Revista Moviola – Revista de cinema e artes » O cinema oriental no Festival de Berlim

O cinema oriental no Festival de Berlim


Por

Publicado em 5 de Janeiro de 2013

 

(Londres, Moviola) –  O Festival de Berlim de 2013 começa a divulgar os filmes que entrarão em competição. Da lista, estão três da Coreia do Sul – Baek Ya (White Night), Dduit-dam-hwa: Gam-dok-i-mi-cheot-eo-yo (Behind the Camera) e Kashi-ggot (Fatal) – que certamente vieram com a onda de Pietà, de Kim Ki-duk, vencedor do último Festival de Veneza. À espera de Berlim, antecipei-me e fui até a noite de encerramento da programação do Korean Film Nights, que aconteceu em 20 de dezembro de 2012 em Londres, onde me aguardava a diretora Yim Soon-Rye, com seu Rolling home with a bull, de 2010.

O que é que faz as pessoas voltarem sua atenção para a produção cinematográfica de um centro como a Coreia do Sul? E mais: o que disso tudo ficará com o tempo? Muito dificilmente, o prestígio de festivais como o de Berlim e o de Veneza mudará a visão dos programadores dos Multiplex de Seul. Perguntei sobre isso à Soon-Rye: “Não muda nada; não ajuda os diretores emergentes, nem influencia o gosto popular. Isso apenas beneficia isoladamente os vencedores, como o próprio Kim Ki-duk.”

Então, o que será que fará com que um telespectador queira ver Rolling home with a bull daqui a 30 anos? O filme conta a história de Sun-ho, um poeta incompreendido e superduro, que volta à cidade natal e resolve vender o boi que é o sustento da sua família rural. Em poucas palavras, é um road movie rural no Oriente. Mas também o roteiro é uma desculpa para propagar ideias de filosofia budista. Neste caso, o boi é um símbolo do servidor humilde de Buda.

Soon-Rye foi inteligente na escolha do elenco: aliou uma atriz conhecidíssima da TV coreana com um tarimbado ator de teatro. Também cortou as inúmeras cenas de pura fantasia do livro original para adequar-se ao orçamento enxuto. Apesar de ser uma diretora reconhecida dentro de casa – é o seu sexto filme  –, ela ainda luta para conseguir patrocínio. O que faria de Soon-Rye uma Ozu de saias, ou de Rolling home with a bull um filme tão belo como Primavera, Verão, Outono, Inverno e… Primavera ou Dolls?

As camadas da terra

Um filme me conquista quando pensa que eu sou uma arqueóloga e não uma pessoa sentadinha na sala escura à mercê de tudo o que já escolheram para mim: o ângulo certo, as cores belas, os closes justos, as panorâmicas editadas, os efeitos milionários. Este Rolling home with a bull, se me quiser de verdade, vai ter de me deixar escavar as suas camadas, tirar o pó, tocar a tela para ver se é rocha sedimentar, vulcânica, ou magma puro. Pois bem, eu escavei, datei com a técnica de carbono 14 e avaliei que só há mesmo duas camadas superficiais: a budista e a de road movie. Cataloguei-o junto às dunas do Maranhão, que mudam de lugar com o vento.

Escolher uma cena que sairá da minha retina para entrar nas sinapses da minha memória é um desafio porque Soon-Rye vai ter de tocar o gongo budista e me apresentar a algo que deve ressoar e parecer algo que não é. Um reencontro romântico na praia será um imenso clichê se os tipos de rocha estão erodidos com o vento. (São mais de 100 anos de história de cinema, ou não?) No entanto, o incêndio do templo, repetido em sonho, imagem do telejornal e momento presente, deixa uma camada mais profunda na minha retina, porque é também um símbolo de querer se livrar dos sofrimentos daquele que segue o Caminho do Meio.

A exposição de filmes sul-coreanos que promete o próximo Festival de Berlim parece um verdadeiro convite à escavação. Sabe: um diamante bruto é bem sem graça mesmo, sem brilho. Também a camada de carboidratos que floresce a vida é estreitíssima, se comparada à sua inferior, em que plantas mortas permanecem decaídas num lodo por centenas de anos. Ainda aposto num novo olhar do cinema oriental, mas ele costuma vir em raios separados e débeis, não em grandes ondas. Precisamos nos prover com prismas para 2013. Esperemos por Berlim.

 

Trailer

YouTube Preview Image



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio filme França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.