Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Velha Juventude

Velha Juventude


Por

Publicado em 25 de Setembro de 2008

Youth Without Youth, de Francis Ford Coppola, 2007, Romênia / França / Itália.

Durante tempestade, raio atinge o professor universitário Dominic Matei, que rejuvenesce inexplicavelmente mais de trinta anos. Há uma década longe das telas, Francis Ford Coppola retorna com Velha Juventude – roteiro que o próprio diretor adaptou do romance de Mircea Eliade – que, da premissa fantástica, desenvolve-se em contraponto à verticalidade e ao naturalismo da linguagem cinematográfica.

Membro da geração easy rider / raging-bull (jovens cineastas autorais que, nos anos 70, salvaram a quase falida indústria de Hollywood), Francis Ford Coppola possui carreira das mais erráticas. Após o estrondoso sucesso de bilheteria e os nove Oscars de O Poderoso Chefão e O Poderoso Chefão – Parte 2 (que ressuscitaram o cinema de gênero), Coppola enfrentou a bancarrota de sua produtora, a Zoetrope, na década de 80, em virtude os altos custos e dos fracassos comerciais de Cotton Club, O Fundo do Coração, O Selvagem da Motocicleta. A partir dos anos 90, enquanto dirigia produções sob encomenda (Jack, O Homem que Fazia Chover) para financiar a própria vinícula na Califórnia, tentava atrair investidores ao longamente acaletado projeto Megalópolis – ao mesmo tempo em que seus filhos (em especial Sofia Coppola) surgiam atrás das câmeras. Do abandono de Megalópolis, nasceram Velha Juventude e Tetro – que o cineasta filma na Argentina -, co-produções internacionais que garantem independência artística a Coppola.

Velha Juventude se compõe de dois filmes. No primeiro, Francis Ford Coppola dialogo com o thriller de espionagem clássico dos anos 40 – sobretudo com Fritz Lang. Assim, na Segunda Guerra Mundial, Dominic Matei se torna alvo dos nazistas, que pretendem estudá-lo para descobrir as causas do estranho rejuvenescimento. A resolução da narrativa (com o assassinato do cientista que o perseguia), levam o herói para o exílio na Inglaterra, onde começa a segunda parte da obra, diversa da anterior: entra em cena Verônica, que não apenas relembra Laura – por quem Matei se apaixonou na juventude -, como também reencarna mulheres do passado longínqüo (Índia, Egito, Suméria), que regridem mais e mais no tempo em direção às origens da linguagem humana.

Coppola enlaça os personagens no amor impossível com que já trabalhara em O Fundo do Coração (entre Hank e Frannie), em O Poderoso Chefão – Parte 3 (os primos Vincent e Mary) e em Drácula de Bram Stoker (Drácula e Mina, a qual, como Laura / Verônica, remete à esposa morta do Conde, Elisabeta), uma vez que a proximidade de Dominic significa o envelhecimento e a morte de Verônica. Para Matei, que tem como projeto de vida catalogar todas as línguas faladas pelo homem desde os primódios da civilização, Verônica representa a chance de investigá-las diretamente (e a postura do herói não se diferencia da que os nazistas lhe dispensaram). Porém, de acordo com o Princípio da Incerteza de Heisenberg, a medição precisa do objeto está condenada ao fracasso, pois qualquer interferência sobre o mesmo altera os resultados do estudo.

A impossibilidade do amor em Velha Juventude precipita a tragédia e leva Coppola a enveredar definitivamente pela fábula e pela narrativa fantástica. Se o herói vasculha os fundamentos da linguagem humana, o cineasta se detém nos da gramática cinematográfica – mas, ao contrário da histórica bíblica da Torre de Babel, sua procura das origens não aponta para convenções unificadas, homogêneas e totalizantes, e sim para fraturas, ruídos, práticas múltiplas que resultam em estranhamento e quebra do código estabelecido. Francis Ford Coppola se alia aos excessos da imagem: em Velha Juventude, planos de cabeça para baixo, cenários fake, campo / contracampo com o mesmo personagem, quadros monocromáticos (que abusam do azul, do vermelho e do verde, sobretudo) trazem o cinema de volta à potência inicial dos anos de formação.

Com Velha Juventude, ao questionar a própria linguagem, Francis Ford Coppola arrisca. Que não se cobre correção e transparência do filme: ele é opaco, tortuoso, falho e oblíquo – mas igualmente rico, inspirado e transbordante enquanto cinema.

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2008



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

28 de Outubro de 2019

                            Em 2020, o Internacional Uranium Film Festival comemorará uma década. O evento é o único no país dedicado a expor e debater o invisível mundo atômico e seus riscos radioativos. Em quase uma década, o festival reuniu produções cinematográficas de vários […]

Por Revista Moviola

19 de Outubro de 2019

              O longa-metragem Fendas apresenta uma protagonista mulher e paisagens, sons e imagens que envolvem seu trabalho num centro de pesquisas no Rio Grande do Norte. Seus objetos de pesquisa e seu cotidiano se mesclam. A personagem, uma cientista do campo da física, captura imagens de pessoas à distância. […]

Por Marcella Rangel

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Odeon Oscar Poemas Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.