Revista Moviola – Revista de cinema e artes » A cabeça é a ilha

A cabeça é a ilha


Por

Publicado em 5 de Setembro de 2009

A cabeça é a ilha

Dahmer é um otimista e “A Cabeça é a Ilha” seu credo

André Dahmer é um otimista. Compor personagens, extrair deles o que há de pior no espírito humano e, ainda assim, sacar o riso como resultado, somente altas doses de otimismo para esperar este tipo de reação. A Cabeça é a Ilha faz um apanhado dos muitos personagens que desfilam diária, semanal ou quinzenalmente no site dos Malvados, mas, com o livro nas mãos, o leitor pode perceber que as múltiplas nuances das criações de Dahmer ganham contornos ainda “piores” em volume tão bem cuidado.

O que dizer do enamorado e destrutivo Ulisses e da sua doentia relação com a idealizada e “cruel” Rebeca. Só um ser estranho, nas palavras do autor, para cultivar uma relação tão surreal com alguém e se satisfazer com isso. Maldades e solidão são os temas que se apresentam com maior recorrência em A Cabeça é a Ilha, mas, mesmo maus ou sós, os personagens de Dahmer terminam arrancando um riso que pode soar até improvável, imperdoável para alguns moralistas, porém verdadeiro.

Os personagens de A Cabeça é a Ilha equilibram-se no que pretende o título: seja nas agruras de um náufrago refém de sua condição, em um passeio pelo deserto dos medonhos ou nas provações dos personagens de De Nihilo Nihilum, estar só em um mundo que não reconhece a problemática inerente ao “estar só” é o problema. Em todos os tipos retratados no livro de Dahmer percebemos neles o pior do espírito, aquilo que se esconde ao sul da alma, mas que também retém algo capaz de retorcer o canto da boca e provocar um inconfessável humor de negrume impar.

Se para o autor o livro é “estranho”, me parece que é exatamente nesta aparente estranheza que ele encerra suas criações que reside seu valor: um livro, como Dahmer afirma no prefácio, “generoso sobre a solidão, o desencontro, a incompreensão” que envolve cada um dos seus leitores, confrontando-os com o que eles têm de melhor e pior. Recorro novamente ao prefácio e encontro talvez a frase que melhor ilustra a fauna de personagens perversos de Dahmer para este A Cabeça é a Ilha: “rir da própria dor é uma forma de domesticar nossos monstros e aceitar nossa fragilidade diante do abandono, da indiferença”.

Todos os personagens desta compilação escolhida a dedo pelo autor – como alguém que gosta de empurrar este mesmo dedo nas feridas – demonstram que o que temos de pior resulta da solidão, do abandono e da incompreensão das quais tratam os personagens de Dahmer. Em uma das melhores tiras do volume, quando Deus determina que o anjo Miguel desça à Terra para castigar “essa gente” estranha e o anjo exclama, supreso, um “de novo!?!?”, a reação do Criador é impagável: – Sem essa de piedade, Miguel, ou corto as suas asinhas.

Para os fãs dos Malvados, as famigeradas flores do mal criadas por Dahmer, A Cabeça é a Ilha não será novidade. Entretanto, compiladas, o veneno que escorre do livro parece ainda melhor. Exatamente por este motivo o novo rebento de Dahmer me parece indispensável em qualquer biblioteca que se preza e para qualquer leitor que preza o que tem de pior.

Eu prezo.

Alexandre Honório é jornalista e editor do e.zine Disruptores, onde este artigo foi originalmente publicado.



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

28 de Outubro de 2019

                            Em 2020, o Internacional Uranium Film Festival comemorará uma década. O evento é o único no país dedicado a expor e debater o invisível mundo atômico e seus riscos radioativos. Em quase uma década, o festival reuniu produções cinematográficas de vários […]

Por Revista Moviola

19 de Outubro de 2019

              O longa-metragem Fendas apresenta uma protagonista mulher e paisagens, sons e imagens que envolvem seu trabalho num centro de pesquisas no Rio Grande do Norte. Seus objetos de pesquisa e seu cotidiano se mesclam. A personagem, uma cientista do campo da física, captura imagens de pessoas à distância. […]

Por Marcella Rangel

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Odeon Oscar Poemas Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.