Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Uma Barragem Contra o Pacífico

Uma Barragem Contra o Pacífico


Por

Publicado em 8 de Outubro de 2009

Uma Barragem Contra o Pacífico, de Rithy Panh.

Talvez a adaptação do romance homônimo de Marguerite Duras surpreenda os que desconhecem a obra de Rithy Panh. Por que seguir o modelo do filme de época e, mais especificamente, do cinema colonialista, de Tarzan a Indochina? Coerência e honestidade: Panh jamais representaria os franceses como mostrou os cambojanos em S-21: A Máquina de Morte do Khmer Vermelho, A Terra das Almas Errantes, As Pessoas de Angkor, Condenados à Esperança ou Os Artistas do Teatro Queimado.

Rithy Panh se dedica a escavar a História e as memórias do Camboja – do país devastado pelo regime comunista de Pol Pot e que, com a volta da democracia, sofre com a ganância do mercado financeiro internacional. Em Uma Barragem Contra o Pacífico, o cineasta recua no tempo, para 1931, durante o período colonial, e registra o domínio francês sobre a Indochina (através do último plano, que estabelece a ligação direta entre o romance de Duras e o Camboja contemporâneo, Rithy Panh transforma o “filme de época” em passado vivo e atuante).

Em Uma Barragem Contra o Pacífico, pela primeira vez, Rithy Panh não apresenta o ponto de vista dos cambojanos, mas dos franceses – família composta pela mãe e pelos filhos, Joseph e Suzanne, que recebe do governo lotes de terra à beira do oceano. Não dos colonizados, e sim dos colonizadores, razão pela qual o diretor adota a estratégia política de filmar os invasores como eles sempre retrataram os povos conquistados: se o cinema colonial clássico herda a ideologia do “fardo do homem branco” de Rudyard Fipling (a missão divina dos cristãos europeus de levar a civilização à África e à Ásia), Uma Barragem Contra o Pacífico revela que as grandes potências imperialistas são bárbaras, incultas, incivilizadas, oportunistas. A mãe, por exemplo, está doente e vomita todos os dias; Joseph tem os dentes podres, mal sabe escrever e mantém com a irmã relação quase incestuosa; Suzanne, que gosta de homens “brutos e selvagens” como o irmão, vende-se ao Senhor Jo em troca de vitrolas e de diamantes.

Rithy Panh compara a família francesa aos vermes que despencam do teto. Ela não é pior, contudo, que o Senhor Jo – “amarelo de alma branca” -, colonizado que se aproveita do colonizador para enriquecer, que se apropria das terras do camponeses miseráveis. Chinês (França, Inglaterra, Japão, EUA não disputavam a China?), Jo flerta com Suzanne, pelas terras da mãe e pelo orgulho de possuir uma européia. Em dificuldades financeiras, a família incentiva o casamento de Suzanne com Jo, que seria impensável caso os lotes não estivessem a perigo – de fato, embora negocie a filha, a mãe não aceita que ela durma com Jo, conforme o ideário racista que a moldou.

Uma Barragem Contra o Pacífico, de Rithy Panh, 2008.

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2009.



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Por Revista Moviola

26 de Fevereiro de 2019

Perigo Por Encomenda (2012), escrito e dirigido por David Koepp, traz ao público a cidade de Nova York como elemento determinante na narrativa e na estética do filme. O longa conta a história de um mensageiro que usa como transporte uma bicicleta (Wilee, interpretado por Joseph Gordon-Levitt) em Manhattan, o personagem precisa entregar, um envelope […]

Por Revista Moviola

21 de Fevereiro de 2019

Garota Sombria Caminha Pela Noite (2014) é um filme baseado em um curta de terror, com roteiro e direção de Ana Lily Amirpour e vencedor do prêmio da Revelação Cartier no Festival de Deauville em 2014. Uma produção realizada por imigrantes iranianos nos Estados Unidos que traz um estilo mesclado entre o horror, a fantasia, […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.