Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Quando anoitece

Quando anoitece


Por

Publicado em 15 de Outubro de 2011

Quando anoitece, Itália, 2011, Cristina Comencini

O início de Quando anoitece (Quando la notte) me enganou bastante na sessão de sexta-feira à noite no cinema Odeon, na Cinelândia, Rio de Janeiro, Festival do Rio.  Fui até o antigo cinema no centro da cidade preparado para assistir ao último filme de Abel Ferrara, 4:44 Last day on Earth e, poucos minutos antes do início da sessão, sou informado de que ele não seria exibido por problemas técnicos. Fiquei então sabendo que o filme de Ferrara seria substituído por um filme italiano que havia estreado no último Festival de Veneza. Expectativas frustradas com a negativa da exibição de Ferrara, expectativas renovadas para a exibição do filme desconhecido.

O início de Quando anoitece não traz grandes esperanças ao espectador. Imagens de uma jovem mãe (Claudia Pandolfi) e um filho de dois anos viajando até uma casa semi-abandonada nas montanhas. Trilha sonora e atmosfera de suspense deixam impressão de que o que estou prestes a assistir é mais um thriller rotineiro. Na casa vive um homem solitário, que trabalha como guia de turismo. Ao ver entrar em cena o rosto do grande ator italiano Filippo Timi, no papel de Manfred, dono da casa em que passavam férias a mãe e a criança, alguma esperança de que o filme pudesse superar a mera rotina de um thriller razoavelmente bem feito (o que já é muita coisa) passava por minha mente. Lembrava-me de Fulippo no grande Vincere, excelente filme de Marco Bellochio, no qual ele interpreta o papel duplo de Mussolini e seu filho bastardo, que acaba louco. Mas a câmera que não parava quieta um minuto nos corpos e objetos dos planos ainda me deixava com a impressão de que Quando anoitece seria mais um desses filmes que poderiam ser decentes caso não buscassem um estilo que não é estilo, sendo somente uma diluição de modas narrativas do cinema contemporâneo.

No entanto, em um determinado momento da narrativa, parece que a diretora encontra o porquê de ter feito o filme que estou a assistir. Quando o casal de protagonistas vai, juntamente com a criança, visitar a pousada do irmão de Manfred no alto das montanhas, o suspense barato e a câmera tatibitate vão deixando de ser os elementos primordiais do filme. O erotismo recalcado do casal passa a dar o tom da narrativa, fazendo com que Quando anoitece seja muito mais, a partir de então, o drama romântico de um amor impossível do que um thriller pseudo-contemporâneo.

Quando anoitece caminha, assim, para uma conclusão bastante surpreendente, em se tratando de um filme que, no seu início, pouco prometia além de uma narrativa trivial cheia se cacoetes. Não sem evitar alguns erros durante o percurso, o filme acaba por atingir o potencial emotivo desejado por sua diretora, quando ela deixa sua câmera estar a serviço dos corpos dos atores e dos dramas que vivem em cena.

Trailer do filme:

YouTube Preview Image

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2011



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

28 de Outubro de 2019

                            Em 2020, o Internacional Uranium Film Festival comemorará uma década. O evento é o único no país dedicado a expor e debater o invisível mundo atômico e seus riscos radioativos. Em quase uma década, o festival reuniu produções cinematográficas de vários […]

Por Revista Moviola

19 de Outubro de 2019

              O longa-metragem Fendas apresenta uma protagonista mulher e paisagens, sons e imagens que envolvem seu trabalho num centro de pesquisas no Rio Grande do Norte. Seus objetos de pesquisa e seu cotidiano se mesclam. A personagem, uma cientista do campo da física, captura imagens de pessoas à distância. […]

Por Marcella Rangel

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Odeon Oscar Poemas Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.