Revista Moviola – Revista de cinema e artes » O Expresso Darjeeling

O Expresso Darjeeling


Por

Publicado em 30 de Setembro de 2007

Francis, Jack e Pete viajam pela Índia: pai onipresente.

Francis, Jack e Pete viajam pela Índia: pai onipresente.

O Expresso Darjeeling (The Darjeeling Limited), de Wes Anderson, 2007, EUA. Mostra Panorama.

Os irmãos Francis, Pete e Jack não se falam há um ano, desde o enterro do pai. Para reaproximá-los, Francis, o mais velho – desfigurado por acidente de moto –, convida os demais para viagem espiritual através da Índia, omitindo que o propósito verdadeiro consiste em reencontrar a mão ausente, que se tornou freira e vive refugiada em convento. Com encanto e doçura, Wes Anderson volta novamente sua objetiva para a família, e reflete acerca do peso que a herança dos pais exerce sobre os filhos, no que talvez seja o melhor filme de sua carreira.

O Expresso Darjeeling, na verdade, está dividido em duas partes. Na primeira, curta-metragem que antecede a “atração principal”, Jack está às voltas com a namorada em hotel de Paris, ode se hospeda há dias ou meses. Na segunda, as relações conflituosas dos irmãos no trem “Darjeeling Limited”. Assim, se Robert Rodriguez e Quentin Tarantino recuperam, com Grindhouse (cujos episódios, Planeta Terror e À Prova de Morte, apresentam-se em separado fora dos EUA), a estrutura das antigas matinês dos filmes B, na qual duas produções de baixíssimo orçamento eram exibidas em seqüência, entrecortadas por trailers diversos, Wes Anderson retoma a experiência que une, na mesma sessão, curta e longa-metragem (que devem passar obrigatoriamente juntos, informam os créditos de abertura).

O curta-metragem O Apartamento, que antecede, mas também integra, O Expresso Darjeeling, homenageia a nouvelle vague (na medida em que desenvolve romanticamente o encontro amoroso de dois solitários em hotel coloridíssimo de Paris), enquanto o longa principal faz bela síntese do cinema indiano, e do que o Ocidente registra por lá, desde a trilha sonora extraída dos filmes de Satyajit Ray – A Canção da Estrada, A Sala de Música, O Invencível, por exemplo –, até a deliciosa primeira seqüência, que mostra executivo (ponta silenciosa de Bill Murray) apressado para tomar o trem. Em poucos minutos, Wes Anderson trabalha a imagem do estrangeiro no país desconhecido, a desorientação que o caótico trânsito urbano proporciona, os cortes bruscos e os saltos entre os planos, comuns às produções de Bollywood, e os zooms-in e zooms-out que perdem, procuram, reenquadram e transformam os objetos de interesse ao olhar durante a cena.

Bill Murray representa indiretamente o pai ausente que, embora morto, continua atormentando as memórias dos filhos. Francis, Pete e Jack não se entendem e não confiam um no outro, como provam as seqüências em que, de dois em dois – sempre com a exclusão proposital do terceiro –, contam indiscrições e segredos entre si: Pete viajou sem dizer à esposa grávida, Jack ouve as mensagens da secretária eletrônica de sua ex-namorada, Francis se jogou com a moto contra a parede. Anderson, na prática, utiliza as figuras do discurso: quem fala, com quem se fala e de quem se fala, posições que o trio alterna ao longo da narrativa. Apesar de todos concordarem com as propostas de Francis, sabe-se que o fazem por força do hábito, pois apenas repetem o comportamento que possuíam com a mãe, da mesma forma que a mania do primogênito em ditar ordens vem da herança materna.

Os irmãos procuram a mãe, repetem seus atos, não aceitam que estivesse ausente no funeral do ex-marido. No entanto, o peso mais traumático aos filhos, que os impede de viver plenamente, está na lembrança onipresente do pai. Francis alega que lhe conhecia as vontades, Pete toma para si objetos deixados por ele e Jack lamenta que o pai não tenha aberto o livro que lhe escreveu de presente (com personagens que insiste serem fictícios, embora os irmãos o desmintam, pois se baseiam em fatos reais). A viagem espiritual, que inicialmente fracassa em virtude do apego de Francis a rituais religiosos para turista ver, ganha novo significado quando, expulsos do trem, salvam duas crianças de se afogarem no rio. Outra morre, porém o contato que os estrangeiros (sobretudo entre eles mesmos) travam com os habitantes da vila indiana lhes permite que saiam do circuito mesquinho das desavenças pessoais e familiares e que conheçam a dor, o sofrimento, a amizade e a beleza que há no outro, no desconhecido. Abrem-se os olhos e de repente o mundo existe, onde línguas e culturas diferentes se entendem e se gostam com mútua generosidade.

Generoso e tocante são os adjetivos que definem O Expresso Darjeeling. Para seguir adiante, é necessário que se esqueça a imagem paterna. Há metáfora mais simples e poderosa do que largar as malas que carregam durante toda a viagem, as quais pertenciam ao pai, a fim de alcançar o trem em movimento? Os problemas, claro, não desaparecem – Francis está desfigurado, Jack não sabe se aceita reencontrar a ex-namorada na Itália e Pete se sente desconfortável com o filho prestes a nascer –, mas a jornada dos três continua.

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2007



1 Commentário sobre 'O Expresso Darjeeling'

  1.  
    serint

    24 Maio, 2008| 11:38 am


     

    Esse foi um dos melhores filmes que já vi nos últimos tempos e sua crítica está simplesmente divina!!! (em compensação, só porque está na moda não se tomar partido em nada – coisa muito louvável em período onde notadamente só assim se fazia, não há porque se atirar ao lixo tão rapidamente outros olhares que se expressam abertamente a respeito do que vêem – o que tb poderia ser considerado um ato de coragem – não gostei nada de seu olhar sobre Loach porque se vc tem razão ao dizer que os indivíduos são os donos de suas decisões, por outro lado sabemos também do que a propaganda e a pressão social são capazes de (des)fazer a um indivíduo… olhar a beleza e as possibilidades que se abrem, sempre, ser ingênuos… talvez porque vocês sejam a própria geração dessa mitificação abusiva do “poder do indivíduo” ,o que seria muito bom se realmente esse “poder” fosse praticado… mas só vejo ser praticado (em sua gde maioria, of course existem exceções allways…) para comprar carros, celulares, competir de forma bastante agressiva e mesquinha com seus semelhantes etc e tal…

    Mas – sorry pelas digressões – gostei mesmo muito DESSA sua crítica aqui….

Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Por Revista Moviola

26 de Fevereiro de 2019

Perigo Por Encomenda (2012), escrito e dirigido por David Koepp, traz ao público a cidade de Nova York como elemento determinante na narrativa e na estética do filme. O longa conta a história de um mensageiro que usa como transporte uma bicicleta (Wilee, interpretado por Joseph Gordon-Levitt) em Manhattan, o personagem precisa entregar, um envelope […]

Por Revista Moviola

21 de Fevereiro de 2019

Garota Sombria Caminha Pela Noite (2014) é um filme baseado em um curta de terror, com roteiro e direção de Ana Lily Amirpour e vencedor do prêmio da Revelação Cartier no Festival de Deauville em 2014. Uma produção realizada por imigrantes iranianos nos Estados Unidos que traz um estilo mesclado entre o horror, a fantasia, […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.