Revista Moviola – Revista de cinema e artes » O Espelho de AnA

O Espelho de AnA


Por

Publicado em 12 de Dezembro de 2011

Uma crítica afetiva

“O poeta fala das coisas que são suas e de seu mundo, mesmo quando nos fala de outros mundos: as imagens noturnas são compostas de fragmentos das diurnas, recriadas conforme outra lei. O poeta não escapa à história, inclusive quanto a nega ou a ignora. Suas experiências mais secretas ou pessoais se transformam em palavras sociais, históricas. Ao mesmo tempo, e com essas mesmas palavras, o poeta diz outra coisa: revela o homem.”  A citação é de Octavio Paz, vem de A consagração do instante, ensaio que integra o clássico Signos em rotação. Paz fala especificamente de literatura nesse ensaio, mas o trecho que destaquei me parece servir sem nenhum prejuízo ao gesto da cineasta Jessica Cadal, que lançou em Curitiba seu documentário em média-metragem O espelho de AnA.

Nos termos de Octavio Paz, estive diante do filme como se estivesse diante de um poema. Porque não se contou nele apenas uma história ou a história cotidiana e pessoal da própria Jessica. Antes, ela, Jessica, se apresentou diante de nós através de seu filme, fez-se imagem, montou um poema de si mesma, cerzindo a história única de sua intimidade à intimidade das mulheres com que convivera. E com isso, ao mesmo tempo em que nos convidou a assistir à história de sua casa, de sua família, portanto, de tudo aquilo que a estabelece num lugar e tempo específicos, Jessica tratou de temas largos, como a condição feminina, o relacionamento, a família, o amor. E é essa ambiguidade, ser “aquilo e isso”, estar no tempo e descolar-se dele simultaneamente, que aproximou, a meu ver, O espelho de AnA às construções poéticas.

O artista plástico francês Christian Boltanski, em entrevista ao periódico Clarín , para justificar algumas escolhas estéticas que fez ao longo de sua carreira, disse que assim como para os santos, também para o artista a própria vida pode ser uma obra. Ele mesmo sempre usou sua vida, seus objetos e sua história como material para suas instalações. Mas ali, no espaço do museu, a vida reorganizada é ao mesmo tempo uma vida específica e reflexão da vida de quem a vê. No final, chega-se àquilo que é anterior à própria identidade, ao que Octavio Paz denomina, ao longo do livro citado, de “a condição humana”.

Da mesma forma, Jessica, pelo milagre do cinema, desmonta sua própria vida e a reorganiza. A câmera, que tem a acompanhado desde a adolescência — desde cedo se fez personagem, imagem — registra a repetição das tarefas domésticas, que se ressignificam, ou melhor, são atribuídas de significado no filme, através do filme. Sem precisar dizer (pois um poema é e não conta), concluímos que mais que o sobrenome, o que aproxima essa jovem cineasta, politizada, culta, à sua avó, duas gerações atrás e tudo aquilo que a impediu de construir uma vida só sua, é o papel que ocupam: o de mulher, palavra ambígua que denota sexo e maternidade, gênero e estado civil, que se confunde ainda nos nossos dias ao de esposa. A ambiguidade, sempre ela: a malícia de Eva, a inocência de Maria.

O parto do seu filho é similar em tudo a tantos outros partos.

Talvez pela minha idade, fertilíssima, pela constante notícia que tenho recebido de amigas que se casam, amigas que engravidam, amigas que me convidam para as festinhas de aniversário dos filhos. Talvez pela minha consciência em me reconhecer mulher adulta, que me tira dos movimentos contínuos enquanto dobro as camisetas que recolho do varal, enrolo as meias e cuecas do meu marido, em muita coisa eu me reconheci nesse excelente documentário de Jessica Candal.

Reconhecer-se na estranheza do espelho de outra, essa foi a experiência.

YouTube Preview Image

“O Espelho de AnA”, dirigido por Jessica Candal, relata a investigação da diretora-personagem a respeito da sua condição enquanto mulher. Através do espelhamento em pessoas íntimas, como a avó, mãe, marido, amigas e a filha de uma delas, sua própria identidade é ao mesmo tempo forjada e revelada.

Documentário, 43 minutos, MiniDV, VHS e Super-8

Vanessa C. Rodrigues é formada em letras pela UFPR e trabalha como editora, copidesque e revisora de livros. Também é escritora.



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Maysa Monção

3 de Novembro de 2014

Por favor, me respondam: Quantos filmes em 3D vocês viram na última década? Me respondam também: Quantos filmes em 3D feitos por diretores que aprenderam a fazer cinema vendo cinema, e não TV ou desenho animado, vocês viram em todos os tempos? Bem, este é o cartão de visita de Godard, que volta às telas […]

Por Maysa Monção

2 de Novembro de 2014

Quanto mais a sociedade endurece, mais a arte martela a sua veia de protesto. Ironicamente o país que gerou o mote “Igualdade, fraternidade e liberdade” vive uma onda de manisfestações católicas contra a legalização do casamento gay e é debaixo desse guarda-chuva que o mais recente filme de François Ozon, Une Nouvelle Amie tentará se […]

Por Maysa Monção

2 de Novembro de 2014

O novo longa do premiado diretor alemão, mas de ascendência turca, Fatih Akin, a respeito do genocídio armênio no início do século XX, chega a Londres, via Festival de Veneza, já desgastado. A longa saga e peregrinação do sobrevivente Tahar Rahim (Nazaret) pelos cinco paises onde foram giradas as cenas, consumindo um total de 15 […]

Por Maysa Monção

2 de Novembro de 2014

Há pelo menos 20 dias, para onde quer que você olhe vai se deparar com algum anúncio de Corações de Ferro, seja ele exposto no metrô de Londres, seja nos ônibus vermelhinhos de dois andares. O Festival de Londres terminou com a exibição de Corações de Ferro com grande estardalhaço no noite de 19/10. Horas […]

Por Maysa Monção

2 de Novembro de 2014

O filme é de um estreante, com Isabelle Huppert, William Hurt, Jessica Chastain e James McAvoy e o titulo é no mínimo apelativo. De quebra, a versão que veio ao LFF é seguida do subtítulo (Them). Foi lançada outra versão, juntando os pontos de vista dela (Her) e dele (Him). Isso foi o bastante para […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cannes Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês cinema inglês Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio Fest Rio França Gay Glauber Rocha Literatura London Film Festival Mix Brasil Morte Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Poemas Rio de Janeiro Teatro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.