Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Homenagem ao Cine Belas Artes

Homenagem ao Cine Belas Artes


Por

Publicado em 21 de Março de 2011

 


O Cine Belas Artes ainda vive a indecisão do seu futuro. Mas uma homenagem já está reservada ao templo do cinema de arte em São  Paulo. A banda Trupe Chá de Boldo gravou o seu primeiro clipe lá. A música Bárbaro reuniu cerca de 60 amigos e voluntários do grupo paulistano, vestidos de alguma lenda do cinema de arte e  também pop.

Desfilaram nas filmagens o “Il Patrone” Don Corleone de O Poderoso Chefão, Dorothy do Mágico de Oz, Scarlet O’Hara de E o Vento Levou…, a Replicante de Blade Runner, Princesa Lea de Star Wars, e tantos outros ícones como Hunter Thompson, Carlitos, a “Morte” de Ingmar Bergman, a Bonequinha de Luxo, John Travolta, Rocky Balboa, e até o Jason e Tarzan. Não faltou nem o anão de Amélie Polain.

O clipe foi gravado na madrugada de 18 de fevereiro e agora está em fase de pós-produção. Entre figurantes e personagens, estavam os 12 integrantes da Trupe, que incendeia os seus shows com composições de rock puxadas para sambas e marchinhas acompanhadas de metais e performances no palco. “A ideia foi homenagear o cinema que gostamos tanto. Sempre viemos aqui e fazia sentido pra gente nos despedirmos de algum jeito do cinema. Mandamos a sugestão para o Sturm (donos do cinema), que apoiou a ideia e liberou a gravação durante uma noite”, conta Gustavo Gallo, vocalista do grupo. (mais uma vez, o fechamento, previsto para 24 de fevereiro, foi adiado).

Um verdadeiro trabalho colaborativo se deu em menos de duas semanas para reunir tantos personagens do cinema, que impressionavam pelos detalhes e cuidados com as caracterizações. Os amigos se dividiram em equipes de produção, maquiagem e assistência. “O clipe foi no style Chá de Boldo: tudo no improviso”, define Gallo, ressaltando ainda que o vídeo já era uma cobrança antiga de fãs e amigos da Trupe. Até o momento, o grupo tinha oficialmente apenas uma filmagem de uma das suas músicas em um show ao vivo.

O diretor e roteirista do clip, o publicitário Binho Miranda, também destaca a simbologia do espaço e dos personagens do clipe no momento em que se discute o fechamento do principal espaço do cinema de arte de São Paulo. Um dos personagens colocados no roteiro para representar este momento foi a Morte de Ingmar Bergman. “O cinema de arte em São Paulo vai sobreviver, mas certamente não mais aqui no Belas Artes”, prevê. “Bárbaro é uma música que permitia um roteiro aberto. Como já tínhamos o cinema, nada melhor do que aproveitar essa mimetização dos personagens com o espaço”, explicou sobre a ideia dos personagens do cinema no roteiro do clipe.

A música Bárbaro integra o primeiro disco da Trupe Chá de Boldo. Formado há seis anos, o “Bando” como eles mesmos se definem, ocupa espaços da balada paulistana como o Studio SP e as unidades do SESC. O disco lançado em 2010 foi gravado de forma independente e é distribuído pela Tratore. 

Encontros inusitados

Edward brinca com as suas tesouras, John ajeita sua jaqueta vermelha de brilhantina, Il Patrone, impecável, está preocupado com o seu terno. Carmen Miranda tenta deixar em ordem os tantos parangolés de sua cabeça. A Morte de Ingmar Bergman entra no salão principal e é aplaudida.

Era um clima de expectativa e empolgação que tomava o cinema. Tudo foi preparado em apenas duas semanas, quando souberam da liberação para gravação e correram contra o tempo do anunciado encerramento das atividades. 

Acostumado aos Corujões, a noitada dentro das dependências do Belas Artes foi invertida. Lá estava o espaço que tanto recebeu os astros na tela sendo personagem. “Ação e Corta!”, só que agora do lado de fora da tela. Alguns foram cedendo ao cansaço à medida que a madrugada avançava.

Daquele noite ficou o registro de muitos “astros” batendo e de encontros inusitados enquanto aguardavam sua hora de entrar na “película”. Quer dizer, no cartão digital. Uma Penélope Cruz, atrás Balcão, arrumava cuidadosamente a Morte, de Bergman.  A Bonequinha de Luxo senta ao lado do Edward Mãos de Tesoura. Chaplin faz confidências, na porta do cinema, ao vocalista Gustavo Gallo.

Após o Noitão, já passava das sete da manhã quando o diretor Binho Miranda anuncia a cena final. A Morte fecha a mão com uma peça de xadrez. O Cinema também depende no momento de uma jogada final que talvez decida o futuro de toda uma história de arte e paixão que este ano completava 68 anos.




1 Commentário sobre 'Homenagem ao Cine Belas Artes'

  1.  
    Vanessa

    25 Março, 2011| 5:16 pm


     

    Belíssimo trabalho!

Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.