Revista Moviola – Revista de cinema e artes » A Fuga da Mulher Gorila

A Fuga da Mulher Gorila


Por

Publicado em 28 de Janeiro de 2009

A Fuga da Mulher Gorila, 2009, de Felipe Bragança e Marina Meliande.

A Fuga da Mulher Gorila: Escapar para onde?

Em Messidor (1979), de Alain Tanner, duas desconhecidas se unem para errar pela Suíça, sem destino, ponto de chegada ou mesmo percurso definido. Elas adotam todos os comportamentos antissociais possíveis, a fim de se pôrem à margem das leis e da moral aceitas pelo Ocidente europeu cristão: param de trabalhar, roubam, não tomam mais banho, mendigam pelas ruas, insultam física e verbalmente os demais. O enfado civilizatório que surge com a geração hippie se coloca, da mesma forma que a ausência de perspectiva com o término do movimento. Depois de circularem por todo país (bem antes da União Européia), amigas chegam ao impasse: e agora, prosseguir para onde?

A mesma questão aparece em A Fuga da Mulher Gorila. As duas irmãs pegam a estrada de kombi, recolhem ator que deseja conhecer o Rio de Janeiro, organizam show mambembe no qual se transformam em gorila e ameaçam a platéia – o oceano, símbolo do infinito, motiva-as a se lançarem na busca, a desbravarem o caminho, mesmo que ele seja inalcançável. O filme de Felipe Bragança e Marina Meliande pulsa sobre o tênue limite entre a aventura e a melancolia, em virtude da impossibilidade de se concluir a jornada.

A Fuga da Mulher Gorila homenageia (porque absorve e retrabalha) os espetáculos circenses das cidades interiorianas e as velhas marchinhas de carnaval das chanchadas da Atlântida. Musical, o filme é rivettiano: como Paris no Verão, a irrupção brusca das canções rompe com a lógica narrativa pautada pelo naturalismo visual e catapulta ao ambiente os sentimentos retesados das personagens. Flora mantém o olhar inocente, enquanto sua irmã é apenas raiva e saudade: ela abandonou o marido e o filho recém-nascido, largou tudo, fugiu.

Prosseguir para onde? Para lugar algum, talvez. Road-movie, A Fuga da Mulher Gorila se aproxima de Bang-Bang, de Andrea Tonacci – repleto de entradas e saídas, verdadeiras e falsas, intercambiáveis. No emaranhado de alegrias, saudades, raivas, sensações, desesperos, é preciso construir algum sentido, qualquer que seja, para que a vida continue.

Veja a cobertura completa da 12ª Mostra de Cinema de Tiradentes



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 Fest Rio festrio filme França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.