Revista Moviola – Revista de cinema e artes » O tiro da bazuca contracultural

O tiro da bazuca contracultural


Por

Publicado em 2 de Junho de 2008

huntersthompson.jpg“Uma noite, no inverno de 1965, eu levei a minha moto – e um passageiro – pro lado mais alto de uma estrada escorregadia por causa da chuva ao norte de Oakland. Eu entrei numa curva obviamente perigosa a uns 110 Km/h, esticando a minha segunda marcha. A pista molhada impediu que eu inclinasse o suficiente para compensar a tremenda inércia e, em algum lugar no meio da curva, percebi que a roda traseira não estava mais seguindo a dianteira. A moto estava indo para o lado na direção de uma rampa de trilho de uma ferrovia e não havia nada que pudesse fazer a não ser esperar. Por um instante, a sensação era de muita paz… E depois foi como ser atirado para fora da estrada por uma bazuca, mas sem nenhum barulho.”

O trecho acima, do livro Hell’s Angels, em que o jornalista e escritor Hunter S. Thompson narra como se esbagaçou em sua moto – chegando no pronto-socorro “com o couro cabeludo caindo nos olhos e uma camisa encharcada de sangue grudada no peito” – pode ser considerado como uma síntese de duas modalidades de jornalismo surgidas quase que no mesmo período e profundamente inspiradas pelo movimento de contra-cultura das décadas de 50 e 60: o Novo Jornalismo e o Gonzo Jornalismo. Mas Hell’s Angels (publicado por aqui em 2004, pela Conrad), por ser uma espécie de obra de transição de Thompson, ajuda a demonstrar mais do que isso: explica as diferenças entre o Novo Jornalismo e o Gonzo e explica porque foi ele, Thompson, – e não Capote, Talese ou Mailer, por exemplo – quem levou a contracultura às últimas conseqüências em sua obra jornalístico-literária.

hellsangels_hunter.jpgO livro foi publicado originalmente em 1967 nos Estados Unidos e trata, claro, dos grupos ou gangues de Hell’s Angels, que na década de 60 foram alvo de grande estardalhaço por parte da imprensa americana e povoaram o imaginário da população do país como perigosos malfeitores. E, na verdade, não eram mesmo sujeitos lá muito amigáveis. Thompson, no entanto, desvenda os exageros e mitos criados pela imprensa da época a respeito deles e explica como surgiram e o que eram essas gangues de motoqueiros formadas por sujeitos que estavam à margem do Sonho Americano, tinham as motocicletas como elemento simbólico constitutivo de sua identidade de grupo e eram conhecidos pelo estilo violento e errante. Mas o grande lance é que o livro não é um amontoado de relatos de segunda mão – como tão freqüentemente costuma continuar a ser o jornalismo – nem uma tese de antropologia, apesar de ser tão profundo quanto uma e com certeza muito mais vibrante. Hell’s Angels é um livro feito a partir de uma técnica chamada “imersão na realidade” ou “captação participativa”.

Isso quer dizer simplesmente que, para escrever sobre os caras, Thompson praticamente virou um deles: passou a conviver com eles diariamente durante cerca de um ano, a rodar em cima de sua própria motocicleta e ver pessoalmente como eles viviam e o que faziam. Até aí se trata da mesma técnica fundamental do Novo Jornalismo, que incluía, ainda, outros procedimentos constitutivos: 1.) a construção cena a cena, ou seja, contar a história passando de cena para cena, através do texto narrativo; 2.) o registro de diálogos completos entre os personagens reais; 3.) o ponto de vista da terceira pessoa, o que proporciona inclusive o registro de reações emocionais e pensamentos dos personagens; 4.) e o registro dos gestos, hábitos, maneiras, costumes, estilos de mobília, roupas, decoração, maneiras de viajar, comer e outros muitos detalhes simbólicos do dia-a-dia que possam existir dentro de uma cena. Não é preciso dizer que tudo isso só é possível graças à tal imersão na realidade e que a fonte natural dessa nova forma de fazer jornalismo era o velho e bom Realismo.

