Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Juízo

Juízo


Por

Publicado em 29 de Setembro de 2007

Juízo é o segundo documentário de Maria Augusta Ramos. Seguindo uma linha mista entre cinema direto e docudrama, o filme acompanha a trajetória de alguns menores infratores. Grande parte do longa-metragem se passa em audiências da Vara da infância do Rio de Janeiro.

O filme tem algo de peculiar. Em todos os planos que aparecem os rostos dos menores, há na verdade uma encenação. Para não ser obrigada a distorcer a imagem com áreas fora de foco ou bolas pretas, a diretora preferiu contratar atores para representar os contraplanos dentro do documentário. Ou seja, todas as imagens em que vemos os infratores de costas, tratam-se de imagens reais. Quando a câmera troca de posição e vemos os rostos deles, há a intromissão da ficção, a presença dos atores.

No entanto, os diálogos foram escritos seguindo à risca as falas captadas no primeiro momento de filmagem, o do documentário.

Maria Agusta Ramos já havia trabalhado em seu filme anterior em uma linha parecida com essa de o Juízo. Em Justiça, também seguindo as premissas do cinema direto – ou seja, de um tipo de documentário que preza a não interferência e a penas a observação dos fatos -, ela filmou a trajetória de alguns prisioneiros, desde as primeiras audiências, até a prisão ou a liberdade posterior.

O problema é que o cinema direto muitas vezes não funciona. Muitas vezes o diretor, ou seus retratados, se vêm tentados a mexer em algo para melhor expressar suas idéias. No caso de Justiça, existem seqüências inteiras em que há um forte tom de encenação. E o problema, na verdade, é que o filme não assume isso.

Já em Juízo, ao contrário, a encenação é o seu forte. A diferença é que assumindo o que se modificou ou manipulou, há um grau maior de credibilidade. Além disso, é uma experimentação rara essa que vemos no filme.

A encenação assumida e apresentada no filme acaba confundindo o espectador. E isso não é ruim. Muito embora a sinopse deixe claro que apenas as imagens que poderia identificar os menores foram refeitas, durante toda a exibição ficamos nos indagando o que é e o que não é documentário. Isso acontece por algumas razões: primeiro porque os atores escolhidos estão, em geral, muito bem na representação. Ou seja, são quase anônimos.

Em quase toda a extensão do filme, é apenas uma juíza quem comanda as audiências. E ela é o inverso absoluto dos réus. Ela é uma atriz. Não, ela não foi contratada pelo filme para representar um papel. Ela é uma atriz porque o ritual que a cerca, a faz encenar o papel de juíza. E para ressaltar, é um papel cômico o dessa mulher. Tão cômico e tão sugestivo, que é possível que o espectador se pergunte se não leu a sinopse de alguma maneira errada. Será que o documentário não é focado nas crianças e todo o resto é ficção?

É muito provável que esteja aí a decisão de Maria Augusta Ramos de fazer esse jogo de encenação e documentário. Ao perceber o carisma que a juíza retratada tinha frente à câmera, ela optou por jogar com isso. De quebra ela vai ao limite do sistema do documentário e questiona quais são as relações exatas entre uma forma ou outra de filmar. E faz isso sem esquecer do real assunto que está ali sendo estudado, a grande problemática que é a violência, a exclusão social, o sistema judiciário lento e as ferramentas educacionais ineficazes.

O jogo de encenação ali não é apenas do filme com o público, mas de todo um aparato judiciário com a sociedade.

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2007

E mais
Assista a entrevista com o documentarista Eduardo Coutinho



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Por Revista Moviola

26 de Fevereiro de 2019

Perigo Por Encomenda (2012), escrito e dirigido por David Koepp, traz ao público a cidade de Nova York como elemento determinante na narrativa e na estética do filme. O longa conta a história de um mensageiro que usa como transporte uma bicicleta (Wilee, interpretado por Joseph Gordon-Levitt) em Manhattan, o personagem precisa entregar, um envelope […]

Por Revista Moviola

21 de Fevereiro de 2019

Garota Sombria Caminha Pela Noite (2014) é um filme baseado em um curta de terror, com roteiro e direção de Ana Lily Amirpour e vencedor do prêmio da Revelação Cartier no Festival de Deauville em 2014. Uma produção realizada por imigrantes iranianos nos Estados Unidos que traz um estilo mesclado entre o horror, a fantasia, […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.