Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Por um marco regulatório, já!

Por um marco regulatório, já!


Por

Publicado em 5 de Novembro de 2012

 

Na esperteza bárbara do capital, o imaginário foi transformado num lixão. Numa espécie de celebração de uma completa aniquilação do saber. Digamos que a TV e o cinema são hoje uma afirmação militar-religiosa de negação da sensibilidade a serviço da alienação. Basta que se veja aqui a partilha do culto da barbárie explicitando com o espetáculo vazio, uma defesa escancarada do nivelamento mais baixo possível do espectador da imagem e do som.  E isso nos conduzindo a quê?

Ora, como entender os excessos no uso do feio, da anomalia e da violência nos meios de comunicação, 24h por dia? Meses, anos e décadas repetindo como as novelinhas e seus papagaios!  Que tipo de sensibilidade tem um programa como o dos senhores Ratinho, Datena, Gugu ou mesmo Faustão? Onde se vê em todo esse lixo a exuberância plena do exercício criativo da vida? Na Xuxa? Digamos que a TV vem transformando o hábito de pensar numa perda de tempo previsível. O ritual é “se virar nos trinta”, e dar vez a boçalidade dos programas de auditório e religiosos. Todos, uma circularidade ideológica de aberrações. E através dessa máscara, o sorriso libidinoso do poder de famílias mais próximas dos porcos, que dos humanos.

Sim, nos causa horror o ambiente deformativo da mídia no Brasil, onde o país deixa de ser ousado e criativo para se transformar numa retransmissão de velhos discursos fascistas de Sarney, aos enfadonhos programas religiosos na TV. E existe pior crueldade para o telespectador do que ver e ouvir pedirem dinheiro em nome de deus? Não conseguimos explicar a nós mesmos, tal estado de fanatismo e atraso servindo aos canais de televisão. Honestamente, é o quê?

Também não somos visionários, nem delirantes, mas queremos  a curto prazo, uma política para as comunicações bem  ousada e criativa. Ora, como se pode formar um povo mais preparado e profundo com essa enxurrada de aberrações todos os dias. Como podem, declarados inimigos da cultura brasileira, serem donos de redes de televisão, rádios e jornais? Televisões, rádios e jornais que só trabalham o embrutecimento como forma de pensar e viver. Que lucram muito com os desvios de uma mídia comprometida com o espetáculo vulgar, venal e intimidador!

Bem, antes defendíamos um país verdadeiro para todos. Não confundir com “o país de todos”. Hoje, o balizamento do saber passa pela monstruosidade de uma burocracia infernal, beneficiando, claro, as velhas múmias do passado. Também não lamentamos, nem defendermos o lixo como luxo. Ainda ontem queríamos uma real reforma agrária da terra e do ar. Atualmente, defendem a polícia fantasiada de pacificadora, dimensionando-se uma “normalidade” enlouquecida com o dinheiro, aliado ao “sucesso” sem consistência alguma. Temos, sim, uma mídia corrupta e comprometida com escândalos e inutilidades. Mas… como podem querer um país e um povo melhor?

Com muitas dificuldades, volta a se falar num Marco Regulatório para a mídia! Marca, marco, chão! Nossas origens e as famílias econômicas, políticas, culturais e tradicionais; excedentes em poder, prepotência e capital. Despotismo e cinismo estão a necessitar de um novo marco diferente da marca de seu marketing. Para que passem a exceder menos e a regular menos. E como marco de um povo adulto e que já busca autonomia como negação de sua história de dependência, submissão e escravidão de agrados e compensações de suas necessidades administradas e dinamizadas pela economia, a cultura, a divisão de trabalho e sob essa solidez que temos que fazer se desmanchar no ar – os meios absolutos e particulares de comunicação!

Sempre que um processo social e mais democrático evolui para uma melhor participação do andar de baixo, tudo se acelera para uma negação, como ocorreu com o neoliberalismo e a desregulamentação dos bancos, do mercado e da própria mídia. Já não possuímos mais blocos históricos pensando nessa história e na força de uma dialética como fenômeno, razão, significação e mudanças dessa trágica e permissiva realidade. A Semana de Arte Moderna de 1922 poderia ter sido o maior marco de nosso bloco histórico. Mas não foi. E Mário de Andrade soube rebelar-se contra isso, definindo a Semana de aristocrática e perigosa, num país de povo sem identidade. E o que se buscava ali, naquela Semana, era uma pequena diferença numa identidade que já tinham: riqueza, poder e excedências! E se a nossa realidade se tornar ainda mais difícil, apelemos para um plebiscito!

