Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Um Conto de Natal

Um Conto de Natal


Por

Publicado em 9 de Outubro de 2008

Un Conte de Noël, de Arnaud Desplechin, 2008, França.

Como escrever sobre filme que, de fato, não passou? A terrível cópia em que se exibiu Um Conto de Natal representa o ponto mais baixo do Festival do Rio 2008. No entanto, a qualidade e a importância do último longa-metragem de Arnaud Desplechin tornam a revisão crítica fundamental.

O pai que reúne a família para o natal se chama Abel – nome bíblico, primeiro filho de Adão e Eva. O que aconteceria se Abel não fosse morto pelo irmão? Como lhe seriam os descendentes, no lugar dos herdeiros de Caim?

Junon necessita de transplante urgente de medula para sobreviver. Contudo, somente o filho Henri pode doá-la. Ambos se detestam, a ponto de ele não falar “mãe”, e sim “a mulher de meu pai”. O personagem de Mathieu Amalric é a ovelha negra da família, uma vez que a irmã mais velha o baniu e lhe proíbe que conviva com os demais parentes.

Em Um Conto de Natal, Arnaud Desplechin readiografa a supremacia do matriarcado. Junon, Elizabeth e Sylvia são mulheres fortes, que exercem o poder sobre os familiares e os controlam, ao passo que Ivan, Simon e Paul encarnam homens fracos e dependentes. Mesmo Henri, que se revolta contra a mãe e a irmã e contesta a ordem feminina estabelecida (de modo que termina expulso), tem as lembranças da ex-esposa, que faleceu logo após o casamento, para atormentá-lo. Somente Faunia, namorada de Henri, escapa do círculo destrutivo que invade a casa: ela não quer detalhes sobre a família e, de origem judaica, não se interessa pelo natal.

Faunia não paticipa da festa cristã que celebra o nascimento de Jesus, pois Desplechin já a retirara da narrativa. Um Conto de Natal, desde o título, lida com a religião – Henri se declara o único católico da família, Simon diz aos sobrinhos que Cristo não existe. Porém, se não há Messias, não há salvação ou vida eterna, restam apenas momentos fugazes de corpos ainda mais efêmeros: tudo não passa de mito, histórias que se criam para, através da morte, garantir a organização social. Quando as lendas perdem a capacidade de difundir o medo e a descrença se estabelece, mesmo a família se torna suscetível ao caos.

Arnaud Desplechin, em Um Conto de Natal, conecta religião e poder. É preciso acreditar no ritual natalino e reencená-lo, da mesmo forma que se deve confiar no transplante que salvará Junon, contra todas as probabilidades matemáticas – ainda que, nos dois casos, saiba-se de antemão da farsa. Trata-se da “lógica do Papai Noel”, em que se crê, embora ele não exista, pois importa que os filhos se submetam aos pais, que a família se mantenha coesa e sem contestações internas. Todavia, se no filme as mulheres dominam os homens, estes ao mesmo tempose deixam controlar: leitura fassbinderiana dos jogos de poder que ocorrem nas dinâmicas afetivas, nas quais se invertem as relações entre vítimas e carrascos. O matriarcado se impõe porque o sexo masculino assim o consente, já que se utiliza da própria fraqueza para se fazer dependente e centro das atenções (Paul, que tenta o suicídio e obriga que Elizabeth lhe cuide integralmente).

Apesar da péssima cópia, que exterminou a definição, as cores e o scope da fotografia, Um Conto de Natal não apenas guarda, como também exacerba as características de Arnaud Desplechin. O filme trabalha com mais personagens, temas e enredos do que parede dar conta – mas que acompanham o ritmo intenso e feérico da soberba performance de Mathieu Amalric. E a seqüência da carta de Reis e Rainha está de volta: com a mesma sinceridade cortante, os familiares de Um Conto de Natal confessam diretamente para a câmera segredos indevassáveis e incômodos, repletos de amargura, raiva e frustração. Eles não pedem, no entanto, que sejam aceitos ou compreendidos – só desejam que os escutemos, com a franqueza com que nos dirigem a palavra.

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2008



1 Commentário sobre 'Um Conto de Natal'

  1.  
    Thadeu

    13 Julho, 2009| 1:20 pm


     

    Excelente revisão crítica. O que me chamou a atenção neste filme, está claramente exposto acima, os jogos de poder dentro dessa família. Henri é a desestabilização, a cena em que desce pelos muros externos da casa mostra bem a sua função: está o tempo todo tentando penetrar nessa muralha, mas só consegue ficar pelas bordas. Abraço

Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Por Revista Moviola

26 de Fevereiro de 2019

Perigo Por Encomenda (2012), escrito e dirigido por David Koepp, traz ao público a cidade de Nova York como elemento determinante na narrativa e na estética do filme. O longa conta a história de um mensageiro que usa como transporte uma bicicleta (Wilee, interpretado por Joseph Gordon-Levitt) em Manhattan, o personagem precisa entregar, um envelope […]

Por Revista Moviola

21 de Fevereiro de 2019

Garota Sombria Caminha Pela Noite (2014) é um filme baseado em um curta de terror, com roteiro e direção de Ana Lily Amirpour e vencedor do prêmio da Revelação Cartier no Festival de Deauville em 2014. Uma produção realizada por imigrantes iranianos nos Estados Unidos que traz um estilo mesclado entre o horror, a fantasia, […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.