Revista Moviola – Revista de cinema e artes » O Artista

O Artista


Por

Publicado em 18 de Fevereiro de 2012

O Artista, França/Bélgica, 2011, de Michel Hazanavicius.

Na melhor sequência de O Artista, George Valentin sonha com o mundo sonoro, enquanto ele mesmo permanece mudo. O pesadelo resume as intenções de Hazanavicius, que não emula, propriamente, o cinema silencioso, mas confina o herói nos limites daquele universo – inclusive quando a fala o substitui, pouco a pouco.

Os enquadramentos, a velocidade, os movimentos de câmera e os cortes são do cinema contemporâneo, no entanto “presos” na roupagem muda. Quando vemos as produções que de fato George Valentin estrela, Hazanavicius copia o período silencioso muito bem: por exemplo, na sequência em que o herói, mascarado, escala um muro e foge dos que o perseguem. Por outro lado, embora os filmes de Peppy Miller sejam sonoros, eles sempre aparecem na tela… mudos!

A forma predomina em O Artista. Ou melhor, quase só há forma. A trama, mal e mal, une a transição do cinema silencioso para o sonoro, como em Cantando na Chuva – e Jean Dujardin obviamente se baseou em Gene Kelly para compor o personagem -, com a ascensão da jovem estrela em detrimento do velho astro, a quem ama, como em Nasce Uma Estrela. Para Hazanavicius, o cinema não representa o mundo, não busca a verdade. O diretor se interessa apenas pela realidade que criou, ou seja, pelo microcosmo que existe somente na tela, durante a projeção, e que não se conecta a nada além do próprio simulacro que homenageia e (re)alimenta.

Em J.Edgar, a nova obra-prima de Clint Eastwood, o personagem-título pondera, lá pelas tantas, ao falar sobre o FBI, que tão importante quanto o que se diz, é o que não se diz. A crítica se encaixa à perfeição em O Artista. Hazanavicius propaga o velho clichê, mentiroso, de que astros do cinema mudo pereceram durante a transição sonora porque não se adaptaram ou deram as costas à inovação – George Valentin gargalha enquanto sua desafeta realiza o teste de som, para depois emendar que ele não pertence àquele futuro. A versão atualizada de O Palhaço que Não Ri – e O Artista guarda inúmeras semelhanças com a nefasta cinebiografia de Buster Keaton.

Mas o quê, exatamente, O Artista omite? Bom, para um filme, em teoria, sobre os bastidores de Hollywood, Hazanavicius não fala sobre a indústria do cinema em si. Há, claro, Al Zimmer, caricato produtor interpretado por John Goodman – e qualquer semelhança com Barton Fink não é mera coincidência -, cujos olhos brilham por dinheiro, que descarta até seu maior astro em favor de Peppy Miller. No entanto, quando o confrontam, ele cede: primeiro, George Valentin chama Peppy de volta, após Zimmer demiti-la pela capa da Variety; depois, Peppy envia o roteiro para Valentin e lhe salva a carreira.

O Artista não diz, como nos lembra J.Edgar, que a transição do cinema mudo para o sonoro marcou a consolidação do “studio system” em Hollywood, com o domínio dos cinco grandes estúdios: MGM, Fox, Paramount, Universal e RKO. O som trouxe, definitivamente, as grandes corporações financeiras e industriais para o cinema: o banco Goldman Sachs patrocinou a pesquisa da Fox para o Vitafone, enquanto a Western Eletric, a General Eletric e a RCA entravam no mercado (a RKO, aliás, pertencia à RCA). Com o som – imposto de cima para baixo: decisão industrial, não artística -,os estúdios finalizaram a integração vertical do cinema, no qual produziam, distribuíam e exibiam os filmes em suas próprias cadeias de teatros, já que apenas os “big players” tinham condições econômicas de bancar os novos equipamentos que os filmes sonoros demandavam.

Claro que o processo que culminou na oligopolização do mercado cinematográfico já se iniciara durante o cinema mudo, quando a MGM contratou Irving Thalberg para controlar a produção (embora Thalberg, paradoxalmente, não acreditasse no som). Ele é o elo perdido em O Artista, aquele que Hazanavicius não invoca, nem nas entrelinhas. Graças a Thalberg, os diretores (e atores-diretores, tradição que se inciou com Roscoe Fatty Arbuckle) perderam em definitivo o poder em Hollywood, que passou a ser exercido com mão de ferro pelos estúdios. Como produtor-executivo, Irving Thalberg cortou a liberdade artística de Erich Von Stroheim, Tod Browning e Buster Keaton, por exemplo, e os submeteu à linha de montagem. Keaton não fez a transição para o sonoro porque não compreendeu o som, e sim porque Thalberg lhe tirou o controle de seus próprios filmes!

“The final cut”, ferramenta que Thalberg, Zanuck, Selznick e outros que se seguiram negaram aos diretores na “Era de Ouro de Hollywood”. O direito ao corte final, ao poder sobre o filme. Talvez a exceção seja Chaplin, que também era dono da United Artists. É a questão que O Artista, conscientemente, não toca: na sequência do incêndio, George Valentin salva a lata com a primeira cena entre ele e Peppy Miller, não o filme que escreveu, dirigiu e produziu.

O romantismo a serviço da indústria. O Artista é a crônica do triunfo de Hollywood sobre o autor.

Veja o trailer aqui:

YouTube Preview Image



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Guilherme Mazzocato

17 de Fevereiro de 2016

    Com o pé esquerdo   Estávamos ali os dois a torto e a direito e já de antemão o meu pé esquerdo me sussurrando se antecipando   Estávamos ali aos roncos e barrancos ligeiros certeiros e meu pé esquerdo se antecipando se levantando   Estávamos ali Pelo menos e o sol esquerdo e […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Não é segredo que perdedores são personagens interessantes para a indústria cinematográfica. Tem sido assim desde a Nouvelle Vague, Jean Paul Belmondo e os roteiros de Godard. Em The Adderall Diaries, James Franco, também produtor, faz o papel de um escritor paralisado com um bloqueio de criatividade. Nessa história, ele está obcecado pelas suas memórias […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Último filme da trilogia composta pelo diretor Gus van den Berghe sobre religião, Lucifer retoma o relato bíblico numa vila mexicana. A abertura e regida por uma espécie de canto gregoriano feminino e a tela será o tempo todo restrita a um círculo, como se víssemos de luneta as aventuras do anjo caído. Esse tipo […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Quando estive no Festiva de Tribeca, em 2015, escolhi conversar com George Lucas. Um dia depois do laçamento to trailer teaser sobre o episodio 7 de Star Wars, Lucas confessa que nunca ficou ansioso por um lançamento da saga, mas desta vez, como ele não participou de nada no processo criativo, ele está. O diretor […]

Por Revista Moviola

13 de Fevereiro de 2016

O filme Dois Casamentos, do cineasta e um dos editores da Moviola, Luiz Rosemberg Filho, pode ser visto (todinho) no YouTube. A produção deste filme é de Cavi Borges. Clique, acomode-se e aprecie, pois como diria o cineasta: “Abandonamos nossas paixões por um desprezo a nós mesmos como fazem Carminha e Jandira no nosso delicado […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cannes Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês cinema inglês Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio Fest Rio França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Morte Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Poemas Rio de Janeiro Teatro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.