg Filho, pode ser visto (todinho) no YouTube. A produção deste filme é de Cavi Borges. Clique, acomode-se e aprecie, pois como diria o cineasta: “Abandonamos nossas paixões por um desprezo a nós mesmos como fazem Carminha e Jandira no nosso delicado […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cannes Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês cinema inglês Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio Fest Rio França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Morte Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Poemas Rio de Janeiro Teatro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.