Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Singularidades de Uma Rapariga Loura

Singularidades de Uma Rapariga Loura


Por

Publicado em 2 de Outubro de 2009

Singularidades de Uma Rapariga Loura, de Manoel de Oliveira.

Do escritório onde trabalha (de contador para o armazém do tio), Macário se apaixona pela rapariga loura que, todos os dias, vê à janela com seu leque chinês. Expuslo de casa, pois tio Francisco não aprova o casamento, Macário viaja para Cabo Verde, ganha dinheiro, perde-o em golpe que falso amigo lhe dá, retorna para o velho emprego e finalmente consegue a permissão para se casar com Luísa – quando descobre as reais intenções da moça. É o próprio herói quem narra as aventuras que viveu para a desconhecida ao lado, na viagem de trem que os leva ao Algarve (uma vez que se conta aos estranhos o que não se fala aos amigos e à família).

Manoel de Oliveira adapta e “atualiza” conto homônimo de Eça de Queirós – desde Os Canibais, o diretor português não lida tão francamente com a decadência burguesa. Quando instado a se definir pelo amigo, Macário responde: “sou apenas um homem pobre”. Os altos e baixos pelos quais atravessa se devem exclusivamente às condições financeiras, já que Macário se casará apenas quando reunir a quantia necessária para sustentar a futura esposa – razão que o leva a vender todos os objetos pessoais, buscar emprego com os amigos do tio e viajar para Cabo Verde. Luísa, no entanto, gosta de luxo e de riqueza incompatíveis com a vida de um simples contador: ama lenços de caxemira, está sempre com o leque chinês que lhe trouxeram do exterior e, aos sábados, frequenta a mansão do Notário, que organiza sarau de artes.

No palacete, que remete ao de Os Canibais, Luís Miguel Cintra interpreta a si mesmo e recita conveniente poema de Alberto Caeiro (heterônimo de Fernando Pessoa) que versa sobre o desprezo da alma burguesa em relação aos pobres, de como ela se fecha para o mundo que a cerca e se preocupa apenas com subjetividades egoístas. Manoel de Oliveira representa a auto-suficiência dos ricos em plano brilhante: enquanto Cintra declama Pessoa, Macário, Luísa e outros convidados jogam pôquer, de costas para o ator.

Em Singularidades de Uma Rapariga Loura, Manoel de Oliveira chega ao ápice da economia fílmica em somente 63 minutos. Para simbolizar o abismo que separa ricos de pobres, bem como as idas e vindas de Macário, o centenário diretor corta da mesma paisagem lisboeta, de dia, para a noite, e vice-versa. O badalo do sino (fora de quadro) santifica as aparições da menina – quando a igreja finalmente emerge na tela, com o sino imóvel (embora se o escute), indica-se que Luísa mente, falseia e esconde seu verdadeiro caráter. E a viagem de Macário para Cabo Verde, que introduz elipse de meses ou de anos, é somente descrita nas cartas que envia à amada em Portugal, como em Pickpocket, de Robert Bresson.

Macário – honesto, correto e trabalhador, nas palavras de tio Francisco – não se casa com Luísa, que se deixa seduzir pela classe a que não pertence e que tanto almeja. A rapariga loura de Manoel de Oliveira, entre em meio às sombras último e belíssimo plano, personifica a decadência ética e a corrupção espiritual da burguesia.

Singularidades de Uma Rapariga Loura, de Manoel de Oliveira, 2009.

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2009.



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio filme França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.