Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Editorial Rolo 3

Editorial Rolo 3


Por

Publicado em 2 de Junho de 2008

Numa passagem do filme Ensaio de Orquestra, de Federico Fellini, músicos de naipes diferentes tentam convencer-nos de que seus instrumentos são os mais importantes da orquestra. Cada um fala da tremenda importância de cada nota de seu instrumento e de como ele captura a alma humana, de como ele ajuda a tornar mais e mais catártica a experiência de ouvir a orquestra. Porém, todos sabem (ou descobrem?) que a orquestra funciona apenas como um todo. Pode parecer uma comparação primária (pode até sê-lo de fato, ainda mais tendo sido citado aqui o filme de Fellini), mas o cinema funciona exatamente como uma orquestra. Não no sentido de músicos x maestro, mas no sentido de que é uma união de naipes diversos: é um mosaico de todas as outras artes; apropria-se delas para sobreviver.

Nem de longe isso implica numa superioridade do cinema. Aliás, ao contrário, ele deve honrarias eternas a cada manifestação artística da qual faz uso. E é impossível tentar concluir em qual manifestação artística o cinema se apóia mais. Geraria uma discussão digna de Fellini. O que acontece no processo cinematográfico é que ele não engendra nada novo, apenas um processo novo de representação. Enquanto a música pode se dizer completamente à parte da pintura, já que tratam de estimular diferentes sentidos, o cinema não pode se afastar de nenhum. Ele é apenas uma nova forma de compor e pintar.

A Revista Moviola nasceu meio assim, dessa necessidade de tentar dizer que cinema é menor que tudo, que é formado por uma mistura de tudo e que, dessa aparente pequenez, dessa dependência, acaba por gerar algo diferente de tudo. No Editorial da primeira edição escrevemos:

Ganhou corpo, portanto, a idéia de uma publicação de cinema, mas que sempre se pautasse pela relação da sétima arte com as outras; que soubesse claramente que o cinema não é nada mais que uma compilação de todas as outras artes, que surge delas, que deve a elas; e que, portanto, desse voz a esse imenso mosaico canibalesco e aglutinador que é o cinema.

É aqui que começaremos, então, a tratar diretamente dessas relações. Neste e nos próximos rolos, a Moviola irá se debruçar sobre a construção do cinema através das outras artes, das suas proximidades mais intrínsecas, das suas diferenças mais evidentes.

A escolha de começar pelo Teatro foi impensada. Não houve qualquer necessidade de tratar essa série de uma maneira linear, ou de encadear uma espécie de pensamento da experiência cinematográfica através da ordem das artes a serem abordadas. Talvez, porém, a escolha seja inconscientemente coerente.

Segundo Ricciotto Canudo, no seu Manifeste des Sept Arts, de 1923, o Teatro seria a arte relativa à representação. Seria ela, portanto, que definiria a capacidade humana de ser o que não é. É uma arte do corpo, da necessidade do corpo, como a dança. Diferente dela, porém, não é tão visual, tão alucinante na sua introspecção. Trata mais da capacidade humana de mentir, de falsear, de fingir.

No cinema, é a relação com a arte teatral da representação que distingue dois caminhos maiores a se escolher dentro de um filme: a ficção e o real/documental. É (em termos amplos) a ciência de que as pessoas em frente à câmera são atores (ou não) que define o caráter ficcional (ou não!) da sua representação. Isso tudo em teoria, em análise rasa. A mistura desses termos, a dificuldade de definir essa diferença (ou até a falta de necessidade dela), é que aproxima a realidade do falso. É essa mentira permanente (seja ela verdadeira ou não) que confunde a pessoa e a personagem, a vida e a arte, seja no cinema, seja no teatro.

Teatro é, portanto, muito mais do que a mentira. Ele mesmo se apropria de outras artes na sua encenação, no seu processo – hoje, inclusive, invertendo o caminho e se apropriando também do cinema. Mas, diferente, claro, dialoga com o coração humano através do canal que mais lhe importa: o ator. Definindo que a Arte é sempre um engodo, um olhar pessoal, uma interpretação do real, há também (ou portanto) algo extremamente humano nela. O teatro se encaixa de maneira particular neste recorte: o que é verdadeiro nele é o que é humano strito sensu. É o próprio homem, que se define como objeto final de fruição, como obra.



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

28 de Outubro de 2019

                            Em 2020, o Internacional Uranium Film Festival comemorará uma década. O evento é o único no país dedicado a expor e debater o invisível mundo atômico e seus riscos radioativos. Em quase uma década, o festival reuniu produções cinematográficas de vários […]

Por Revista Moviola

19 de Outubro de 2019

              O longa-metragem Fendas apresenta uma protagonista mulher e paisagens, sons e imagens que envolvem seu trabalho num centro de pesquisas no Rio Grande do Norte. Seus objetos de pesquisa e seu cotidiano se mesclam. A personagem, uma cientista do campo da física, captura imagens de pessoas à distância. […]

Por Marcella Rangel

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Odeon Oscar Poemas Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.