Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Quando anoitece

Quando anoitece


Por

Publicado em 15 de Outubro de 2011

Quando anoitece, Itália, 2011, Cristina Comencini

O início de Quando anoitece (Quando la notte) me enganou bastante na sessão de sexta-feira à noite no cinema Odeon, na Cinelândia, Rio de Janeiro, Festival do Rio.  Fui até o antigo cinema no centro da cidade preparado para assistir ao último filme de Abel Ferrara, 4:44 Last day on Earth e, poucos minutos antes do início da sessão, sou informado de que ele não seria exibido por problemas técnicos. Fiquei então sabendo que o filme de Ferrara seria substituído por um filme italiano que havia estreado no último Festival de Veneza. Expectativas frustradas com a negativa da exibição de Ferrara, expectativas renovadas para a exibição do filme desconhecido.

O início de Quando anoitece não traz grandes esperanças ao espectador. Imagens de uma jovem mãe (Claudia Pandolfi) e um filho de dois anos viajando até uma casa semi-abandonada nas montanhas. Trilha sonora e atmosfera de suspense deixam impressão de que o que estou prestes a assistir é mais um thriller rotineiro. Na casa vive um homem solitário, que trabalha como guia de turismo. Ao ver entrar em cena o rosto do grande ator italiano Filippo Timi, no papel de Manfred, dono da casa em que passavam férias a mãe e a criança, alguma esperança de que o filme pudesse superar a mera rotina de um thriller razoavelmente bem feito (o que já é muita coisa) passava por minha mente. Lembrava-me de Fulippo no grande Vincere, excelente filme de Marco Bellochio, no qual ele interpreta o papel duplo de Mussolini e seu filho bastardo, que acaba louco. Mas a câmera que não parava quieta um minuto nos corpos e objetos dos planos ainda me deixava com a impressão de que Quando anoitece seria mais um desses filmes que poderiam ser decentes caso não buscassem um estilo que não é estilo, sendo somente uma diluição de modas narrativas do cinema contemporâneo.

No entanto, em um determinado momento da narrativa, parece que a diretora encontra o porquê de ter feito o filme que estou a assistir. Quando o casal de protagonistas vai, juntamente com a criança, visitar a pousada do irmão de Manfred no alto das montanhas, o suspense barato e a câmera tatibitate vão deixando de ser os elementos primordiais do filme. O erotismo recalcado do casal passa a dar o tom da narrativa, fazendo com que Quando anoitece seja muito mais, a partir de então, o drama romântico de um amor impossível do que um thriller pseudo-contemporâneo.

Quando anoitece caminha, assim, para uma conclusão bastante surpreendente, em se tratando de um filme que, no seu início, pouco prometia além de uma narrativa trivial cheia se cacoetes. Não sem evitar alguns erros durante o percurso, o filme acaba por atingir o potencial emotivo desejado por sua diretora, quando ela deixa sua câmera estar a serviço dos corpos dos atores e dos dramas que vivem em cena.

Trailer do filme:

YouTube Preview Image

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2011



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio filme França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.