Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Michael Dudok de Wit

Michael Dudok de Wit


Por

Publicado em 18 de Julho de 2010

Texto originalmente publicado, pelo autor, na Contracampo – com revisões para a Revista Moviola.

Michael Dudok de Wit, que nasceu na Holanda em 1953, alterna trabalhos pessoais com outros feitos sob encomenda. Em dezoito anos, realizou apenas quatro curtas-metragens, além de propagandas comerciais – como A Life, para a United Airlines. Embora não tenha produzido sequer trinta minutos de imagens, elas são suficientes para colocá-lo no rol dos maiores gênios da animação – com Winsor McCay, Norman McLaren, Jan Svankmajer, Ub Iwerks, Tex Avery e Chuck Jones.

Os curtas-metragens do diretor se resumem a Tom Sweep (1992), O Monge e o Peixe (1994), Pai e Filha (2000) e O Aroma do Chá (2006). No aspecto temático, eles exploraram a ligação entre o humano e o divino (a procura do homem por Deus), a passagem inexorável do tempo, o efêmero e o eterno, o processo de vida-morte-renascimento, as memórias que perduram mesmo quando o corpo físico desaparece. Quanto à forma, Michael Dudok de Wit desenha com traços simples, despojados, limpos e concisos, abusa de elipses espaço-temporais, sujeita os movimentos dos elementos em cena à música onipresente e que preenche e conduz toda a narrativa – a predileção do cineasta recai sobre o compositor barroco Archangelo Corelli –, a história tênue e quase desprovida de ação como suporte para reflexões metafísicas, abstratas e filosóficas.

O Monge e o Peixe, Pai e Filha, A Life e O Aroma do Chá se articulam ao redor da transformação simbólica e metafórica de único objeto (ou forma) concreto: o peixe, a roda de bicicleta, o avião e a esfera, respectivamente.

A obsessão do simpático e rechonchudo monge em capturar o peixe, assim, transcende as – aparentemente – simples trapalhadas e o humor ingênuo (porém encantador) de uma pescaria mal-resolvida. O Monge e o Peixe, ao contrário, remete à busca incessante pelo sagrado, o desejo humano pela comunhão espiritual com Deus e com o universo: Ichtys, palavra grega que significa “peixe”, é acrônima da frase Iesus Christus Theou Yicus Soter, ou seja, “Jesus Cristo Filho do Deus Salvador”. Símbolo do cristianismo primitivo, utilizado para que os fiéis da nova religião, perseguidos por Roma, se identificassem, foi substituído pelo crucifixo e pelo sinal da cruz em 400 d.C., com o intuito de estabelecer e de reforçar o martírio, a morte e a ressurreição de Jesus como pilares fundamentais da doutrina que se institucionalizava com o aval dos imperadores Constantino e Teodósio, sobretudo a partir do Concílio de Nicéia, em 325 d.C.

Se a cruz representa a morte e sofrimento, o peixe aponta para a vida, para a dimensão puramente espiritual e transcendente de Jesus. Dessa forma, o monge, na verdade, procura o Cristo anterior à ortodoxia católica, que não lavou os pecados do mundo com o próprio sangue, mas que trouxe esperança, fraternidade e amor para todos os injustiçados e oprimidos. Jesus que, em sua fragilidade humana, funde-se aos demais seres vivos através da compaixão.

Em Pai e Filha, a roda de bicicleta é o objeto que, transmutado, indica o ciclo da vida – nascer, crescer, reproduzir-se, envelhecer, morrer e, por fim (ou por início), renascer.

Em apenas oito minutos, Michael Dudok de Wit conta a saga da personagem que, ainda criança, vê o pai pela última vez. Ano após ano, e sempre de bicicleta, retorna ao lugar da despedida, ma espera de que ele volte. Assim como a música ao longo da narrativa – repetição incessante da mesma melodia, a valsa As Ondas do Danúbio, de Iosif Ivanovici –, Pai e Filha se estrutura a partir de seqüências a princípio idênticas entre si, que, entretanto, se diferenciam na medida em que são preenchidas pelo Tempo (o devir heraclitiano). Desse modo, enquanto a roda gira, os anos passam, cada corte introduzindo nova elipse temporal. Sobre a bicicleta, a filha envelhece: nós a acompanhamos estudante, com o primeiro namorado, já casada e com filhos, idosa. Trajetória que mostra não somente a degradação física, como também, e principalmente, os sentimentos, a memória e as lembranças que cristalizam, ponte entre o passado, o presente e o futuro, visível na sucessão emotiva das estações do ano e das paisagens holandesas que ambientam o filme.

A Life (e outras propagandas de Michael Dudok de Wit) no youtube:

YouTube Preview Image

Igualmente afetivo é o anúncio para a United Airlines, A Life. Michael Dudok de Wit, de maneira explícita, aproveita a imagética de Pai e Filha e brinca com seus próprios clichês: por meio de elipses temporais, da infância à velhice, surgem na tela as diversas fases da vida que o personagem atravessa. A bicicleta reaparece, contudo o anúncio se centra no símbolo da companhia aérea: com o mote de que a United Airlines apenas realiza o desejo de seus consumidores, o diretor não trata o avião enquanto objeto concreto para satisfazer a necessidade dos espectadores, e sim como metáfora para os sonhos que os movem a alcançar objetivos (os acontecimentos que o protagonista vive no comercial, na prática, independem da presença do avião).

O conceito simbólico da esfera fundamenta a mais recente obra-prima de Michael Dudok de Wit, O Aroma do Chá, com a qual o diretor rompe com figuração e a narrativa ainda presentes nos curtas-metragens anteriores e parte rumo ao abstracionismo – utiliza-se, para tanto, do movimento, do corte e da composição do quadro.