Mas a novidade que isso tudo trazia era que os novos jornalistas estavam dizendo: “vejam, isso é jornalismo, mas também é literatura”. Porque os textos tinham qualidade literária e se utilizavam das técnicas da narrativa literária. Como se não bastasse essa afronta aos limites comportados e bem assentados que separavam os dois campos – Jornalismo e Literatura – eles, e também Hunter Thompson, se atreveram a registrar os movimentos sociais e personagens de um mundo em ebulição política e comportamental, coisa que a literatura do período, em grande medida imersa em questões formalistas, não vinha fazendo. E tudo isso era feito sem os filtros da grande imprensa, sem o crivo opinativo das fontes oficiais sobre cada um dos fatos e fenômenos. Assim como faziam todos os movimentos influenciados pela contra-cultura, também aqui o discurso oficial, o discurso do status quo – quer fosse de esquerda ou de direita – era profundamente questionado, através de narrativas que proporcionavam compreensões muito mais amplas do real.

medoedelirio.jpgA transcrição no início deste artigo demonstra, antes de tudo, até que ponto Thompson estava disposto a ir em sua imersão na realidade. A título de ilustração, basta dizer que, em outro trecho da obra, ele é surrado por um grupo de Hell’s Angels. Mas o cara ainda extrapolaria ainda mais na “imersão” e é aí que se encontra a pedra de toque que iria distingui-lo dos novos jornalistas. Thompson terminaria por se tornar o protagonista de suas histórias, invertendo completamente a lógica jornalística. Isso fez com que inclusive outras características – presentes em Hell’s Angels – se exacerbassem depois, em livros como Medo e Delírio em Las Vegas (1972). Dentre elas está 1.) a utilização do narrador em primeira pessoa, 2.) o consumo de drogas e a descrição dos acontecimentos a partir deste ponto de vista, 3.) o uso do sarcasmo e/ou vulgaridade como forma de humor, 4.) a dificuldade de discernir ficção de realidade e 4.) a tendência de se distanciar do assunto principal ou do assunto por onde o texto começou, ou seja, o mote jornalístico inicial.

Thompson teve colhões suficientes para, primeiro, renegar o jornalismo convencional – e simultaneamente afrontar os literatos. Mas isso já havia sido feito pelos novos jornalistas. Ele, então, resolveu ir além do que se faziam no Novo Jornalismo e foi fundo na subjetividade, a ponto de mandar a regra número um do jornalismo, a referencialidade, pras cucuias. Sua obra foi parar num limbo entre jornalismo e literatura e literatura confessional, confrontando, ao mesmo tempo, as regras de todos eles e demonstrando quão frágeis podem ser vários de seus parâmetros. Assim como queriam vários dos movimentos contraculturais, ele consegue questionar discursos sociais (nos quais se incluem discursos profissionais também) cristalizados e desfazer determinados limites ou linhas divisórias pré-estabelecidas pela tradição. É claro que tudo isso teve seu preço, que pode ter a ver com a sua morte por suicídio, com um tiro na cabeça, em fevereiro de 2005, há três anos.

tracejado.jpg

Yuri Borges é jornalista. Texto publicado originalmente no e-zine Disruptores.



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

28 de Outubro de 2019

                            Em 2020, o Internacional Uranium Film Festival comemorará uma década. O evento é o único no país dedicado a expor e debater o invisível mundo atômico e seus riscos radioativos. Em quase uma década, o festival reuniu produções cinematográficas de vários […]

Por Revista Moviola

19 de Outubro de 2019

              O longa-metragem Fendas apresenta uma protagonista mulher e paisagens, sons e imagens que envolvem seu trabalho num centro de pesquisas no Rio Grande do Norte. Seus objetos de pesquisa e seu cotidiano se mesclam. A personagem, uma cientista do campo da física, captura imagens de pessoas à distância. […]

Por Marcella Rangel

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Odeon Oscar Poemas Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.