Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Somewhere

Somewhere


Por

Publicado em 9 de Outubro de 2010

No hall, enquanto joga baralho com a filha, Johnny Marco recebe outra cantada. No plano seguinte, ele toca Bach ao piano. Em Somewhere, Sofia Coppola explora novamente o conflito do mundo das aparências, onde vive o herói, com a realidade do afeto, na qual transita por breves momentos.

Johnny Marco – astro de Hollywood, rico e mulherengo – existe no sucesso ilusório e fugidio do cinema: os casos amorosos, os shows de pole dance, os dias na piscina, as bebedeiras, os passeios de Ferrari, as viagens internacionais e os holofotes das câmeras são apenas para livrá-lo do tédio. A vida do herói se resume a nada, ausente de significado, tal qual o outdoor que vê da janela de seu quarto. Como em Encontros e Desencontros, Johhny mora no hotel, uma vez que não tem raízes, está perdido, vaga pelos lugares e pelo interior da alma sem destino, objetivo ou porto seguro onde ancorar.

Somente na relação com a filha, Johnny Marco conhece a verdade fora das aparências, pois a ama. Quando a mãe pede um tempo sozinha, ele cuida da garota – brincam de Guitar Hero, viajam para a Itália e para Las Vegas, comem juntos, tomam sol na piscina. O pai a leva nas aulas de patinação artística. Por instantes, divertem-se e se completam: Johnny se sente útil e vivo. Mas ela vai para a colônia de féria, e os dias de tédio retornam.

Sofia Coppola refilma Encontros e Desencontros. Novamente, o ator que se torna refém do espetáculo, o hotel que simboliza indeterminação e deslocamento, o breve contato que o liberta e a partir do qual Johnny se reconstrói. Somewhere, no entanto, abusa dos tempos mortos, dos silêncios e dos planos longos a fim de representar o tédio da personagem. A diretora, igualmente, preenche a narrativa com acontecimentos que beiram o ridículo e que provocam mal-estar (as gêmeas do pole dance, a premiação na Itália) com o intuito de contrastar ainda mais as faces pública e privada do herói.

Em Somewhere, os momentos de Johhny com a filha rendem momentos de puro encanto. Mas, com o herói sozinho na tela, o filme esbarra nos clichês.

Somewhere, de Sofia Coppola, 2010.

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2010.



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio filme França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.