Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Lincoln

Lincoln


Por

Publicado em 31 de Janeiro de 2013

daniel-day-lewis-lincoln

 

(Londres, Moviola) – Não sei se foi a reeleição de Barack Obama ou um estranho fenômeno de inconsciente coletivo nos diretores norte-americanos, mas o fato é que dois dos mais populares deles estão em cartaz com filmes sobre a escravidão nos Estados Unidos. Tanto Lincoln, de Spielberg, como Django livre, de Tarantino, tocam na ferida aberta da sociedade do Tio Sam, embora com o dedo diferente. O primeiro vai com o mindinho; o segundo enfia mesmo o dedo na ferida como na pintura “A incredulidade de S. Tomé”, de Caravaggio.

É já notória a dedicação, a obsessão, a fixação que Daniel Day-Lewis desenvolve durante a caracterização de seus personagens. É algo que lhe valeu a marca histórica da possibilidade de ganhar quatro Oscars este ano. Então, para que mudar o jogo?

Day-Lewis recusara veementemente os convites de Spielberg para interpretar o presidente americano durante os anos da Guerra Civil, mas acabou cedendo. Ele mesmo esclarece à repórter da BBC News: “Acabou meu estoque de desculpas. Mas isso tem a ver com o passar dos anos e a compreensão de que Lincoln era um personagem histórico extraordinário”. De fato, tão extraordinário que em suas biografias destaca-se o timbre de sua voz, como algo quase incompatível com a sua estatura física e a sua imponência. O ator explica como achou o timbre certo para Lincoln e mandou-o numa fita k-7 para o diretor de ET: “As pessoas que conviveram com ele diziam dessa qualidade excepcional e isso para mim foi uma pista. Não foi algo que forcei, é uma voz interior minha”. Há técnicas de teatro para encontrar a sua voz interior como ator, e ela é muito mais conectada com o corpo do que com a mente. Em geral, irrita-nos um ator que recita pomposamente nas tragédias, por exemplo, porque o corpo vai para um lado, e a voz não sai das entranhas, mas vem desconectada do resto do corpo, como algo mental. Day-Lewis deve saber disso.

A caracterização de Day-Lewis é mesmo impressionante: o andar um tanto trôpego, a cabeça quase sempre pendida, os membros superiores tesos, tudo isso em Lincoln fora fruto de uma doença degenerativa genética que, à época, era desconhecida. Trata-se de um tipo de distrofia muscular que ainda hoje desconhece-se a cura (SCA-3), não há tratamentos e pouca pesquisa médica (Alô! Alô! Comunidade científica, vamos acordar para isso?!). Embora o filme não mencione diretamente a doença de Lincoln, ele enfatiza a grande luta do orador norte-americano por seus ideais, contra uma fragilidade física, uma tristeza agravante e um casamento com sacrifícios.

O Lincoln de Spielberg é clássico e daí, claro, tantas indicações ao Oscar. Não se baseia em efeitos especiais, a abertura do filme é até chata, é centrado no trabalho dos atores, resgata o passado americano para explicar seu presente. Às vezes, de tão clássico, encarna a rigidez de um busto em mármore de uma figura histórica. Explico: em muitos momentos, o close e o jogo de luz e sombra em Lincoln nos faz lembrar das estátuas dos presidentes americanos nos palacetes governamentais. Aqui, a novidade singular, a meu ver, foi a maquiagem, que reproduz naturalmente o envelhecimento precoce das pessoas no século XIX. Repare nos closes em Tommy Lee Jones: nunca ele fora visto tão real, tão naturalmente senhor de si e das suas rugas.

Apesar disso, o filme não é uma biografia do político. É antes de tudo um decalque dos últimos anos de seu segundo mandato como presidente e dos trâmites dos congressistas para passar ou impedir a lei de abolição da escravatura.

Lincoln é mesmo, como a propaganda diz, um drama revelador e, acrescento, de uma simplicidade a que só atinge quem soube aparar todas as arestas dos excessos da filmografia contemporânea.

Trailer

YouTube Preview Image



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Por Revista Moviola

26 de Fevereiro de 2019

Perigo Por Encomenda (2012), escrito e dirigido por David Koepp, traz ao público a cidade de Nova York como elemento determinante na narrativa e na estética do filme. O longa conta a história de um mensageiro que usa como transporte uma bicicleta (Wilee, interpretado por Joseph Gordon-Levitt) em Manhattan, o personagem precisa entregar, um envelope […]

Por Revista Moviola

21 de Fevereiro de 2019

Garota Sombria Caminha Pela Noite (2014) é um filme baseado em um curta de terror, com roteiro e direção de Ana Lily Amirpour e vencedor do prêmio da Revelação Cartier no Festival de Deauville em 2014. Uma produção realizada por imigrantes iranianos nos Estados Unidos que traz um estilo mesclado entre o horror, a fantasia, […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.