Até Copérnico lançar a Terra ao espaço, Galileu observar os astros com sua luneta, Kepler formular as leis dos movimentos orbitais e Newton criar a arcabouço físico-matemático que explica e rege o universo, predominou a cosmogonia de Ptolomeu e de Aristóteles, segundo a qual o sistema celeste se organiza em noves esferas concêntricas, imutáveis e pré-determinadas, obras de um Criador.

Aristóteles – para quem a Terra se encontra no centro do universo, com planetas e estrelas girando ao seu redor presos a sólidos círculos de cristal -, por sua vez, baseia-se em Empédocles, filósofo pré-socrático, que tenta unir o Ser, de Parmênides (representado pela Esfera, o Todo indivisível, monístico), com o devir, de Heráclito (o rio cujas águas jamais são as mesmas). Para Empédocles, o universo se apresenta como esfera, mas contendo os quatro elementos indestrutíveis que a formam: terra, água, fogo e ar. Uno, e ao mesmo tempo múltiplo, com as forças do Amor e do Ódio que promovem o movimento entre as substâncias primordiais.

De Ptolomeu, Aristóteles, Empédocles, Parmênides, voltamos a Xenófanes de Colofão, primeiro a propor a esfera como símbolo para Deus, uma vez que ela representa a perfeição formal: além de ser a metáfora geométrica do infinito, concretiza uma curva sem princípio nem fim.

Em O Aroma do Chá, a esfera está no pequeno ponto errante que vaga pela imensidão do branco, vez por outra cortada por formas aleatórias e por outros pontos, que se movimentam mecanicamente ao som do Concerto Grosso opus 6, no. 2 e no. 12, de Corelli, assim como no misterioso círculo que serve de destino final para o aroma do chá. Retomando o cristianismo de O Monge e o Peixe, as esferas de O Aroma do Chá são o alfa e o ômega, o início e o fim, o nascimento e a morte. Elas aludem ao sagrado, a Deus, e ao mesmo tempo remetem ao homem, visto que a forma esférica não existe na natureza: trata-se de criação eminentemente humana, que sinaliza para a capacidade de pensamento abstrato exclusiva à espécie.

Desse modo, a viagem do aroma do chá em direção à esfera branca remete ao desejo humano de comunhão espiritual com seu Criador ou, talvez, ao aspecto divino que existe em cada homem. Despojado, conciso e rigoroso, construído sobre o ritmo musical (a música celeste de Leibniz, com a qual Deus rege e organiza o universo?), O Aroma do Chá dispensa artifícios narrativos e se vale apenas da mais pura linguagem cinematográfica para estruturar o material imagético.

O pequeno ponto errante jamais sai de quadro: de um plano a outro, Michael Dudok de Wit usa o corte em movimento para descrever a trajetória da esfera através do espaço, de sorte que não há continuidade (que existiria caso o ponto saísse e entrasse pelas bordas da tela, por exemplo), e sim elipses que não permitem identificar o tempo decorrido entre os cortes e os locais exatos onde as imagens se fixam. A explicação filosófica para o cálculo diferencial inventado por Leibniz – concomitantemente a Newton – sugere que 0 representa o homem, enquanto 1 simboliza Deus, com os números infinitesimais dispostos entre ambos em respeito à evolução espiritual que o primeiro deve percorrer para se encontrar com o segundo. O Aroma do Chá, ao mostrar o começo e o final da jornada, porém fragmentando a duração e os caminhos da mesma (sem referências com as quais se guiar), abre-se também para o ilimitado, para a dimensão microscópica, contínua e eterna do devir.

O Aroma do Chá no youtube:

YouTube Preview Image

Veja a cobertura completa do Anima Mundi 2010.



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Guilherme Mazzocato

17 de Fevereiro de 2016

    Com o pé esquerdo   Estávamos ali os dois a torto e a direito e já de antemão o meu pé esquerdo me sussurrando se antecipando   Estávamos ali aos roncos e barrancos ligeiros certeiros e meu pé esquerdo se antecipando se levantando   Estávamos ali Pelo menos e o sol esquerdo e […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Não é segredo que perdedores são personagens interessantes para a indústria cinematográfica. Tem sido assim desde a Nouvelle Vague, Jean Paul Belmondo e os roteiros de Godard. Em The Adderall Diaries, James Franco, também produtor, faz o papel de um escritor paralisado com um bloqueio de criatividade. Nessa história, ele está obcecado pelas suas memórias […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Último filme da trilogia composta pelo diretor Gus van den Berghe sobre religião, Lucifer retoma o relato bíblico numa vila mexicana. A abertura e regida por uma espécie de canto gregoriano feminino e a tela será o tempo todo restrita a um círculo, como se víssemos de luneta as aventuras do anjo caído. Esse tipo […]

Por Maysa Monção

13 de Fevereiro de 2016

Quando estive no Festiva de Tribeca, em 2015, escolhi conversar com George Lucas. Um dia depois do laçamento to trailer teaser sobre o episodio 7 de Star Wars, Lucas confessa que nunca ficou ansioso por um lançamento da saga, mas desta vez, como ele não participou de nada no processo criativo, ele está. O diretor […]

Por Revista Moviola

13 de Fevereiro de 2016

O filme Dois Casamentos, do cineasta e um dos editores da Moviola, Luiz Rosemberg Filho, pode ser visto (todinho) no YouTube. A produção deste filme é de Cavi Borges. Clique, acomode-se e aprecie, pois como diria o cineasta: “Abandonamos nossas paixões por um desprezo a nós mesmos como fazem Carminha e Jandira no nosso delicado […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cannes Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês cinema inglês Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio Fest Rio França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Morte Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Poemas Rio de Janeiro Teatro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.