Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Para que Não me Ames

Para que Não me Ames


Por

Publicado em 19 de Novembro de 2008

Para que Não me Ames, de Andradina Azevedo e Dida Andrade, 2008, Brasil, 17′

Para que Não me Ames, de Andradina Azevedo e Dida AndradePara quem não sabe ainda o que são “sociochanchadas”, (definição criada por Andréa Ormond em artigo no seu blog Estranho encontro, sobre a obra-prima Perdida, de Carlos Alberto Prates Correia, vão aí alguns trechos (não resisti):

As sociochanchadas são muito parecidas entre si, em sua quase totalidade produzidas no Rio de Janeiro, com padronização televisiva e de roteiro esquemático sobre a luta de classes nas favelas cariocas ou algum rocambole nos grotões nordestinos. Percebam que o fenômeno pouco difere de outro mais antigo, aquele das pornochanchadas. Apenas trocou-se o sexo pela mensagem social, pelo engagée politicamente correto.

Uma segunda diferença fundamental é que as pornochanchadas foram feitas com as promissórias de Antonio Polo Galante e Alfredo Palácios. Caso dessem errado, o produtor falia e tinha que passar uns tempos escondido em Mongaguá. Já as sociochanchadas chegam pagas ao público, não oferecendo o mínimo risco aos realizadores, mesmo que apenas três espectadores as testemunhem.

Nem precisamos citar o título de alguma sociochanchada. Como todo fenômeno bárbaro, elas estão por aí, tomando cada vez mais espaço. Basta consultar a lista dos filmes em cartaz ou ler a sinopse dos projetos que buscam patrocínio.

Podemos dizer, sim, que vozes distoantes são O Cheiro do Ralo, Amarelo Manga, Jogo Subterrâneo, Crime Delicado, o novo do Mojica; filmes que provam a existência de uma outra maneira de se fazer cinema, longe da indústria oportunista que se criou em volta deste hábito sociochanchadeiro.

Infelizmente, o estrago se faz visível: o cinema nacional hoje vive o paradoxo de mobilizar milhões de reais para produzir resultados artísticos e comerciais pífios. Um discurso de tolerância crescente realimenta o ciclo, fazendo-se de conta que dezenas de tentativas muito parecidas entre si nada guardam em comum.

Está certo, o cinema brasileiro tem que encarar o real, encarar a violência urbana e suas conseqüências. Mas estas “sociochanchadas” e sua mania de chuchar à bordalesa pela realidade já estão enchendo o saco…

Andréa propõe que o remédio para tais gorduras seja o jeito Prates de fazer cinema, e eu concordo em gênero, número e grau. Mas outros realizadores preferem buscar inspiração no olhar rascante de Plínio Marcos sobre esta situação – e eu acho que também é uma saída boa e mais honesta que estas sociochanchadas. Basta ver Para que não me ames, de Andradina Azevedo e Dida Andrade (FAAP).

Ainda que se negue — ou que não se tenha consciência disso —, nota-se uma certa inspiração em Plínio Marcos, especialmente em Barrela e A mancha roxa, na relação amorosa entre dois presos, Marisco (Bruno Giordano) e o travesti Vivita (na verdade, uma atriz, Alice Magna). O preto-e-branco forte (recurso que parece recorrente entre os filmes mais interessantes do festival) dá mais força a este filme intenso e lírico em sua brutalidade.

E pode dizer, com orgulho: “sociochanchada” é o cacete!

Veja a cobertura completa do 16º Festival Mix Brasil



1 Commentário sobre 'Para que Não me Ames'

  1.  
    Carlos Ballys

    1 Dezembro, 2008| 10:26 am


     

    para que não me ames é sem duvida o melhor curta de 2008, gostaria de conhecer mais sobre os diretores…

Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio filme França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.