Revista Moviola – Revista de cinema e artes » A Guerra está declararada

A Guerra está declararada


Por

Publicado em 12 de Outubro de 2011

A Guerra está declararada, França, 2011, Valérie Donzelli

 

Uma questão que aflige o cinema contemporâneo é, ao mesmo tempo, o desejo e o medo de ser contemporâneo. Uma das maiores virtudes do cinema enquanto arte é a grande capacidade, mesmo quando é um filme de ficção, de documentar o determinado momento em que ocorrem as filmagens. Mesmo que seja um filme histórico, pode-se ver como era a técnica utilizada naquele tempo para a construção de cenários, qual era o tipo físico dos atores, etc. Todo filme é um documentário. A guerra está declarada poderia ser um filme interessante sobre uma França, que, em 2011, vive sérios problemas sociais e econômicos, assim como toda a Europa. Mas o filme foge de qualquer discussão sobre a França contemporânea, situando o início de sua narrativa no ano de 2003, quando os EUA declararam guerra ao Iraque.

E por que o filme procede dessa maneira, evitando a discussão de uma França contemporânea, ao mesmo tempo em que deseja ser contemporâneo em sua encenação? Porque o filme não deseja mais nada além de mostrar o quanto pode ser esperto e divertido, mas nunca inteligente e potente. A guerra está declarada trata de um problema sério de saúde, o câncer. Mas nunca se sente, durante o filme, o verdadeiro pathos atravessado por quem sofre desta doença terrível, assim como o de seus familiares. O câncer só existe como adereço dramático para o filme mostrar uma série de planos absolutamente tolos, nos quais desfilam personagens que, em momento algum, conseguem emocionar o espectador, mesmo em se tratando de um tema, há que se convir, sobre o qual não se fica indiferente.

Algum nível de empatia com o espectador é alcançado somente nos raros momentos em que a diretora abandona sua pretensão de ser contemporânea e moderna (como no ridículo plano em que a mãe da criança – a própria diretora Valérie Donzelli - sai correndo em desespero pelo hospital, a câmera começa a tremer e surgem jump cuts absolutamente sem propósito) passando a se concentrar em mostrar os encontros dos pais da criança com os médicos. São momentos nos quais o drama daquela situação consegue transparecer para o espectador. Mas tal esforço é demais para a diretora, afinal, filmar assim qualquer um faz. E logo voltam as cenas e planos nos quais ele busca demonstrar o quanto é descolado, como na sequência em que o casal procura esquecer sua dor brincando num parque de diversões.

Se tudo Em a guerra está declarada parece gratuito, visando apenas o efeito de soar como um filme moderno, leve, divertido, mesmo ao tratar de um tema sério como o câncer e que somente consegue ser fútil, ao menos para uma coisa talvez sirva esse filme que, bem a propósito, vai representar a França na corrida pelo Oscar de melhor filme estrangeiro: servir como poderosa terapia contra um tipo de cinema que confunde o significado da palavra contemporâneo.

 

Trailer:

YouTube Preview Image

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2011

 



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio filme França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.