Revista Moviola – Revista de cinema e artes » O parto do tempo

O parto do tempo


Por

Publicado em 2 de Junho de 2008

O parto do tempo

Uma vez eu quis beber o céu,
Mastigar meteoros e engolir estrelas
E por mais que quisesse
Por muito de espaço que abrisse
Permaneço escura por dentro,
Feita silêncio ante o vácuo.
Desta vez eu sei: não se bebe luz.
Mas cada tempo que mingua,
Pare outro enquanto cessa.
Se algo há de brilhar em mim,
Sejam universos que habito
E cintilo no espelho da pele
Como se dentro houvesse galáxias…


Poema onírico

O despertador indiscreto
Metralha música em meu ouvido.
O chuveiro elétrico molha o sono,
A louça tilinta na pia,
Os carros compactam o asfalto.
O trabalho, as horas, as contas,
A escola, a feira, o cansaço…
Minha imagem segue,
Meu duplo faz.
Eu, em convulsão, contemplo.
Já entregue, amolecida,
Vivo em paralelo
Um amor, este poema,
A beleza da garoa sobre o rio
Quando a lua nem sequer
Lembra de mim.

tracejado.jpg

Josimey Costa é jornalista, escritora, ensaísta, videomaker e professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. É autora do ensaio Escritura lavrada em pauta e alinhavos de fé, no livro Jornalismo e literatura: a sedução da palavra, e co-organizou a obra Complexidade à flor da pele: ensaios sobre ciência, cultura e comunicação.



5 Commentários sobre 'O parto do tempo'

  1.  
    ana claudia matos

    9 Junho, 2008| 12:36 am


     

    Parabéns!!! Lindos poemas, fragmentos de sentimentos…à flor da pele.
    A lua se lembra sim; tanto que lhe inspira…cintila e ilumina dentro de você.
    Um cheiro,
    AC

  2.  
    Marilia Estevão

    9 Junho, 2008| 9:13 am


     

    Bem legal o blog, Josy. Mas gostei mesmo das suas poesias. Minha relaçao com o cosmo nunca chegou a ser tão… digamos…antropogágica.
    Mas…
    Eu já quis abraçar o universo
    com meus pobres braços.
    Cada pedaço dele foi escorregando…
    caindo…
    se perdendo no caminho
    que nem compra de supermercado em saco furado.
    Dei sorte de ter ficado com um pouquinho dele – na verdade,
    o que me cabia,
    o que eu merecia.
    O que não fugiu do meu abraço,
    é hoje onde eu me reconheço.
    É como recomeço todos os dias.
    É o meu regaço.

    Beijos,

    Marilia.

  3.  
    Marilia Estevão

    9 Junho, 2008| 9:15 am


     

    Ei, quis dizer antropofágica (meus dedos são um pouco gagos).

  4.  
    Rejane Guedes

    9 Junho, 2008| 10:56 pm


     

    Intenso e profundo são as palavras que chegaram ao meu pensamento quando li o primeiro poema.Tão denso e ao mesmo tempo tão leve. Me fez voar e me embriagar com estrelas luminosas.
    No segundo irresistevelmente identifiquei-me . Sempre apressada, sempre habitando 2 universos [ Um das coisas comuns, o outro das relações complexas que compõem minha essência] . Mas acho que a lua sempre lembra de nós , tremendas sonhadoras. Infelizmente é a nossa pressa que não percebe essa lembrança.

  5.  
    Andréa Brenha

    3 Janeiro, 2009| 9:06 pm


     

    Não sabia de mais esse dote da professora, mas que lindos versos!

Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.