Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Aconteceu em Woodstock

Aconteceu em Woodstock


Por

Publicado em 26 de Setembro de 2009

Aconteceu em Woodstock, de Ang Lee.

Ennis Del Mar, que reprime os próprios sentimentos, expressa-os apenas em Brokeback Mountain, lugar utópico onde os condicionantes sociais do dia-a-dia não se impõem. Elliot Tiber, que vive sob o jugo dos pais, enxerga no Festival de Woodstock a chance de deixar a pequena cidade para trás. O Segredo de Brokeback Mountain e Aconteceu em Woodstock possuem estruturas similares: heróis que se dividem entre a realidade cotidiana e a quimera efêmera, ambas irreconciliáveis.

Quando Wallkill caça a licença do Festival de Woodstock, Elliot Tiber o traz para Bethel – mais precisamente para a fazendo do amigo Max Yasgur. Elliot acredita que os três dias de “paz e música” cubram as dívidas do hotel de seus pais, o El Monaco, que ele administra desde a volta do Brooklyn. Contudo, Woodstock se transforma no marco da geração hippie: contracultura, amor livre, sexo, feminismo, protestos contra a Guerra do Vietnã, drogas, Panteras Negras, rock’n roll. A ruptura que o evento provoca – a comunidade local, antiquada e conservadora que se opõe aos milhares de jovens que chegam de todo país – individualiza-se em Elliot que, embora preso umbilicalmente à mãe, anseia pelas vivências e descobertas que os novos contatos lhe abrem.

Woodstock simboliza para Elliot a mesma utopia que as montanhas Brokeback para Ennis. Em ambos os filmes, Ang Lee retrata pequenas comunidades (Meio-Oeste americano, subúrbio de Nova York) avessas às mudanças e congeladas no tempo. O cineasta disseca hábitos, manias, estilos de vida e preconceitos que se solidificaram e construíram o meio social, aos quais opõe Elliot e Ennis, heróis fora de sintonia com os papéis que lhes cabem em relação aos vizinhos. Porém, se Ennis De Mar guarda Brokeback Mountain para si (refúgio solitário), Elliot Tiber promove Woodstock para todos, bomba atômica que leva à catarse e à transformação coletiva.

Ang Lee preserva a aura mística de Woodstock. De empreendimento comercial, com venda de ingressos para quarenta mil espectadores, os “três dias de paz e amor” se tornam, ao longo do filme, acontecimento que reúne meio milhão de jovens e define a cultura de sua época. Porém, embora trate com simpatia as questões levantadas pelo festival, Aconteceu em Woodstock se furta a contextualizá-las politicamente: os ideais hippies, para Ang Lee, são genéricos e agradáveis, não atos de resistência aos EUA de Nixon e Lyndon Johnson.

Em Aconteceu em Woodstock, a “sutileza” de Ang Lee se confunde perigosamente com a revisão histórica. Elliot Tiber, por exemplo, fora ativo participante do movimento gay de Nova York, antes de voltar para Bethel, assim como Max Yasgur mais do que apenas ceder a fazenda, bancou o direito dos jovens e dos hippies de se manifestarem livremente (não por acaso, ele é o Santo Padroeiro do Festival Woodstock). Mas vencer barreiras individuais é bem mais palatável que chafurdar no campo minado da política.

Assista ao trailer de Aconteceu em Woodstock, de Ang Lee:

YouTube Preview Image

Aconteceu em Woodstock, de Ang Lee, 2009.

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2009.



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio filme França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.