Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Moonrise Kingdom

Moonrise Kingdom


Por

Publicado em 3 de Outubro de 2012

 Moonrise Kingdom, de Wes Anderson (Moonrise Kingdom, Estados Unidos, 2012)

 

“Come on you boy child, you winner and loser,
Come on you miner for trhuth and delusion, and shine!”

Shine on you Crazy Diamond Pts. 1-5, The Pink Floyd.

 

Em uma carreira relativamente curta, composta de oito longas e três curtas, Wes Anderson conseguiu talvez mais do que nenhum outro cineasta americano de sua geração construir uma obra tão coesa que ao mesmo tempo você já sabe de certa maneira o que vai encontrar (trilha indie, direção de arte quircky, personagens simpáticos e excêntricos, etc.), mas embalados de uma forma completamente surpreendente, o que faz a festa de seus fãs, pois seguindo este princípio tudo será novo e uma decepção algo impossível de acontecer.

Mais do que estes maneirismos, o que temos sempre em Chez Anderson são personagens que parecem perdidos, completamente fora de sintonia, seja de espaço, época e sociabilidade. Elas devem se reunir então em espaços um tanto a parte de seu mundo (trem, hotel, submarino, casa dos pais, etc.) para finalmente conseguir seguir em frente na vida.

Seus filmes geralmente focam adultos que se comportam como crianças super-geniais virando adultos banais, medrosos e presos a suas inseguranças e armações. O que culmina em sua obra-prima Os Excêntricos Tenenbaums no qual esta ideia é levada ao extremo

Um destino similar tem as personagens adultos de Moonrise Kingdom. Laura (Frances McDormand) é casada com Walt (Bill Murray) e tem um caso com o policial (Bruce Willis) da pequena cidade em que vivem. Os três não parecem ter noção alguma do que fazer, de como agir e de como expressar seus sentimentos. A assistente social (Tilda Swinton) parece uma personagem interpretada por uma menina determinada, totalmente segura de si apenas enquanto a fantasia aguenta, enquanto o narrador (Bob Balaban) também aparenta estar brincando de grande apresentador de televisão e explorador.

Mas pela primeira vez em sua carreira, Anderson entrega o protagonismo da história para crianças: Suzy (Kara Hayward) é a filha de Walt e Laura que decide fugir com Sam (Jared GIlman), um garoto com quem troca cartas há um ano desde que se conheceram no verão. Ao contrário das personagens acima, eles parecem muito mais maduros do que aparentam: Sabem exatamente o que querem, soltam para fora o que precisam e agem como gente grande. Que outras crianças americanas dançariam tão amavelmente à Françoise Hardy?

Mas obviamente, aos 12 anos, eles já começam a experimentar as primeiras desilusões. O diretor e roteirista (em parceria com Roman Coppola) não parece nem um pouco otimista com o futuro das crianças, apesar do clima feliz com o qual ele impregna a película: muito provavelmente, os dois terão destino similiar aos jovens Tenenbaums ou aos próprios adultos no filme.

Mais preso ainda neste universo em que as pessoas não conseguem realizar os papeis aos quais são esperados está, provavelmente, a grande personagem síntese que Anderson criou no chefe dos escoteiros, interpretado por Edward Norton. Talvez não haveria ator mais perfeito do que a grande promessa (e melhor ator) dos anos de 1990 que hoje, uma década depois, mais parece mais um veterano que não deu certo.

Norton, este ano parecendo voltar aos holofotes (também estava incrível em O Legado Bourne), encarna com perfeição o personagem, vestido impecavelmente com seu uniforme de escoteiro e perdido entre suas responsabilidades de adulto e brincadeiras/atividades de criança, precisando desesperadamente e urgentemente decidir qual rumo tomar. Se no cinema de Anderson, a tragédia nunca chega a invadir completamente a cena, ao menos um futuro um tanto escuro e depressivo está sempre a espreita, por mais que os diálogos sejam divertidos e a direção de arte, incrível, nos pareça sempre transportar para um mundo de fantasias.

 

Veja o trailer

YouTube Preview Image

 

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2012



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.