Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Memórias de um gênio

Memórias de um gênio


Por

Publicado em 3 de Setembro de 2009

No documentário Auf der Suche nach dem Gedächtnis (2009) Petra Seeger faz uma descoberta extraordinária: a possibilidade de explorar as diversas perspectivas sobre a memória de um gênio. Eric Kandel (1929-), médico especializado em psiquiatria, envolveu-se nos estudos de neurofisiologia com uma intenção nada simples: juntar psicanálise e neurofisiologia em uma nova ciência da mente. O que moveu suas pesquisas foi o impulso em descobrir “exatamente” em que áreas do cérebro encontravam-se as regiões designadas por Freud como ego, id e superego. Suas descobertas em neurofisiologia foram tão fantásticas que hoje ele é considerado pelos estudantes como o “Rockstar” da neurociência. Entre outras coisas, descobriu que processos como os de memória de curta e de longa duração poderiam ser explicados em termos moleculares. Em outras palavras, descobriu que diferentes processos ocorrem nas células quando apenas reagimos às sensações e quando aprendemos com elas. Numa reação simples os neurônios transmitem informações apenas mediante uma conexão sináptica. Num processo como o de aprendizado, porém, ocorre uma alteração das informações genéticas dos neurônios, que passam a “comandar” a produção de diferentes conexões sinápticas ao mesmo tempo. Além de permitir a transmissão de informações mais complexas essa alteração genética, que permanece em nossos neurônios, nos torna capazes de rememorar.
O que me parece extremamente intrigante, contudo, é o comentário de Kandel, aos 80 anos, no qual reconhece ter descoberto muito sobre neurologia, mas muito pouco sobre psicanálise, que continua para ele um mistério. Na contracorrente de diversas tentativas de pesquisas interdisciplinares, este poderia ser um símbolo de que cada ciência possui uma perspectiva própria, muito difícil de conciliar não apenas com os métodos, mas também com os modelos de explicação de cada uma das outras ciências. Eu prefiro ver isso por outro ângulo: se o impulso não tivesse sido dado pelo caráter “misterioso” das estruturas psicanalíticas, talvez essas descobertas no campo da neurofisiologia não tivessem sido feitas. Se não compartilham dos mesmos métodos e modelos de explicação, diferentes disciplinas mantêm ao menos um interesse comum em relação às mesmas questões. E nesse sentido o intercâmbio pode ser sempre frutífero.
Além de apresentar suas grandes descobertas em neurofisiologia em seu vínculo com a motivação vinda da psicanálise, Petra Seeger explora o lado psicanalítico ainda por outro viés: leva Eric Kandel a uma viagem sobre o passado, sobre sua própria memória. Judeu nascido na Áustria, Kandel foi obrigado a imigrar para os Estados Unidos em fuga do regime nazista. Ele não exclui uma possível relação entre a paixão pelo seu tema de estudo – a memória –, as experiências traumáticas da infância e a cultura judaica pós-holocausto, cujo lema torna-se “nunca esquecer”. Mesclando cenas de entrevistas de Kandel e seus pesquisadores no laboratório, com as cenas de sua família em um passeio pela França e pela Áustria em busca de seu passado e de sua esposa, Petra Seeger consegue tornar claro algo que muitas vezes se esquece: o quanto as pesquisas científicas são movidas pela paixão à ciência e pela história pessoal dos pesquisadores. De fala simples, esperteza invejável e humor ágil, Kandel se mostra de uma genialidade, para a qual não há Nobel.

Eric Kandel

No documentário Auf der Suche nach dem Gedächtnis (2009) Petra Seeger faz uma descoberta extraordinária: a possibilidade de explorar as diversas perspectivas sobre a memória de um gênio. Eric Kandel (1929-), médico especializado em psiquiatria, envolveu-se nos estudos de neurofisiologia com uma intenção nada simples: juntar psicanálise e neurofisiologia em uma nova ciência da mente.

