Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Filthy e Orgia

Filthy e Orgia


Por

Publicado em 20 de Novembro de 2008

Filthy, do Coletivo Queer Fiction, 2008, Brasil, 17′ e ORGIA, de Igor Penna, 2008, Brasil, 5′

Este texto é dedicado aos que, porventura, querem saber sobre filmes que levantem… digamos assim… a moral. Daí, vamos fazer um jogo com dois filmes da Mostra Competitiva: Filthy e Orgia.

Vejamos a sinopse de Filthy: Duas garotas descobrem juntas os “prazeres da carne”.

UAU!!!!

ORGIA, de Igor PennaAgora, a de Orgia: Uma ode ao desejo e à diversidade. Baseada na obra teatral homônima de Pier Paolo Pasolini, essa tragicomédia mostra um empresário numa noite decisiva. Ele retorna ao escritório e começa a questionar sua relação com o poder e a diversidade. Depois de beber e filmar um discurso seu, o empresário busca a catarse numa atitude radical em favor da existência, da desobediência e de um mundo comprometido com a luta pela diversidade.

Muito intelectual, não?

Logo, o filme que mais levanta a… digamos… moral é Filthy, certo?

Errado.

As meninas de Filthy transam para valer, e é uma transa que não deveria nada a nenhum filme pornô, se você não brochasse. Motivo: o erotismo, se é que sobra algum, é enterrado pela ânsia de “chocar” a qualquer custo, de “escrachar” de qualquer jeito, sem uma motivação mais forte do que isto e sem talento. Sim, porque até para lidar com os ícones da pornografia e do horror (e tome sangue e tripas à toa) é preciso criatividade e talento. Sem isso, e diante de uma ambientação (cenário e iluminação) claustrofóbica e uma duração interminável (17 minutos que pareciam multiplicados por três – cortesia de uma edição incompetente), Filthy se torna ainda mais insuportável. E ainda mais brochante.

E Orgia? Bem, Orgia é um monólogo de um empresário, que termina com uma atitude radical em sua vida. Eu disse vida? Disse sim – e assista o filme para entender. Basta saber que é um monólogo vigoroso – como disse, baseado em textos de Pier Paolo Pasolini, o mais vigoroso crítico de todos os sistemas limitantes da vida humana. E é justamente a atuação solitária de Fernando Neves o ponto fortíssimo deste filme, que te dá muito tesão – não apenas aquele tesão para aquilo que você está pensando, mas para chutar todos os baldes e paus da barraca que encontrar. Orgia, sim, levanta a sua moral – em todos os sentidos.

Leia ainda outra crítica sobre Filthy

Veja a cobertura completa do 16º Festival Mix Brasil



2 Commentários sobre 'Filthy e Orgia'

  1.  

    2 Dezembro, 2008| 7:20 pm


     

