Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Muro

Muro


Por

Publicado em 2 de Junho de 2008

O curta-metragem Muro, do pernambucano Tião (Bruno Bezerra), voltou de Cannes com um representativo prêmio na bagagem. Escolhido para exibição na Quinzena dos Realizadores, mostra paralela que ocorre durante o festival, o filme recebeu a honraria Regard Neuf (novo olhar) – instituído pela primeira vez nessa última edição.

muro.jpg

Muro foi um dos quatro curtas-metragens brasileiros selecionados para a 61ª edição do festival, que aconteceu de 14 a 25 de maio. A Revista Moviola conversou antes do festival com Tião e com a carioca Fernanda Teixeira, diretora do curta-metragem A Espera. Além deles, nessa edição também foram selecionados do Brasil os curtas O Som e o Resto, do também carioca André Lavaquial e Areia, do paulista Caetano Gotardo.

Muro estreou em Cannes. Sua primeira exibição pública foi a que lhe rendeu o que será, muito provavelmente, o mais importante prêmio da carreira do filme. Uma semana antes de começar o festival, Tião estava às voltas no Rio de Janeiro com a finalização do curta-metragem. Filmado em super 16mm, o filme passou por uma ampliação para 35mm em formato cinemascope. É um processo caro, que somado a todos os outros tantos gastos da produção, contabilizou um total de R$ 120 mil.

O financiamento veio de editais de incentivo dados pela prefeitura de Recife e pelo governo de Pernambuco, além de um outro para a finalização. Mesmo assim, o dinheiro não foi suficiente e familiares entraram bancando mais uma parte do filme para concluir a empreitada. Muro está alinhado com uma pequena parcela dos curtas-metragens produzidos no Brasil anualmente: é um filme fomentado pelo Estado. A grande maioria dos curtas-metragens vistos nos muitos festivais que acontecem durante todo o ano, entretanto, são produzidos ou em escolas de cinema ou de forma independente.

Para se ter uma idéia do tamanho da produção brasileira, basta observar um dado recente. O edital de curtas-metragens promovido pelo Ministério da Cultura, o famoso edital do Minc, recebeu 1.105 inscrições. Mas apenas dez escolhidos receberão, cada, a quantia de R$ 80 mil para produzir seu filme.

E um curta-metragem vale todo esse dinheiro? Tião pondera: “É estranho se você faz conversões e pensa, por exemplo, quantas milhares de cestas básicas poderiam ser compradas. E tem essa coisa na arte que é você dizer quanto vale, quanto custa. R$ 120 mil é muito, mas ao mesmo tempo pode ter alguém que ache que vale mais do que R$ 120 mil. O preço da arte é muito estranho de definir”. Tião ainda faz uma ressalva, pois todo o dinheiro foi investido no filme. Do montante, nada ficou com ele a título de salário.

O fato é que fazer cinema é muito caro e qualquer cineasta de primeira viagem sabe disso. Muro foi rodado à cinco horas e meia de Recife, em uma comunidade chamada Conceição de Cima, localizada no distrito de Serra Talhada. Cerca de 70 atores participam do filme, garimpados pela produção entre os moradores da região. “Tivemos uma produção muito pesada, uma direção de arte pesada… Tivemos que passar quase dois meses morando lá, conhecendo as pessoas, preparando o elenco.”

O filme só contou com uma atriz profissional, Inaê Veríssimo, do grupo Totem. Além dela, participou do projeto o músico José Humberto, que tem um grupo de teatro amador em Serra Talhada. Tião não o conhecia, descobriu-o na própria localidade, quando fazia testes para o filme. “O resultado é muito legal. Tem alguns que são atores natos.” Além deles, apenas o ator Jorge Queiroz, que embora tenha participado das filmagens, não está no filme. “No final a cena não entrou. Ficava muito melhor sem ela por causa do conceito do filme.”

Jorge Queiroz atuou no curta-metragem anterior de Tião, Eisenstein, que foi dirigido também por Leonardo Lacca e Raul Luna. Eisenstein, a primeira experiência de Tião como diretor, rendeu vários prêmios para o trio e rodou muitos festivais no país. Tião também protagonizou o filme, fazendo o papel de Ivan, um cara que idolatra o cineasta russo.

O prêmio para rodar Muro saiu antes das filmagens de Eisenstein, feitas com câmera digital. No entanto, pelo porte do filme e pela então inexperiência, preferiram adiar um pouco o projeto. Na hora de realizar o Muro, Tião precisou se adaptar a como filmar em película. Chamou um fotógrafo experiente (Pedro Urano), pediu muitas latas de negativos e concentrou as filmagens em seis dias. O maior problema, como explicou o diretor, é que o aluguel de uma câmera de cinema é muito caro. Assim, tudo precisou ser rodado em menos tempo. “O estilo de produção, a correria e o estresse, deixam algumas coisas ‘dormentes’. Eu até filmaria de novo em película, mas não faço muita questão. O processo do filme tem que ser tão prazeroso quanto assistir a um, fazer um roteiro. De alguma forma isso fica impresso. Eu quero fazer filme com meus amigos, mais tranqüilo. Quero fazer mais do jeito que eu quero.”

Mas Tião não acha que o estresse das filmagens resultou em um filme pior. “Tive sorte de terminar meus filmes gostando deles. Têm casos que o roteiro é melhor que o filme, que se a pessoa conseguisse fazer com mais calma, o resultado não seria um cover do filme.”

Mas afinal, que filme é esse Muro? “É um pouco sobre a relação entre algumas pessoas e um lugar meio remoto, meio amplo e, mais ou menos, como o progresso se move. Acho que ele toca um pouco no progresso.” Tião explica, ainda, que trabalhou sobre o conceito de progresso que desloca-se como uma seta, avançando. “Mas como todo movimento, ele tem forças que vão para todos os lados.” É também um filme sem localização geográfica, embora para o espectador, o sotaque característico o localize no nordeste. Se ainda não ficou claro, talvez a sinopse ajude: “alma no vazio, deserto em expansão”.

Pedi a Tião para assistir ao filme. A resposta dele foi assim: “Gostaria muito que as pessoas vissem o filme primeiro no cinema, com uma boa projeção, som, como deve ser. Tenho certeza que você, como realizador, me entende nesse aspecto.”

A verdade é que, por mais que as novas mídias sejam tratadas com entusiasmo, sites como o Youtube estejam revolucionado o nosso trato diário com a imagem em movimento, a experiênciação da sala escura ainda é a forma mais impactante de apreciar uma obra de arte. Com a chancela que traz de Cannes, Muro será um filme acessível e não deverá ser difícil assisti-lo em breve.



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio filme França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.