Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Benjamin Button

Benjamin Button


Por

Publicado em 6 de Abril de 2009

Divulgação

Há exatamente oito anos, em mais uma disputadíssima Bienal do Livro carioca, me deparei com o surpreendente Seis Contos da Era do Jazz, de F. Scott Fitzgerald. Não tive dúvidas, comprei o livro. O terceiro conto, O Curioso caso de Benjamin Button trazia uma surpresa “inominável”.  O bom suspense por trás de uma manhã de setembro e um acontecimento marcante: um nascimento e a ansiedade de um pai, o Sr. Roger Button, que “despertou nervosamente, às seis horas, vestiu-se, ajustou ao pescoço uma gravata impecável e seguiu, apressado, pelas ruas de Baltimore, rumo ao hospital, a fim de verificar se uma nova vida não havia surgido em meio à escuridão da noite”. A descrição de Fitzgerald nos faz visualizar uma cadeia de fotogramas precisos.

Já ao assistir o filme de David Fincher – com o título homônimo ao do conto – percebemos que nem o diretor nem o roteirista, Eric Roth, responsável pela adaptação da história, estavam interessados em preservar o que o conto de Fitzgerald tem de melhor: a ironia. Simplesmente transformaram-no em um melodrama.

A criança do filme é uma criatura cuja idade não podemos definir na primeira mirada. No conto, o bebê é descrito como um velho que aparenta cerca de 70 anos, com cabelos ralos, uma longa barba de um branco esfumaçado, olhos turvos e desbotados. A imagem do corpo dele mudou, e muito, no suporte cinematográfico. No filme, descobrimos novos personagens e situações. Isso não é uma novidade quando a literatura vai para o cinema. Nos deparamos com a constatação de que os filmes, em um número considerável de adaptações, não são fiéis aos livros e de que os suportes narrativos são diferentes. Logo, não precisamos entrar na questão de qual obra é a melhor. É interessante, sim, perceber o processo criativo que começa com o livro e resulta no filme.


Música de Alexandre Desplat para o filme

O problema do Curioso Caso de Benjamin Button é que, além da ironia ser deixada de lado, informações e fatos que envolvem os personagens principais desaparecem junto com as rugas de Brad Pitt (Benjamin Button). O conto parece servir apenas como inspiração para o filme de Fincher, que aproveitou o argumento de Fitzgerald para desenvolver uma espécie de narrativa paralela a história original. O cotidiano de Benjamin, mesmo sendo exótico, não tinha tantas aventuras para além dos mares dos Estados Unidos. A adaptação para o cinema cumpre as premissas básicas do roteiro e da estrutura da ação nos padrões de Syd Field, onde cada situação é colocada para o espectador no tempo certo. Há um momento para rir, outro para ficar tenso, um terceiro para chorar. E bimba! Está pronto o melodrama pipoca que mescla o choro do espectador com um romance piegas entre os personagens principais.

Cate BlanchettNo filme prevalece o ponto de vista da companheira de Benjamin, Daisy (Cate Blanchett) – no conto o nome de sua esposa é Hildegarde, que teve com ele um filho, Roscoe. Daisy e Bemajamin tiveram uma filha, Caroline (Julia Ormong), que conhece a história do pai – da velhice à infância por meio das lembranças da mãe. É está que nos faz perceber o tempo, a juventude e a velhice com uma lupa muito especial.

As mulheres têm mais força no filme do que no conto. Aparece ainda na adaptação as personagens Queenie (Taraji P. Henson) – a negra que cuida da criança que o pai abandonou na porta do asilo de idosos onde ela vive; e Elisabeth Abbot (Tilda Swinton), com quem Benjamin descobre a paixão.

Blanchett, de 38 anos, interpreta sua personagem em várias fases. São notáveis o trabalho de maquiagem e os efeitos especiais na atriz, todas as marcas da idade são apagadas de sua face. O ‘botox digital’ a deixa quase irreconhecível. Brad Pitt passa pelo mesmo processo e fica com o rosto liso, delicado e sem a memória do tempo. A alteração do corpo de ambos os torna parecidos com os bonecos Bob e Barbie.

As características de Daisy e Hildegarde são preservadas nos dois suportes narrativos. As duas jovens são adoradas na fase inicial do casamento. Mas, à medida que os anos passaram e o cabelo  mudou o tom, elas deixaram de ser excitantes para Benjamin. No conto, Hildegarde ficou “demasiado assentada, demasiado plácida, demasiado satisfeita, demasiado anêmica em seus estímulos e demasiado sóbria em seus gostos”. Benjamin expõe o desencantamento tanto no filme como no conto. Ele rejuvenesce e se distancia enquanto elas envelhecem.

Outro momento bárbaro da história de Fitzgerald, que não foi para o filme, é quando os moradores de Baltimore supõem que Roscoe é irmão de Benjamin, não seu filho. Eles passam a ser tomados um pelo outro com frequência. O pai torna-se mais jovem que o filho. Um entra na vida adulta, o outro na adolescência. E Roscoe, como seu avô, não quer ver sua família envolvida em escândalo algum. Ele diz para Benjamin: “Quero que você, quando houver visitas, me chame de ‘tio’… Não ‘Roscoe’, mas ‘tio’, compreende? Parece absurdo que um rapaz de quinze anos me chame pelo nome”. Quando Benjamin aparentava 10 anos e brincava com soldadinhos de chumbo nasce seu neto. Cinco anos mais tarde, eles entram no jardim da infância. A juventude desconstrói o personagem e, dessa vez, o flerte do cinema com a literatura rende lágrimas no final.

Veja o trailer do Curioso Caso de Benjamin Button:
YouTube Preview Image



1 Commentário sobre 'Benjamin Button'

  1.  
    Lielle

    29 Dezembro, 2009| 9:57 pm


     

    Sobre o caso de benjamin button eu li uma vez um texto de Charlei Chappelin que ilustrava exatamente tudo o que acontece no filme, falando q ja nascemos velhos e deviamos ir rejuvelhecendo com o tempo, não me lembro onde vi e nem como estava escrito, se alguem sober onde encontar ou se tiver o texto podem me passar por favor?! Fico muito grata.

Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Por Revista Moviola

26 de Fevereiro de 2019

Perigo Por Encomenda (2012), escrito e dirigido por David Koepp, traz ao público a cidade de Nova York como elemento determinante na narrativa e na estética do filme. O longa conta a história de um mensageiro que usa como transporte uma bicicleta (Wilee, interpretado por Joseph Gordon-Levitt) em Manhattan, o personagem precisa entregar, um envelope […]

Por Revista Moviola

21 de Fevereiro de 2019

Garota Sombria Caminha Pela Noite (2014) é um filme baseado em um curta de terror, com roteiro e direção de Ana Lily Amirpour e vencedor do prêmio da Revelação Cartier no Festival de Deauville em 2014. Uma produção realizada por imigrantes iranianos nos Estados Unidos que traz um estilo mesclado entre o horror, a fantasia, […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.