    Se os filmes estão sujeitos à crítica, por que não sujeitar também o texto do crítico ao julgamento? Estaria ele isento da apreciação crítica, ao contrário dos filmes? Vamos comentar os apontamentos escritos por Antonio Paiva Filho sobre o filme FILTHY.
    Não apenas é necessário competência para lidar com os “ícones” do cinema, mas também para realizar uma crítica, e competência é o que carece o texto de Antonio Paiva Filho na sua análise comparativa sobre “filmes que levantam a moral” (nem mesmo ele sabe o significado e a precisão, como indica o “…digamos assim….” que precede o termo “moral”). Um crítico que se propõe analisar um filme de forma séria deveria primeiramente suspender suas pré-noções e preconceitos, o que não é um atributo presente no texto de Paiva Filho. O que transborda na forma de competência e seriedade na análise de Fernando Secco (http://www.revistamoviola.com/2008/09/26/filthy), manifesta-se na forma de pré-conceito, incompetência e imprecisão no texto de Antonio Paiva Filho.
    FILTHY, a partir da sua linguagem experimental, não usa a transgressão e o choque como um fim, mas como um meio de questionar concepções e visões comuns acerca da sexualidade, gênero, desejo e pornografia. Parecia-nos óbvio isso, mas a partir do texto de Paiva Filho é surpreendente o risco de interpretações rasas. Acostumados com narrativas convencionais dentro do cinema, alguns são incapazes de traduzir imagens que desafiam o padrão.
    Num plano mais amplo, FILTHY questiona a visão simplista e reducionista acerca da sexualidade, marcada por dicotomias simples masculino/feminino, pureza/sujeira, inocência/violação, etc., onde tudo que foge ao padrão “asséptico” & heterossexual é considerado desvio ou patológico. A inocência e a pureza representada na cena inicial de FILTHY passa a se misturar com o bizarro e a própria violência, mostrando que não existem papéis monolíticos ou homogêneos dentro da sexualidade. No mesmo corpo a sexualidade pode se manifestar de várias formas, aparentemente antagônicas, mas sempre marcadas por uma heterogeneidade de signos e símbolos. Partimos do princípio de que a sexualidade é uma construção cultural complexa que está além das formas simples geralmente usadas para representá-la. Nesse sentido, FILTHY redefine a questão sobre o que é diversidade sexual e como ela se manifesta nos corpos, procurando romper com o senso-comum.
    FILTHY também desconstrói a forma como convencionalmente o personagem feminino é representado através do cinema e do vídeo (na própria pornografia, inclusive) – reduzida às expectativas e desejo do olhar masculino, destituída da capacidade de protagonismo, a mulher é mostrada como um objeto. Vamos ser francos, o erótico em nossa sociedade é predominantemente definido em função do desejo masculino & hetero-normativo.
    No texto, Paiva Filho apresenta uma concepção estreita e limitada do significado de “erotismo”. Ele julga a distinção erótico/não-erótico a partir da capacidade de causar “excitação”, o que é um tanto grosseiro. Conforme as palavras de Paiva Filho: “As meninas de Filthy transam para valer, e é uma transa que não deveria nada a nenhum filme pornô, se você não brochasse” ou “Filthy se torna ainda mais insuportável. E ainda mais brochante”. Nessa concepção de erotismo defendida por Paiva Filho, a mulher é representada como um objeto que deve obrigatoriamente excitar o espectador, ou não deixá-lo “brochar”. Há muitas lojas & locadoras de vídeos pornográficos em SP, com locação e comércio de pornografia convencional. Aconselhamos que Paiva Filho procure uma, assim ele poderá buscar excitação no conforto de seu lar.
    No cinema em geral, e mesmo na pornografia, sempre se espera que a personagem feminina seja passiva, doce, delicada, subordinada à concepção de “erótico” do homem, enfim, uma criatura inofensiva, excitante e limitada pelos anseios masculinos. FILTHY busca subverter essa representação acerca do feminino, mostrando personagens que são a antinomia da representação feminina comum.
    FILTHY é “anti-erótico”? Não. Ele sabota uma concepção dominante de erotismo que atua de forma excludente, subordinada ao desejo masculino, e que marginaliza a sexualidade da mulher e das minorias. FILTHY faz isso utilizando a paródia e uma pornografia que se aproxima do burlesco. Conforme a feminista queer Judith Butler (2003), a paródia revela um papel subversivo importante, devido ao seu poder de desestabilizar as identidades e normas de sexualidade e gênero, denunciando o caráter artificial de tais identidades e normas. As práticas parodísticas denunciam a ilusão de se tomar os papéis sexuais e de gênero como naturais (principalmente os alinhados com a heterossexualidade), mostrando que tais papéis são construções sociais e de poder.
    FILTHY produz no espectador uma sensação claustrofóbica e de que o tempo do filme é longo? A falta de sensibilidade do crítico Paiva Filho impede-o de compreender o propósito do tempo no filme, construído para intensificar o mal-estar & desconforto psicológico no espectador. Logo, ele deduz que se trata de um problema de “montagem”, já que a crítica leviana é mais fácil que a busca pela compreensão.
    Nós do QUEER FICTION compartilhamos da posição de que a arte, antes de tudo, deve perturbar. FILTHY perturba e isso é inegável. Cabe ao crítico entender a razão disso no lugar de vomitar preconceitos e pré-noções. Por que o sexo, quando mostrado de maneira tão crua, é perturbador? O que é diversidade sexual e erotismo? O que a “pornografia” pode contribuir na reflexão sobre as relações de gênero e diversidade sexual?
    Apesar da incompetência, imprecisão e tom irresponsável do texto do crítico Antonio Paiva Filho sobre o filme FILTHY, num aspecto ele está completamente correto. FILTHY não foi produzido para “…digamos assim… levantar a moral”, mas para destruí-la.
    Citação:
    BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

  2.  
    Charmmyn

    21 Outubro, 2011| 12:09 am


     

    Eu fico com o comentário-resposta da equipe Queer Fiction. Parabéns pelo trabalho!

Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Por Revista Moviola

26 de Fevereiro de 2019

Perigo Por Encomenda (2012), escrito e dirigido por David Koepp, traz ao público a cidade de Nova York como elemento determinante na narrativa e na estética do filme. O longa conta a história de um mensageiro que usa como transporte uma bicicleta (Wilee, interpretado por Joseph Gordon-Levitt) em Manhattan, o personagem precisa entregar, um envelope […]

Por Revista Moviola

21 de Fevereiro de 2019

Garota Sombria Caminha Pela Noite (2014) é um filme baseado em um curta de terror, com roteiro e direção de Ana Lily Amirpour e vencedor do prêmio da Revelação Cartier no Festival de Deauville em 2014. Uma produção realizada por imigrantes iranianos nos Estados Unidos que traz um estilo mesclado entre o horror, a fantasia, […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.