Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Linha de Passe

Linha de Passe


Por

Publicado em 13 de Setembro de 2008

No jogo de futebol, linha de passe é a troca de bola entre os jogadores de um mesmo time. É um conceito que está em seu cerne, arraigado no ideal de cooperação mútua em prol da vitória do grupo. A linha de passe é o momento em que o jogador olha para o outro, em que abdica da posse da bola imbuído pelo ideal da coletividade.

Linha de Passe, de Walter Salles e Daniela Thomas

No novo filme de Walter Salles e Daniela Thomas, o jargão futebolístico é título e metáfora para o olhar que o longa-metragem faz acerca da periferia paulistana. Linha de Passe trata exatamente da relação entre anonimato, identidade e cooperação que permeia seus personagens.

É assim que o filme vai narrar a história de uma família que vive em Cidade Líder, periferia de São Paulo. Cleusa tem quatro filhos e está grávida do quinto. Interpretada por Sandra Corveloni – ganhadora, com este papel, do prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes -, a personagem trabalha como doméstica e é apaixonada por futebol.

Seus filhos são a essência do filme. São os quatro fragmentos que pulverizam e unificam a trama. Um deles é Dario (Vinícius de Oliveira, a criança de Central do Brasil), que assim como a mãe tem predileção pelo futebol. Ele quer se tornar jogador profissional, mas, prestes a completar 18 anos, sabe que suas chances serão soterradas com a idade adulta. “O tempo é duro com o atleta”, ratifica um potencial empregador.

Dinho (José Geraldo Rodrigues) é frentista de um posto de gasolina. Hoje evangélico fervoroso, deixou para trás um passado obscuro. Dedica-se a sua fé com exemplar zelo e ajuda o pastor nos afazeres cotidianos da igreja.

Dênis é o irmão mais velho. Trabalha como motoboy, tem um filho e luta para poder conquistar algo nas ruas de São Paulo.

Reginaldo (Kaique Jesus Santos) é o caçula. Meio-irmão dos outros, não conheceu o pai. Negro em uma família de brancos, sente-se distante deles. Cleusa esconde a identidade do pai, mas Reginaldo o procura entre os ônibus da metrópole. A única informação que tem sobre o genitor é sua profissão: motorista de ônibus. Reginaldo passa horas do dia viajando dentro da cidade, observando os condutores, procurando alguma identificação.

Com Linha de Passe, Walter Salles e Daniela Thomas voltam a olhar o Brasil, a tentar – assim como fizeram em Terra Estrangeira e no O Primeiro Dia – traçar um entendimento sobre o país. Mas se em Terra Estrangeira havia a noção de repulsa pela terra natal, de busca da felicidade em outro lugar (numa terra distante), neste Linha de Passe o que há é a tentativa de reinvenção, de auto-resignificação. Transformação.

E a transformação para eles está coadunada com a noção de identidade, visibilidade. Em outra palavra, talvez, dignidade. Seja a de Reginaldo que necessita ser reconhecido e reconhecer o pai (negro como ele); seja a de Dinho, que se entrega na religião para ser visto por Deus, que se dedica a cada culto a testemunhar um milagre que nunca chega; seja a de Dênis, que anônimo como todos os milhares de motoboys de São Paulo, cruza a cidade em busca de uma sustentabilidade que não alcança e, pior, sabe que não alcançará; seja a de Dario, que almeja vestir a camisa de um time de segunda divisão, fazer gols, ouvir seu nome na boca dos torcedores.

O filme constrói, assim, o dia-a-dia dessa família na tentativa de quebrar com uma barreira que a deixa à margem. Pontua e sinaliza as poucas esperanças que pessoas como eles têm em alcançar algum status além daquele que lhes foi dado ao nascer.

Dentro desse viés, o longa-metragem apresenta um roteiro sem o maniqueísmo pungente de produções nacionais contemporâneas. Sua periferia é formada por pessoas que carregam suas belezas, suas amarguras, seus defeitos, seus crimes. Enfim, seus personagens nos são apresentados como pessoas com carne e sangue, algo bem distante dos estereótipos pós Cidade de Deus. Se alguém ainda não entende o porquê das críticas dirigidas contra o filme Tropa de Elite, basta assistir a esse Linha de Passe para perceber que o ser humano tem mais facetas do que José Padilha (diretor do Tropa) poderia imaginar.

Mas o cinema de Walter Salles é redentor. Sempre foi. Mesmo em situações limites, seus filmes sempre apontam para uma saída ou, como já sinalizado aqui, para uma transformação. Em Terra Estrangeira, Central do Brasil, Abril Despedaçado, O Primeiro Dia ou Diários de Motocicleta, há sempre uma conclusão que aponta para alguma esperança, para algum outro patamar. É por isso que na resolução de Linha de Passe seus personagens alcançam, cada um a sua maneira (cada um na sua história), um novo paradigma.

Eles não rompem com seu status social, mas alcançam alguma plenitude que justifica o título, porque é no olhar do outro e só apenas após o reconhecimento do outro, que podem ser encarados como um indivíduo.

YouTube Preview Image



1 Commentário sobre 'Linha de Passe'

  1.  
    Fernando Secco

    18 Outubro, 2008| 9:54 pm


     

    Algumas das melhores atuações dos últimos anos. E não falo isso por causa da Sandra. Até o ladrão do posto é primoroso.

Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

28 de Outubro de 2019

                            Em 2020, o Internacional Uranium Film Festival comemorará uma década. O evento é o único no país dedicado a expor e debater o invisível mundo atômico e seus riscos radioativos. Em quase uma década, o festival reuniu produções cinematográficas de vários […]

Por Revista Moviola

19 de Outubro de 2019

              O longa-metragem Fendas apresenta uma protagonista mulher e paisagens, sons e imagens que envolvem seu trabalho num centro de pesquisas no Rio Grande do Norte. Seus objetos de pesquisa e seu cotidiano se mesclam. A personagem, uma cientista do campo da física, captura imagens de pessoas à distância. […]

Por Marcella Rangel

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Odeon Oscar Poemas Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.