Revista Moviola – Revista de cinema e artes » </br>

</br>


Por

Publicado em 2 de Junho de 2008

br.jpg

A espuma do champanhe molhava seu bigode. Era doce, mas só levemente, e recendia um discreto odor de uvas. Aquela safra fora excepcional. No salão, os lustres derramavam uma claridade amarelada que combinava com o vestido branco de Luana. Estava lotado. Enquanto atravessava a pista de dança para encontrá-la, sentia os diferentes tecidos que vestiam os convidados roçarem sua pele, seu smoking. Seda, algodão, cetim. Uma loira, que dançava animada com seu par, encostou no braço dele. A pele parecia veludo. Teve um breve calafrio. Parou em frente a Luana. Encostou a mão na nuca dela, esfregou os dedos na delicada penugem. O hálito esquentou-lhe o rosto e um calor percorreu todo seu corpo, numa onda, até alojar-se em suas calças. Trouxe o corpo dela para junto do seu. Sorriu ao escutá-la suspirando. Ela gostava de estar em seus braços.
</br>
A lancha cruzava a baía em alta velocidade. O vento trazia o acre dos sargaços e sol era quente. Sentia a pele grudenta pelo sal e a blusa, com os botões entreabertos, pinicava seu torso musculoso e bronzeado. Luana abraçou-o por trás e passou as mãos pelo ventre delineado. Tinha as mãos frias e ele ficou arrepiado. Sentaram-se. Ele pediu ao piloto que desligasse os motores. Abriu a caixa térmica, cheia de gelo. Comeram ostras, com sabor salgado de luxúria. Sentia que, cedo ou tarde, ela haveria de ceder. Não tardaria o momento em que a possuiria. Mas não naquele dia, nem naquele lugar. Levantou-se e, num sobressalto, pulou da lancha, mergulhando na água fria, que refrescou todo seu corpo. Os olhos ardiam quando retornou a bordo.
</br>
A lareira espalhava um gostoso bafejo morno na cabana. Lá fora, a neve se acumulava lentamente, em breve alcançaria a janela. Mas, não havia motivos para preocupação. Abraçados, próximo às chamas, trocavam também calor. Ela sussurrou uma brincadeira fútil ao seu ouvido e lhe ofereceu uma gole de chocolate quente. Era cremoso, mas muito doce. Ela lambeu um excesso que se alojou em seus lábios, próximo à bochecha. Sentiu cócegas. Ela continuou, lambendo seu queixo e descendo pelo seu pescoço, enquanto desabotoava-lhe a camisa. Sorveu profundamente o perfume do seu cangote, soltando pelas narinas um ar quente, agradável. Passeou com a ponta da língua pelos seus mamilos e, parando, fitou-o nos olhos. Duas poças verdes. Ele segurou-a firme, pelos ombros e a recostou na poltrona. Começou a despi-la, devagar, apreciando cada pequeno fragmento da paisagem em mármore que era o corpo dela. Os seios ainda em botão. Os pequenos pêlos que nasciam logo abaixo do umbigo e corriam em direção ao sexo dela, como se escapassem a um refúgio. Ela tremia a cada toque de sua mão. Não existia mais frio. Deitou-se sobre ela. Havia chegado o momento que aguardara tão ansiosamente. Antes de penetrá-la, beijou-a com ternura e perguntou: “Você me ama?”. “Sim”, ela respondeu. E seu hálito cheirava a urina.
</br>
Urina?
</br>
Engasgou-se com a sonda e golfou uma baba espessa, amarga e biliosa. O líquido subiu pela garganta, queimando tudo em seu caminho e saiu num longo jato, pela boca e pelo nariz. O tubo de látex caiu no chão e logo um outro desceu pelo terminal. Os neuroelétrodos parietais se desgrudaram de sua testa, como que por vontade própria, e se recolheram de volta à parede. Uma voz feminina e fria pedia que jogasse o material descartável na próxima lixeira. Caiu na calçada, sobre as calças úmidas e mal-cheirosas, enquanto um outro transeunte evitava encostar-se ou mesmo pisoteá-lo. Deve ser por isso que instalaram os terminais públicos, pensou, enquanto um esgar se infiltrava em sua face. Levantou-se, com as pernas trêmulas e tateou nos bolsos. Sempre andava com um creiom. Procurou, num beco próximo, um pedaço de papelão e, nele, desenhou a mensagem, em letras garrafais. Cofiou a barba suja e puxou um piolho. Foi até a rua e postou-se, com o papelão na mão, numa esquina: TRABALHO POR CRÉDITOS. “Hoje ela será minha”, pensou.
</end>

tracejado.jpg

Alex de Souza é jornalista e editor de conteúdo do site Nominuto.com. Também colabora com o e-zine Disuptores.



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio filme França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.