Revista Moviola – Revista de cinema e artes » O parto do tempo

O parto do tempo


Por

Publicado em 2 de Junho de 2008

O parto do tempo

Uma vez eu quis beber o céu,
Mastigar meteoros e engolir estrelas
E por mais que quisesse
Por muito de espaço que abrisse
Permaneço escura por dentro,
Feita silêncio ante o vácuo.
Desta vez eu sei: não se bebe luz.
Mas cada tempo que mingua,
Pare outro enquanto cessa.
Se algo há de brilhar em mim,
Sejam universos que habito
E cintilo no espelho da pele
Como se dentro houvesse galáxias…


Poema onírico

O despertador indiscreto
Metralha música em meu ouvido.
O chuveiro elétrico molha o sono,
A louça tilinta na pia,
Os carros compactam o asfalto.
O trabalho, as horas, as contas,
A escola, a feira, o cansaço…
Minha imagem segue,
Meu duplo faz.
Eu, em convulsão, contemplo.
Já entregue, amolecida,
Vivo em paralelo
Um amor, este poema,
A beleza da garoa sobre o rio
Quando a lua nem sequer
Lembra de mim.

tracejado.jpg

Josimey Costa é jornalista, escritora, ensaísta, videomaker e professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. É autora do ensaio Escritura lavrada em pauta e alinhavos de fé, no livro Jornalismo e literatura: a sedução da palavra, e co-organizou a obra Complexidade à flor da pele: ensaios sobre ciência, cultura e comunicação.



5 Commentários sobre 'O parto do tempo'

  1.  
    ana claudia matos

    9 Junho, 2008| 12:36 am


     

    Parabéns!!! Lindos poemas, fragmentos de sentimentos…à flor da pele.
    A lua se lembra sim; tanto que lhe inspira…cintila e ilumina dentro de você.
    Um cheiro,
    AC

  2.  
    Marilia Estevão

    9 Junho, 2008| 9:13 am


     

    Bem legal o blog, Josy. Mas gostei mesmo das suas poesias. Minha relaçao com o cosmo nunca chegou a ser tão… digamos…antropogágica.
    Mas…
    Eu já quis abraçar o universo
    com meus pobres braços.
    Cada pedaço dele foi escorregando…
    caindo…
    se perdendo no caminho
    que nem compra de supermercado em saco furado.
    Dei sorte de ter ficado com um pouquinho dele – na verdade,
    o que me cabia,
    o que eu merecia.
    O que não fugiu do meu abraço,
    é hoje onde eu me reconheço.
    É como recomeço todos os dias.
    É o meu regaço.

    Beijos,

    Marilia.

  3.  
    Marilia Estevão

    9 Junho, 2008| 9:15 am


     

    Ei, quis dizer antropofágica (meus dedos são um pouco gagos).

  4.  
    Rejane Guedes

    9 Junho, 2008| 10:56 pm


     

    Intenso e profundo são as palavras que chegaram ao meu pensamento quando li o primeiro poema.Tão denso e ao mesmo tempo tão leve. Me fez voar e me embriagar com estrelas luminosas.
    No segundo irresistevelmente identifiquei-me . Sempre apressada, sempre habitando 2 universos [ Um das coisas comuns, o outro das relações complexas que compõem minha essência] . Mas acho que a lua sempre lembra de nós , tremendas sonhadoras. Infelizmente é a nossa pressa que não percebe essa lembrança.

  5.  
    Andréa Brenha

    3 Janeiro, 2009| 9:06 pm


     

    Não sabia de mais esse dote da professora, mas que lindos versos!

Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Por Revista Moviola

26 de Fevereiro de 2019

Perigo Por Encomenda (2012), escrito e dirigido por David Koepp, traz ao público a cidade de Nova York como elemento determinante na narrativa e na estética do filme. O longa conta a história de um mensageiro que usa como transporte uma bicicleta (Wilee, interpretado por Joseph Gordon-Levitt) em Manhattan, o personagem precisa entregar, um envelope […]

Por Revista Moviola

21 de Fevereiro de 2019

Garota Sombria Caminha Pela Noite (2014) é um filme baseado em um curta de terror, com roteiro e direção de Ana Lily Amirpour e vencedor do prêmio da Revelação Cartier no Festival de Deauville em 2014. Uma produção realizada por imigrantes iranianos nos Estados Unidos que traz um estilo mesclado entre o horror, a fantasia, […]

Por Revista Moviola

18 de Setembro de 2018

O curta documentário Ilha das Flores, lançado no ano de 1989, dirigido por Jorge Furtado, com a duração de 13 minutos, cria no espectador, nos seus primeiros cinco minutos, a sensação de que se vai assistir a uma comédia. As imagens, em sequências rápidas e a voz off do ator Paulo José, levam o público a […]

Por Revista Moviola

13 de Setembro de 2018

  Elena (2012) tem um tom extremamente pessoal por narrar a triste história da irmã mais velha da diretora que dá nome ao filme. O documentário aborda a forte relação entre a personagem e Petra Costa, mostrando a depressão e as fraquezas vividas por Elena (sua irmã mais nova), pelo desejo de ser atriz. O filme […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.