O que moveu suas pesquisas foi o impulso em descobrir “exatamente” em que áreas do cérebro encontravam-se as regiões designadas por Freud como ego, id e superego. Suas descobertas em neurofisiologia foram tão fantásticas que hoje ele é considerado pelos estudantes como o “Rockstar” da neurociência.

Entre outras coisas, descobriu que processos como os de memória de curta e de longa duração poderiam ser explicados em termos moleculares. Em outras palavras, descobriu que diferentes processos ocorrem nas células quando apenas reagimos às sensações e quando aprendemos com elas. Numa reação simples os neurônios transmitem informações apenas mediante uma conexão sináptica. Num processo como o de aprendizado, porém, ocorre uma alteração das informações genéticas dos neurônios, que passam a “comandar” a produção de diferentes conexões sinápticas ao mesmo tempo. Além de permitir a transmissão de informações mais complexas essa alteração genética, que permanece em nossos neurônios, nos torna capazes de rememorar.

O que me parece extremamente intrigante, contudo, é o comentário de Kandel, aos 80 anos, no qual reconhece ter descoberto muito sobre neurologia, mas muito pouco sobre psicanálise, que continua para ele um mistério. Na contracorrente de diversas tentativas de pesquisas interdisciplinares, este poderia ser um símbolo de que cada ciência possui uma perspectiva própria, muito difícil de conciliar não apenas com os métodos, mas também com os modelos de explicação de cada uma das outras ciências.

Eu prefiro ver isso por outro ângulo: se o impulso não tivesse sido dado pelo caráter “misterioso” das estruturas psicanalíticas, talvez essas descobertas no campo da neurofisiologia não tivessem sido feitas. Se não compartilham dos mesmos métodos e modelos de explicação, diferentes disciplinas mantêm ao menos um interesse comum em relação às mesmas questões. E nesse sentido o intercâmbio pode ser sempre frutífero.

Além de apresentar suas grandes descobertas em neurofisiologia em seu vínculo com a motivação vinda da psicanálise, Petra Seeger explora o lado psicanalítico ainda por outro viés: leva Eric Kandel a uma viagem sobre o passado, sobre sua própria memória.

Judeu nascido na Áustria, Kandel foi obrigado a imigrar para os Estados Unidos em fuga do regime nazista. Ele não exclui uma possível relação entre a paixão pelo seu tema de estudo – a memória –, as experiências traumáticas da infância e a cultura judaica pós-holocausto, cujo lema torna-se “nunca esquecer”.

Mesclando cenas de entrevistas de Kandel e seus pesquisadores no laboratório, com as cenas de sua família em um passeio pela França e pela Áustria em busca de seu passado e de sua esposa, Petra Seeger consegue tornar claro algo que muitas vezes se esquece: o quanto as pesquisas científicas são movidas pela paixão à ciência e pela história pessoal dos pesquisadores. De fala simples, esperteza invejável e humor ágil, Kandel se mostra de uma genialidade, para a qual não há Nobel.

Monique Hulshof é doutoranda em Filosofia.




2 Commentários sobre 'Memórias de um gênio'

  1.  
    M\rgarida

    5 Agosto, 2010| 8:52 am


     

    Parabéns Mo!!!!! simplesmente D+

  2.  
    Edleusa Araujo Caldas

    4 Outubro, 2011| 8:00 pm


     

    + uma vez Parabéns!!! Maravilhosa a história deste ser humano envolvendo a ciência.

Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

28 de Outubro de 2019

                            Em 2020, o Internacional Uranium Film Festival comemorará uma década. O evento é o único no país dedicado a expor e debater o invisível mundo atômico e seus riscos radioativos. Em quase uma década, o festival reuniu produções cinematográficas de vários […]

Por Revista Moviola

19 de Outubro de 2019

              O longa-metragem Fendas apresenta uma protagonista mulher e paisagens, sons e imagens que envolvem seu trabalho num centro de pesquisas no Rio Grande do Norte. Seus objetos de pesquisa e seu cotidiano se mesclam. A personagem, uma cientista do campo da física, captura imagens de pessoas à distância. […]

Por Marcella Rangel

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Odeon Oscar Poemas Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.