Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Hotel Mekong

Hotel Mekong


Por

Publicado em 4 de Outubro de 2012

Hotel Mekong, de Apichatpong Weerasethakul (Mekong Hotel, Tailândia/Reino Unido, 2012)

Alguns minutos são dedicados à contemplação de lanchas que revolvem as águas do rio que corta a Tailândia e o Laos, o Mekong. As lanchas aparecem ao longe, vistas do hotel, à margem. Do ângulo, também vemos uma ponte, uma estação de energia elétrica, a paisagem verde do outro lado do rio. Mas, apesar de toda a agitação provocada pelo movimento das lanchas, o que mais chama atenção é o surgimento de uma canoa. Ao contrário do outro transporte, que vence em termos de aparato tecnológico, o pequeno barco faz seu trajeto vagaroso, retilíneo, silencioso – assim como o rio. Demonstra ter rumo, diferentemente dos outros, que giram em círculos e parecem se comunicar entre si a favor de um divertimento sem propósito além do próprio passatempo. Este é o final, mas também o prelúdio, de Hotel Mekong.

Apichatpong Weerasethakul, a cada filme, atribui ao conceito de natureza um novo significado. Florestas, animais e rios nunca são apenas paisagens ou coadjuvantes. Em Eternamente Sua, por exemplo, um casal vai para a mata fechada para contemplação. Mas lá, a floresta é um ambiente que vai além do cenário: é um pulmão, uma força revigorante, o próprio bem-estar do casal, que está ali não só para passar o tempo, mas para absorver o espaço (e o tempo). Desde então, a floresta em Apichatpong surge diretamente atrelada à espiritualidade.

Em Mal dos Trópicos, essa ligação fica ainda mais clara. A floresta é abrigo de mistérios, que se desvendam por mitos. E é exatamente esse misticismo que aflora com igual ou maior força em Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas PassadasTudo em Tio Boonmee é natureza. Tudo ali tem origem na união explícita entre homem e espírito – búfalo, macacos, bagres, caverna. Por isso, tudo em Tio Boonmee é visto com naturalidade. E assim também acontece em Hotel Mekong.

Mas, desta vez, o “espaço-tempo” do filme de Apichatpong é o hotel, não mais a floresta. Neste lugar, que leva o nome do rio, acontecem situações prosaicas (ou que se passam como rotineiras). O hotel funciona como um ritual de passagem – e passar é o movimento do rio. O que está ali, em breve, não estará mais.

A metáfora tem um contraponto que se materializa na condição da mãe-vampira. A imortalidade, que a princípio seria uma vantagem em relação à efemeridade das coisas e dos seres comuns, é um problema para a mulher. Logo, o pessimismo de Apichatpong se manifesta na angústia da existência: tanto o que acaba e o que não acaba nunca podem ser extremos sentimentos de agonia.

Em mais uma sequência surrealista, um homem, ao vestir uma máscara que se conecta ao cérebro por meio de eletrodos, passa a ter o poder de ter seu espírito separado do corpo “para vagar por aí”. Temos, mais uma vez, a naturalidade da ficção (científica?) de Apichatpong. Espiritualidade pode ser novamente o que alivia esta angústia existencialista.

E Hotel Mekong é mesmo um filme cheio de angústia. “O que você busca?”, pergunta um personagem ao outro. A resposta não vem – o som do diálogo também desaparece. Enquanto isso, o rio continua a passar na frente dos nossos olhos.

 

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2012



1 Commentário sobre 'Hotel Mekong'

  1.  
    Aline

    4 Outubro, 2012| 5:38 pm


     

    fiquei com vontade de ver

Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Guilherme Mazzocato

17 de Fevereiro de 2016

    Com o pé esquerdo   Estávamos ali os dois a torto e a direito e já de antemão o meu pé esquerdo me sussurrando se antecipando   Estávamos ali aos roncos e barrancos ligeiros certeiros e meu pé esquerdo se antecipando se levantando   Estávamos ali Pelo menos e o sol esquerdo e […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Não é segredo que perdedores são personagens interessantes para a indústria cinematográfica. Tem sido assim desde a Nouvelle Vague, Jean Paul Belmondo e os roteiros de Godard. Em The Adderall Diaries, James Franco, também produtor, faz o papel de um escritor paralisado com um bloqueio de criatividade. Nessa história, ele está obcecado pelas suas memórias […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Último filme da trilogia composta pelo diretor Gus van den Berghe sobre religião, Lucifer retoma o relato bíblico numa vila mexicana. A abertura e regida por uma espécie de canto gregoriano feminino e a tela será o tempo todo restrita a um círculo, como se víssemos de luneta as aventuras do anjo caído. Esse tipo […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Quando estive no Festiva de Tribeca, em 2015, escolhi conversar com George Lucas. Um dia depois do laçamento to trailer teaser sobre o episodio 7 de Star Wars, Lucas confessa que nunca ficou ansioso por um lançamento da saga, mas desta vez, como ele não participou de nada no processo criativo, ele está. O diretor […]

Por Revista Moviola

13 de Fevereiro de 2016

O filme Dois Casamentos, do cineasta e um dos editores da Moviola, Luiz Rosemberg Filho, pode ser visto (todinho) no YouTube. A produção deste filme é de Cavi Borges. Clique, acomode-se e aprecie, pois como diria o cineasta: “Abandonamos nossas paixões por um desprezo a nós mesmos como fazem Carminha e Jandira no nosso delicado […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cannes Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês cinema inglês Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio Fest Rio França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Morte Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Poemas Rio de Janeiro Teatro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.