Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Fantasmagoria

Fantasmagoria


Por

Publicado em 15 de Outubro de 2007

phantasmagoria.jpgfantasmagoria

do Gr. phántasma, visão + agoreúo, anúncio

s. f., Teat.,
cenário fantástico de figuras e luzes;
arte de fazer ver fantasmas ou figuras luminosas na escuridão;
evocação de visões;
o aparelho com que se obtém esse resultado;

fig.,
falsa aparência;
utopia.

Desde que sou pequeno o cinema vêm até mim como fábrica de sonhos. É até meio brega assumir isso, eu sei, mas sempre foi assim. Desde minha paixão por Super-Homem II, que assisti umas mil vezes, passando por Fievel, o ratinho, até De Volta para o Futuro, Goonies, Conta Comigo, Dick Tracy, Chaplin, Blade Runner, Indiana Jones, ET. Depois em coisas mais sofisticadas, talvez, mas sempre sonhando. O cinema sempre ajudou a viver um pouco mais, a vivenciar mais histórias, saber mais, entender melhor as coisas. Se em algum momento da vida eu amadureci, certamente foi vendo filmes. Sim, as mulheres que passaram pela vida também ajudaram, os pais, tudo. Mas os filmes internalizaram uma série de sentimentos e experiências que, aos 25 anos, posso dizer que já vivi e aprendi.

No meio de uma madrugada insossa liguei a televisão e, no antigo canal Locomotion, passava um desenho animado, esquisito por ser oriental e não ter traços de mangá. Assisti um trecho, e logo depois outro. Eram vários episódios de 5 minutos, acerca de um fantasioso planeta chamado Phantasmagoria. Cativantes episódios. Acabaram e eu fiquei ansioso por mais. Por sorte, no dia seguinte lá estavam quatro partes novinhas. Gravei tudo, mas perdi a fita há uns anos. Na internet, o único trecho que encontrei foi este, da Fábrica de Cores.

YouTube Preview Image

É singelo, surpreendente talvez. Difícil falar de coisas tão amenas, tão simples e felizes, beirando o brega. As histórias desse mundo, todas elas de gente sonhadora, de espetáculos absolutos da beleza e alegria do mundo, são também antros repletos de melancolia. E daquela melancolia rasgada que faz a gente ficar triste de tão feliz.

O processo da narração em OFF, procedimento que tipicamente deixa tudo um pouco brega demais, aqui funciona glassy_ocean2.jpgcomo pensamento, como alusão imediata à tal melancolia que falei. Tamura Shigeru escolhe bem suas palavras (se pegarmos a junção das traduções em espanhol e português), delineia bem sua narrativa. Os planos fixos nos deixam observar seus maravilhosos cenários, sua fantástica aventura pela descoberta de um mundo que parou na saudade. Um pescador num oceano de vidro conta ao redor da fogueira que, acompanhado pelo seu gato, viu um navio enorme uma vez, andando lentamente sobre o tal oceano estático. Seu amigo, que ouvia a história, desacredita. Ele reitera: “O navio existia, eu vi, existia”.

glassy_ocean.jpgEm Glassy Ocean, curta de uns 20 minutos, a ação (?) se passa em torno de um mar que parou no tempo e, assim, uma baleia lentamente percorre seu vôo suspenso. O tempo de Shigeru é outro, se sugere aos poucos, é sempre da memória e do passado. O tempo suspenso permite a observação lenta e contemplativa dos fenômenos mais simples e cotidianos. As milhões de histórias de Fantasmagoria - como a da enorme lâmpada enterrada na areia que, mágica, se acende de súbito – se juntam e intercalam na criação de um mundo que não é mais nada que o tal “cenário fantástico de figuras e luzes” da definição do dicionário. Aliás, me engano, é muito mais que isso.

Ao fim de todos os episódios, ouvimos a mesma frase: “Esta é uma história desse mundo”. Em um deles, que não consigo mais encontrar, Tamura Shigeru nos fala de um lugar onde as pessoas se juntam para observar um enorme projetor lhes proporcionar o espetáculo de uma Aurora Boreal. E essas pessoas de várias idades, viajantes longínquos, sentam-se próximas umas das outras, olhando a incrível maravilha que projeta sonhos.

obs: Tsai Ming-Liang, em seu trecho de A Cada um Seu Cinema usa um processo que me lembrou muitíssimo a Phantasmagoria de Shigeru. Tanto pela narração em OFF e os planos fixos, mas pelo nostálgico clima de lembranças, pela melancolia da despedida, pelo ambiente onírico, pela música, pelo cinema. Tsai deve ter assistido Shigeru e gostado.



3 Commentários sobre 'Fantasmagoria'

  1.  
    Sonia

    29 Outubro, 2007| 10:10 pm


     

    Adoro ler seus comentários, sempre com
    citações que me identifico.

  2.  
    Luis

    15 Janeiro, 2008| 2:19 am


     

    Excelente comentário. Como a Sonia disse identifiquei-me muito.

  3.  
    Fernando Secco

    15 Janeiro, 2008| 8:16 pm


     

    Obrigado por ambos os comentários. Que bom que há uma identificação, com o texto e com o filme. Tamura Shigeru é pouco conhecido por aqui mas é um grande nome da animação. Seria ótimo se a televisão (paga, no caso) resolvesse passar mais coisas dele, ou passar de novo. Abraços e continuem por aqui!

Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

28 de Outubro de 2019

                            Em 2020, o Internacional Uranium Film Festival comemorará uma década. O evento é o único no país dedicado a expor e debater o invisível mundo atômico e seus riscos radioativos. Em quase uma década, o festival reuniu produções cinematográficas de vários […]

Por Revista Moviola

19 de Outubro de 2019

              O longa-metragem Fendas apresenta uma protagonista mulher e paisagens, sons e imagens que envolvem seu trabalho num centro de pesquisas no Rio Grande do Norte. Seus objetos de pesquisa e seu cotidiano se mesclam. A personagem, uma cientista do campo da física, captura imagens de pessoas à distância. […]

Por Marcella Rangel

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Odeon Oscar Poemas Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.