Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Sem mais delongas

Sem mais delongas


Por

Publicado em 5 de Março de 2008

sem-mais-delongas_2.jpg

Sem mais delongas, de Frederico Ruas, 19 min, 2006

Uma madrugada insone, um personagem atormentado, alguns encontros e emoções extravasadas. Este é basicamente Sem mais delongas, típico caso uma noite/um filme, em que o desenvolvimento dramático segue à risca o compasso do tempo. Pois mesmo que o tempo aqui não seja em si exatamente uma questão, não aparecendo como um marcador implacável dos eventos, a estrutura é tal que, terminada a noite, terão fim também os tormentos do personagem – e o questionamento final sobre a suposta “morosidade” do encerramento do filme, feito diretamente para o espectador, não deixa de confirmar essa relação previamente estabelecida entre a ação mostrada e o tempo decorrido. Naturalmente um filme-passagem, então: sem muitos dados de identificação, somos despreocupadamente jogados no universo astral do protagonista, o qual seguiremos noite adentro sem que isso signifique uma compreensão dele ou dos motivos que o levaram a agir daquela forma.

Isso porque o propósito fundamental do filme está justamente numa tentativa apreciação dos eventos enquanto imagens independentes. Uma discussão no cinema, um encontro resultado de um quase atropelamento, um temor/pânico intenso causado pela solidão nas ruas, uma briga de bar… Tudo de alguma forma está relacionado, ligado cronologicamente, mas a idéia é as relações permaneçam no (limitado) campo cronológico: nada do que é mostrado parece possuir um significado maior, uma razão de ser da qual possamos depreender as motivações do personagem acompanhado. A busca do diretor Francisco Ruas se dá então no sentido de uma compreensão visual das coisas. O que também implica numa clara opção por uma liberdade dramática, portanto.

O problema é que essa liberdade dramática com a qual o filme se propõe a trabalhar é mal aproveitada, e os conflitos protagonizados pelos personagens quase sempre descambam para a afetação – sem trama onde se apoiar, berrar parece a melhor solução para se chamar atenção. Todo o aspecto visual também é exageradamente fake, desde o uso da fotografia (o preto e branco associado à textura do digital) à dublagem desconectada da imagem. É todo um volume de imagens sem significado despejado sobre o espectador – e aí não é uma questão do que do que essas imagens podem significar racionalmente, mas da natureza delas, da forma como os conflitos e situações do filme existem enquanto imagens. E não é uma referência a Sganzerla, como aquela feita na cena da sala de cinema, que vai salvar o espectador desta eterna sensação de vazio.

Veja a cobertura completa da Mostra do Filme Livre 2008



1 Commentário sobre 'Sem mais delongas'

  1.  
    Frederico Ruas

    4 Janeiro, 2009| 8:28 pm


     

    Olá. Só descobri a sua crítica meses depois. Obrigado por ela. Sempre importante ouvir o que pessoas inteligentes têm a dizer sobre o meu trabalho. Tua sensibilidade é apurada e tua criatividade textual contribui para novas reflexões sobre o que fiz.
    Alguns pontos que te incomodam são verdadeiros e propositais, nada é leviano ou equívoco pois não existe perfeição a ser atingida, apenas os sentimentos sinceros que se transmitem através de projeções.

    Abraços! Se quiser conversar, aí está meu email.

Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

28 de Outubro de 2019

                            Em 2020, o Internacional Uranium Film Festival comemorará uma década. O evento é o único no país dedicado a expor e debater o invisível mundo atômico e seus riscos radioativos. Em quase uma década, o festival reuniu produções cinematográficas de vários […]

Por Revista Moviola

19 de Outubro de 2019

              O longa-metragem Fendas apresenta uma protagonista mulher e paisagens, sons e imagens que envolvem seu trabalho num centro de pesquisas no Rio Grande do Norte. Seus objetos de pesquisa e seu cotidiano se mesclam. A personagem, uma cientista do campo da física, captura imagens de pessoas à distância. […]

Por Marcella Rangel

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Odeon Oscar Poemas Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.