Mario de Andrade saiu em campo, removeu o solo tentando encontrar nossas raízes emblemáticas, sem forma, distorcidas e comprometidas. Já envenenadas com agrotóxicos e transgênicos no DNA, endurecendo sua macroestrutura de futuras análises e alterações. Com esse Marco Regulatório que se busca e com as dificuldades já esperadas também na superestrutura de prepotências no solo e no ar. Na física e metafísica e nas significações. Naturais, fundamentalistas e absolutistas de religião, poder, capital e comunicação. Mario rodou o Brasil, rodopiou, chegando até o Peru. Com vontade, conhecimento e solidão; foi longe demais! Produziu muito. Criou muito. Inclusive inimizades! Ficando sem porto. Num país com tantos. E nenhum, para o seu barco cheio de arte, beleza e poesia. E para que, no lugar de um povo só exótico e do futuro, a imagem do presente não escapasse. Para que esse futuro não fosse tão distante e tão irreal como essa realidade das televisões e das comunicações da mídia criminosa. Em meio a tantos marcos intransponíveis, Mario teve de seguir a tradição de Édipo, refugiado em Colono. Refugiando-se em sua solidão!

Mario, Florestan Fernandes, Celso Furtado, Caio Prado, Glauber Rocha… tantos outros, já nos iniciaram. Mexer com esse marco essencial em nosso DNA, só com vara mágica. A de nossos mitos. A de nossa música e de nossa mística – com todos, tudo e nada! Esta significação de um novo tempo. Enquanto nos mantemos vivos e crentes em nossos princípios, meios e fins. Tão distantes e que não podem terminar. Só como transfiguração, o solo de Nietzsche. Aquele que ele teve em Turim, onde hipotecou o seu quadragésimo quarto aniversário: na loucura! Na descoberta de si mesmo. Com esse nada que conseguiu ultrapassar! Assentando-se definitivamente em seu próprio solo, como já disse Antonio Olinto, sobre o próprio Nietzsche. Em Turim, cidade que Olinto conhecia bem, a mais grave das leis: a da gravidade. Que havia prendido os pés do filósofo ao chão com mãos, corpo e cada parte de si mesmo. Ligando a ele um inteiro sistema de vida, de frutos e pensamentos, sonhando ao mesmo tempo e fazendo-o, sentir-se. E existir!

Daí a importância de nossa territorialidade, do nosso comportamento e de nossa existência bem estruturada histórica e culturalmente. E é assim que precisamos nos sentir com esse novo Marco Regulatório das Comunicações. Ou seja, precisamos desfazer este país de famílias, de milícias, de máfias e ocupações militarizadas. E nenhuma delas interessa ao povo. Econômica, política e cultural. Todas de solo, de ar, de marcas e marcos envenenados. Necessitamos de uma lei da gravidade como assentamento de nossos pés no chão. E como um nosso regulamento de existência e realidade. E, daquilo que também nunca tivemos, visibilidade de um pensamento mais transparente e sólido. Pois o que existe e resiste desde a Proclamação da República são máscaras que justificam a barbárie como espetáculo nos meios de comunicação!



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Outubro de 2019

              O longa-metragem Fendas apresenta uma protagonista mulher e paisagens, sons e imagens que envolvem seu trabalho num centro de pesquisas no Rio Grande do Norte. Seus objetos de pesquisa e seu cotidiano se mesclam. A personagem, uma cientista do campo da física, captura imagens de pessoas à distância. […]

Por Marcella Rangel

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Por Revista Moviola

26 de Fevereiro de 2019

Perigo Por Encomenda (2012), escrito e dirigido por David Koepp, traz ao público a cidade de Nova York como elemento determinante na narrativa e na estética do filme. O longa conta a história de um mensageiro que usa como transporte uma bicicleta (Wilee, interpretado por Joseph Gordon-Levitt) em Manhattan, o personagem precisa entregar, um envelope […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Odeon Oscar Poemas Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.